Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Na Finlândia é assim em Portugal é assado

Estou de total acordo com todos os itens da notícia. Melhor que ninguém sei o quanto as crianças passam tempo demais na escola, por vezes dez horas. Mas não temos bases políticas para tomar estas experiências no nosso país. Teríamos de renascer.

E depois, nem sempre há uma avó disponível para ficar com o restante tempo porque, infelizmente, ainda há avós no activo.
Mas sim, em Portugal, hoje em dia há crianças que permanecem na escola desde a oito até às sete; é o pão nosso de cada dia por variadas razões. E ainda bem que podem ficar onde há pessoal qualificado para olhar por eles.

3 comentários:

  1. Várias razões levam a que não seja possivel, uma delas a fuga ao fisco em Portugal, a economia paralela é superior á declarada, teríamos de ter uma economia séria e tanto pais como professores em sintonia, infelizmente a grande maioria dos pais não aparece nas reuniões da escola, e não me venham com histórias de que trabalham á uma reunião por trimestre, também a grande maioria tem as crianças na escola/infantários mais de 10h por egoísmo pois vivo á beira da praia e vejo muitas pessoas da zona na praia e a passear e as crianças na escola/infantário. Como dizes minha querida teríamos de renascer, e infelizmente muitas avós já não estão vivas.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Se o ensino é de qualidade é os profissionais competentes o melhor é ficarem na escola mesmo.
    Aqui no Brasil muitas saem das escolas e ganham asas nas ruas, as mães trabalham e muitas nem sabem.

    bjokas =)

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...