Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Todo o dia agarrada a ele

Nem vos conto! Passei o santo dia de mão dada com ele numa actividade em que transpirei este mundo e o outro. Que maravilha! Que dia pleno. Adorei, a sério. Nós os dois sem mais ninguém por perto. Eu nunca o larguei, não fosse a chegada das Pulgas e ainda estaríamos enrolados no bem-bom. Mas não, a minha conduta é perfeita, não ia submeter as crianças a tamanha visualização da coisa. Cá nada! Ainda lhe perguntei se podiamos voltar a fazer o mesmo, mas ele olhou para mim e, com os olhos a pedir descanso, percebi que, não pode ser todos os dias. Há que deixar a poeira assentar novamente.
Por isso, só daqui a dias é que voltamos a fazer o mesmo, e espero que nesse dia os meus netos não me interrompam. Quero começar e acabar.
Mas digo, a casa ficou a brilhar depois de ter passado o dia agarrada a ele - ao pano de limpar o pó.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Basta para não dizer chega, já não posso mais

É que por aqui só se ouve "O show das Poderosas"..
Se não conhecem é algo para gente miúda e é essa gente miúda que passa o dia a cantar e dançar.
Atão, oiçam e dancem que eu já sei de cor e salteado.
Aqui vai o video das Poderosas para aprender a coreografia e agora que já sabem dançar, este com a letra para o caraoque. 
"Para o baile pra me ver dan-çan-do...até você cai ficar ba-ban-do" não esqueçam de cantar com sotaque brasileiro.

sábado, 26 de abril de 2014

Pulgas a saltar

E, num belo dia de primavera que melhor do que deixar as Pulgas saltar para fazer jus ao seu nome. O Pulgo, esse, meteu-se em trabalhos saltou tanto que, no momento certo, sai de cena.
E a sombra da maiveilha parece uma borboleta, (como me chamou à atenção uma grande amiga minha) a da Baixinha, a mim, parece-me um leão, a alguém, também minha amiga, parece-lhe um elefante. 

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Cansada de subir...

Desisti. Um quilómetro e oitocentos metros era muito para mim. Cansada de subir, pois que, quanto mais se sobe mais se desce.
Vereda que liga o Paúl do Mar (em baixo, lógico), aos Prazeres. E, aquela coisinha branca no cais foi onde dormi. Uma casinha ambulante de um casal amigo. E subi até onde pude que, desde que foi descoberta a roda e os automóveis....eu sou calaceira para andar...a pé.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Até me aborrece...

...ouvir noticiários. Desisti de pasmar em frente à televisão. É um repete-repete. Cortes, desemprego, miséria, sem-abrigo. Além dos maridos que matam mulheres, namorados que regam com ácido as namoradas, and so on...Será este o país que eu escolhi para viver? Será que os nosso antepassados, sequer,  imaginavam o rumo que iam dar a este país, estes nosso governantes?
Não creio! E por isso aborrece-me...


Mamões


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Seiscentos euros por minuto?

Até me caiu o queixo quando li a notícia! O menino Ricardo Araújo Pereira, o dos Gatos Fedorento, da Mixórdia de Temáticas, da publicidade do Meo, da Visão, e agora do programa da TVI "Melhor do que Falecer" além do programa "Governo Sombra" ganha a mórbida quantia de seiscentos euros por minuto. Quer dizer, enquanto eu respiro ele ganha. Não que eu leve tanto tempo a  inspirar mas... seiscentos euros por minuto é algo que não me passava pela cabeça. Eu até aprecio o seu humor, delicadeza e beleza, sim, eu acho o rapazinho belo, perfeito nas suas feições, mas também se eu numa inspiração mandasse cá pós bolsos seiscentos euritos em cada minuto seria a rainha do Sabá.
Ou então, comprava este belo exemplar que estava à venda no mercado de usados.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Não aprecio

É desporto estar toda a tarde de cana metida na água à espera que venha um distraído ou esfomeado peixe morder o anzol ou será paciência? Era coisa para me aborrecer.
E depois, vir um peixe na ponta da cana e ao chegar cá acima ele lembrar-se que deixou família lá em baixo e saltar novamente para a água, seria coisa para me desmotivar, arrumar o farnel e dar de frosques, passar pela lota e arrematar uma cesta de peixe.

Fotografia: pescadores nas águas do Porto da Cruz, zona norte da ilha.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

À borla

Impressionante, a quantidade de indianos que se espetam debaixo da placa WI-FI zone, em plena baixa citadina, de telemóvel em punho. Neste momento, em que me encontro ao lado de uma, vislumbro cinco. Nossa, olhando bem, não é só com telemóveis. É computadores, é tabletes...

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Esclareçam-me, feichionistas de serviço

Já é retro tirar fotografias em frente ao espelho, aquelas em que as mocinhas, as feichionistas se colocam de telemóvel em riste em frente ao espelho do quarto de dormir pela manhã, mal se vestem, para colocar nos blogues, feicebuques e instagrames, agora a onda é mais de cima para baixo? É?
Caramba, e eu que eu ia começar a me pôr linda em frente ao espelho - e porque vou ter um telemóvel dos bons, constato que já era, a moda agora é da cintura para baixo. É sempre a inovar e eu como boa aluna candidata a feichionosta já aprendi.

