Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Abre a porta que eu dou-te um beijo

As minhas Pulgas fêmeas brincavam na porta, uma por dentro a outra por fora, numa porta de vidro transparente.
- Mana, abre a porta, deixa-me entrar - pedia Baixinha que estava na rua.
A Maiveilha, que estava dentro ria e não abria.
-Mana, abre a porta, não estou a brincar e quero entrar. - já de narinas abertas e cara de poucos-amigos. - Abre.
Durante um tempo só se ouvia: "abre a porta"; "abre a porta, mana", e a porta mantinha-se fechada. Uma ria a bandeiras despregadas outra deitava línguas de fogo. Até que...
-Só abro a porta se me deres um beijo - disse a Maiveilha, com o indicador a indicar na face o lugar onde a outra tinha de dar "o beijo".
- Oquei, Mana. Atão, abre a porta! - isto já de sorriso aberto e palmas das mãos para cima e encolher de ombros.
Levou a sua avante. A porta abriu-se e juro estava esperando ver o beijo. Não o vi.

7 comentários:

  1. Imagino a farra qdo a turma toda esta reunida.

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  2. Ai não, esperta foi ela :p ahahah

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Espertalhuça!!! :)))
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Foi uma espertalhona! Mas seria bem bonito que houvesse o beijo :D
    um beijo para ti

    ResponderEliminar

Como? O que disse?
Não ouvi nada.
É melhor escrever...