Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sexta-feira, 3 de março de 2017

E, agora, ninguém fala... Ninguém diz nada...

É o terceiro caso de bebés retirados à mãe no primeiro mês de vida isto porque a Segurança Social entende que não há condições para a mãe ficar com o filho e a criança é entregue para adopção. É que nem passa por famílias de acolhimento.
Não sei se se lembram da excelente reportagem sobre a Segurança Social inglesa que retirava os filhos das mães quando havia matéria para análise. Eram mães portuguesas, mas também retiram às filhas da terra.
Lembro-me da revolta popular nas redes sociais sociais e o apoio dado pelo governo português e pelos advogados a estes casos.
Eu pergunto: e agora, que a segurança social portuguesa que faz exactamente o mesmo? Ninguém diz nada?
Onde estão os mesmos que apontaram o dedo e criticaram o sistema inglês?

23 comentários:

  1. Devem ter cansado de se debater, como muitos, como a maioria.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente a adoção atualmente tornou-se uma coisa que parece ser um negócio. Sei, que o sistema antigo era moroso e não muito bom para as crianças. Mas agora parece ter-se passado do 8 ao 80
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida. Tirar uma criança com dias de vida é precoce
      Kis :=}

      Eliminar
  3. Este tipo de notícias deixam-me muito triste e sem fé nenhuma na justiça portuguesa! É de lamentar que um bebé com menos de um mês seja retirado à mãe, quando é a pessoa de quem eles mais precisam no início e SEMPRE!

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso como tu, mas fazem assim para não criar laços....Mas nem dão tempo
      Kis :=}

      Eliminar
  4. Filho que sem o amor de mãe cresce,
    seja qual for o motivo, tristemente
    quem como eu padeci, também padece
    quando do filho o amor de mãe ausente!

    Tenha uma tarde alegre, não tristemente!

    ResponderEliminar
  5. É realmente muito mau, será que estas situações são investigadas?!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chicana...
      Acho que se trata este assunto foi sem rigor..
      Kis :=}

      Eliminar
  6. Olha que essa questão actual tem sido bastante discutida na TV (pelo menos TVI 12:30 h.)!
    Por um lado, só um Juiz pode determinar uma coisa dessas ;
    Por outro lado, aqui, parece ter havido o consentimento expresso da mãe, assinando um papel em que declarava que não tinha "condições" para o criar (não o conseguia alimentar mesmo no Hospital);
    Por outro lado há um advogado (não me recordo de que parte) que se está a opôr a essa situação, estando a fazer tudo para a reverter ;
    e finalmente, parece que agora a mãe se arrependeu e quer o filho ! (?)
    Logo, o assunto acabará por ir a Tribunal para uma decisão !

    Acho que esta estória está a ser mal contada, mas que está a caminhar. Não definitiva !

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rui da Bica, depois do Espírito Santo e agora só Rui. Vou!Gaste. Ainda bem que VOltaste.
      Naquele dia combinado vou apertar-te as orelhas

      Kis :=}

      Eliminar
  7. Penso com que direito um ser humano pode fazer isso com outro? Tirar um filho de uma mãe nossa me da arrepios so de pensar! bjucas

    ResponderEliminar
  8. Pois é Avogi devem estar adormecidos e só acordarão quando houver uma reportagem sobre o que se passa "entre portas".

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas será necessário? Todos nós sabemos o que existe entre portas. Acho que partir logo para a adopção é definitivo
      Kis :=}

      Eliminar
  9. Não vi essa notícia mas acompanhei as várias reportagens sobre os filhos retirados para adoção na Inglaterra. Revoltante!!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Por acaso pensei isso quando ouvi falar destes casos. Pensei, olha afinal por cá também se passa o mesmo. Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  11. Já ouvi falar desses casos e nem sei bem o que pensar de tudo isso!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  12. Por trás disto pode ocultar-se um negócio hediondo. Não podem ser tomadas decisões de ânimo leve. É bom que a imprensa denuncie para agitar conciências.
    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Pois... é a chamada dualidade de critérios. O que vale nuns casos não vale noutros.
    Beijos

    ResponderEliminar
  14. Aí eu não sei de nada daí., sei que no Brasil é difícil adotar
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  15. É a coerência das pessoas...

    r: Abrir só se não magoar mais

    ResponderEliminar
  16. Um texto para refletir.
    Eu fui deixada num orfanato quando recém nascida.
    É uma longa história...
    Quando me casei adotei três crianças de um orfanato também
    e um ano depois tive trigêmeos.
    Sabe? Não sei definir a diferença que amo os seis.
    Há mães que não sabem a necessidade que é para um filho tê-la ao lado.

    Bjinho

    ResponderEliminar
  17. Ola avogi, paseando virtualmente de casa do p. Coimbra cheguei ao condado ofshore.....
    A (in)Seguranca Social e mais um instrumento dos comunistas e socialistas . Destruir a familia para implantar dependencia individual. A caminho da dictadura e desgraca. Dizem QUER peixe apodrece pela cabeca, aqui a sociedade esta APODRECER PELAS BASES, a familia, pobre Europa.

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...