Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Vai dar quase ao mesmo...

Baixinha, a minha neta de oito anos esperta que nem um alho (não sei a razão deste dito, mas também pouco importa para o caso), perguntou-me se tenho o "Cheróme" na lambreta (nome carinhoso com que trato o meu tablet).
"Cheróme"? Não sei quekogo é esse.
Jogo? Qual jogo avó! É para pesquisar...
Pesquisar....cheróme...ah, pois. Era o Chrome.

4 comentários:

  1. A neta que nos vai fazendo sorrir :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Uma achega sobre "fino como o Alho" Afonso Martins Alho era um mercador do Porto enviado á Inglaterra para firmar o 1º tratado anglo-luso (tratado de Windsor) e tão bem se houve no desempenho da missão que passou a ser padrão de tipo esperto."Tão fino como o Alho" diziam os tripeiros quando alguém se aviava bem com um negócio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Álvaro, não sabia embora seja uma expressão recorrente.
      Kis:)

      Eliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...