Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

sábado, 27 de maio de 2017

Felicidade

Abre a felicidade como se estivesse numa garrafa. Como se fosse champanhe. Inspira o seu aroma, espalha por toda a casa o seu conteúdo. Descansa com a garrafa vazia na mão e olha para ela derramada. Vive a vida. Procura uma garrafa e...
...abre a felicidade, pois então!


"As ideias das pessoas são pedaços da sua felicidade."
                         William Shakespeare


sexta-feira, 26 de maio de 2017

Um dia na cidade de Melbourne

Vi no feicebuque, lugar onde se sabe de tudo ou quase tudo, que um amigo meu viajou até à Austrália. Havia uma publicação em que dizia "um dia na cidade de Melboune" e apontava ter cerca de cinquenta fotografias. Corri a clicar para conhecer a cidade. Pois, as cinquenta fotografias eram a cara dele em primeiro plano na benditosa Melbourne. Escusado será dizer que da cidade não vi nada mas consegui contar os poros da cara e os pelos que constituem o seu bigode.

Sempre na vanguarda do bem servir

Ai se não era eu não sabiam conjugar o decote com o colar.
Não pensem que sou "ingoista" e guardo as dicas da moda só para mim.
Que seria da blogolãndia sem os meus conhecimentos? Eu que vim ao mundo para ensinar a forma de usar correctamente os colares.
Agora apareçam aqui com o colar de bico sobre a gola redonda que eu mando ver o manual!.
Futilidades.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

No Portinho da Arrábida

Nunca os meus lindos​ pés e sapatos tinham pisado este local e, a bem dizer, não achei tão lindo como se fala. Quiçá também ajudou o dia sombrio e cheio de maresia que dificultava a vista mas, de verdade, até passei por recantos mais bonitos.

Mas não vou falar das visitas, vou falar de uma situação que a mim me incomodou.
Éramos dezasseis e ficámos na parte coberta do restaurante que logo a olho nu não merecia nome de restaurante. Mas tinha uma óptima lista de peixe. (Por exemplo: robalo do mar a 42€ ao quilo e o que duas pessoas pediram tinham um quilo), garoupa também.
Adiante...

Na hora de pagar dirigimo-nos para a caixa de pagamento e vejo numa mesa ao lado duas senhoras e um bebé. O bebé chorava e agitava-se muito. A mãe pega nele deita-o em cima da mesa que até tinha as toalhas e muda-lhe a fralda suja de cocó.
Se ela se importou que havíamos jantado lá (e deixados mais de trezentos euros), e merecíamos um um pouco de respeito, penso que não, naquele momento o que realmente importava era pôr a criança com a fralda fresca na presença de dezasseis clientes e continuar a conversa com a outra senhora deixando o cheiro chegar ao Algarve.
Que a situação nos incomodou, claro que sim! Que após um bom jantar era escusado cheirar "pupu" de bebé, também. Se algum de nós voltará lá....da minha parte nunca na vida.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Com chocolate nas unhas

Eu não gosto de comer chocolate mas gosto de beber um bom cacau quente. Não aprecio bolos (de chocolate) e até a pronúncia da palavra "chocolate" que, à maioria das pessoas faz salivar, a mim dá-me uma volta no estômago.
Não gosto não como, nem dou um passo à frente quando chamam para partir o bolo. