Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Eu não sei como se pode comer tanto!

Não sei, juro que não sei como se pode comer tanto. Não sei vocês mas eu sentei-me ao meio-dia e levantei-me à meia-noite. Sempre a comer. Os aperitivos, as entradas, o cabrito, as sobremesas, o chá os bolos, o café e o digestivo.
Garanto que se me colocar na balança e ela mexer com o ponteiro mais de dois riscos eu dou-lhe uma martelada.

E foi assim o Domingo de Páscoa. Entre o almoço e o jantar ainda houve tempo de dormir no sofá ementes outros jogava à Bisca e ao Cassino.
Se foi o que esperava? Melhor do que...

sábado, 15 de abril de 2017

Ressuscitou. Aleluia

E Ele ressuscitou dos mortos ao terceiro dia conforme as Escrituras, depois de crucificado pelos romanos na Sexta-feira Santa.

Feliz Páscoa para todos os que me visitam bem como aos seus familiares.
Agradeço também aos que, por esta via, me têm desejado uma Santa e Feliz Páscoa para toda a minha família.

Não vai dar tudo ao mesmo?

Estava eu a andar a quatro patas, punhos fechados no chão, braços esticados e cara de má a aproximar do mê Gu-Gu, o neto de sete anos e, distraído como estava, digo-lhe na mira de olhar para mim.
- Olha, Gu-Gu, sou um macaco.
Ele olha e deixa de olhar, sem se rir (e queria eu que ele achasse piada às minhas asneiras!), ao mesmo que diz: "não és nada um macaco!"
- Não sou? - pergunto eu e continuo a andar a quatro patas - mas estou a andar como os macacos, não?
Abana a cabeça em negação, como que a dizer: "esta nunca mais aprende, por mais que lhe ensine"
- Gorila, avó, os gorilas é que andam assim. Aprende. - e continua a olhar para a televisão.
Ora toma e vê se aprendes. E tristezinha, levantei-me, deixando somente os pés no chão a pensar se realmente macacos, gorilas, orangotangos e chimpanzés não andam todos de igual forma.
Dúvidas, só dúvidas...

Fotografia: O mê Gugu em modo desporto radical

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Ainda que fosse verdade

Ainda que natal seja sempre que uma mulher quiser há limites. E os meus limites por vezes andam baralhados e de vez em quando sai asneira da mais grada.

Ontem ao passar por conhecidos e, como habitualmente se deseja votos de feliz época, cá a rapariga que vos escreve também quis ser bem educada desejando "Feliz Natal" com toda a convicção que estava a dizer "Feliz Páscoa". Só dei conta que algo estava mal, quando olham (para a rapariga que vos escreve) com tal ponto de interrogação de mão dada com o ponto de exclamação ambos espelhados na cara e a pensarem: "tá tontinha?!"
Aí sim, esta rapariga cuja cabeça dita a sentença fica assim, a modo que encavacada e a pensar que eles eram Jeová.
Atão eu desejo feliz Páscoa e eles olham para mim de boca aberta a fazer um grande "ó" em vez de agradecer e retribuir?! Atão onde já se viu ficar sem dizer nada à pessoa que deseja que a páscoa seja replecta de paz?
Só quando disseram: "andas adiantada ou atrasada?"
Aí virou o bico do prego e era já eu de boca aberta, sobrolho franzido, e a pensar: "Uóte (pensei em inglês), tás tontinha ou fazes-te? As amêndoas entupiram-te o cérebro, ou quê?!"
Depois esclarecemos e chegámos à conclusão que eu é que tinha amêndoas a entupir o cérebro e que já tinham substituído os miolos. Depois gargalhada geral por esta cabeça ser, a modos que, uma moganga!
Ora o Natal ainda há dias foi mas não tarda a chegar...

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Remédio santo para as insónias e eu só estava constipada

Há muita gente a sofrer com esta malvada doença, que não deixa unir pestana de cima com pestana de baixo e faz-nos ouvir tudo à nossa volta. Eu, da minha parte, não oiço quase nada assim que tiro os aparelhos das orelhas a não ser a respiração profunda (se eu disser roncos ele fica aborrecido), do vizinho do lado ou seja do mê senhor.
Nem Valdespert nem Valeriana nem Valium nem Xanax...
Estava eu a dizer que há um medicamento eficaz para a insónia, para quem deseja uma noite tranquila nas asas de Morfeu, sossegada, silenciosa, enfim, descansada. Seu nome Actifed.
Oh mês dês, tomei uma colher deste remédio e podia cair um bolo do caco em cima da cara e, na pior das hipóteses ir para a outra banda para a zona dos calados que nem dava conta.
Foi preciso a minha Pulga -a Maiveilha, a de onze anos, perfurar a testa com aquele dedo em riste para me lembrar que, afinal, ainda estava no mundo de cá.
Dormi tão bem e só tomei uma colher de Actifed, que é um anti-histamínico imaginem se tomasse duas...

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Muitas vezes nem damos conta o quanto é reconfortante

Um banco, um jardim, relva, uma paisagem outonal, e eu que procurava um lugar para descansar, encontro-o ali, ao virar da esquina, onde o vento faz a curva. Tão perto e nem sabia o quanto é apaziguadora esta quietude.
Não é preciso muito para ser feliz