Não está não

Não está um dia de primavera, antes pelo contrário tenho frio e o sol que ainda há pouco brilhava, já se recolheu, mas os passarinhos chilreiam em frente à janela, os cães ladram, e as crianças, porque estão de interrupção lectiva, saltam e pulam aos berros que se ouve até no Porto Moniz, zona norte da região.
Por isso, não querendo dar foguetes antes do arraial, ou ser o profeta da má sorte, prevejo um fim de semana sombrio.
E não é que sempre que se aproxima o  uiquende (inglês) o tempo muda?

terça-feira, 8 de abril de 2014

Estou farta!

Se eu tivesse uma varinha de condão mudava tanta coisa na minha vida. Com um só toque fazia desaparecer certas pessoas que me aborrecem, certas atitudes que condeno que transcendem o admissível. Faria desintegrar estes pensamentos que me mordem, este desejo de tornar a vida bela. Missão impossível porque a vida é bela dependendo da perspectiva com que a vemos. Neste momento vejo através de uma bruma...
Estou naqueles dias em que não vislumbro a luz no fundo do túnel.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Há-de vir dias melhores

Uma pessoa abre os olhos depois de uma noite bem dormida e acorda feliz, uma pessoa levanta-se sorridente, uma pessoa olha para o espelho e gosta do seu reflexo, uma pessoa diz em silêncio: "bom-dia Vida, obrigada por mais um dia."
Meia hora depois, uma pessoa chora e maldiz a vida.
Também tenho dias assim.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Netos, também é isto

Desarrumação.
Com a certeza porém que, até ao deitar, tudo vai (des)arrumado para dentro do baú.
E faz-se um pouco de exercício físico...

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Netos, uma coisa para lá do normal

Netos é aquela coisa boa que acontece quando a gente se dá conta que os filhos cresceram e encaminharam-se rumo à vida.
Netos é aquele vendaval que nos chega casa adentro sempre com um sorriso na cara.
Netos é pensar que, afinal, nunca deixamos de ter crianças em casa.
Netos é acreditar que os filhos virão sempre bater à porta.
Netos é aquela etapa da vida em que pensamos estar quietos no nosso canto e de repente chega uma avalanche de ternura.
Netos é voltar a saltar à corda e jogar futebol mesmo que as forças não existam.
Netos é ter sempre um sorriso na cara mesmo que o coração esteja triste.
Netos é...isto e muito mais.
Netos uma palavra que enche o coração.

Se os meus gatos falassem...

....diriam que têm fome, mas como só miam, e eu que já me custa entender a linguagem dos homens, fico a pensar a razão. Será fome, sede, sono ou outra coisa? Fico a olhar para eles à espera que me façam sinal do que querem. Enquanto espero eles miam e miam. Ter eu de aprender a linguagem animal? Um assunto a ponderar.

Atão, enquanto estou neste "dilhema" de não consiguir decifrar o que realmente pretendem, nem porque razão fazem acrobacias, vou num pé e venho noutro, encher a tina de salmão com verduras a ver se se calam. E que sorte têm! Eles comem salmão com verduras e eu como uma sopa. Não há o direito!

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Eu bem queria...

...mas...não há (ainda) bisalhinhos na forma. Ainda fui apelidada de mazinha e reles pelo mê bisalho que, sabendo de como queremos ter mais netos fui tocar no ponto sensível dele e meu.
Desculpa, Bisalho, mas sabes que, a idade está a avançar, para ti e para mim, e quero ter genica para saltar à corda e jogar à bola com ele, como faço com as Pulgas.
Daqui a nadinha faço sessenta anitos. E com este peso (da idade) poderá ser difícil agir como agora, mas de uma coisa podes ter a certeza se nao tiver agilidade, genica e força compro, nem que seja a prestações. Porque tempo é coisa que não me falta quando o assunto é...netos.

Mais um ano, diz ele. E eu digo: UM ANO? Ainda tenho de esperar um ano?
Ora deixa cá ver: Um ano para projectar, mais um ano que pode o projecto não estar aprovado, mais a empreitada....que demora nove meses, é uma coisa que estará pronta lá para dois mil e dezasseis, certo?

terça-feira, 1 de abril de 2014

Mais um neto

A família vai aumentar neste ano. Para Setembro vai nascer mais um rapaz. Um neto para a AvoGi. Desta vez vem da parte do mê bisalho que já encontrou maneira de aumentar a família. Agora vou ter de mudar o "títalo" do blogue. Sim, que do bisalho sai bisalhinhos.
Se calhar vai ser "AvoGi entre Pulgas e Bisalhos".
De qualquer maneira, ainda não consegui tirar este sorriso  da cara desde que soube da notícia.
Mais um neto. Um rapazinho para brincar com o mê Gu-Gu. Um beibi-bói.
Lai lai lai lai lai ...la ra la ra la la. Tou aqui que nem me aguento de tanta felicidade.

Fotografia: Os futuros papás, no castelo de Sortelha, no último Carnaval.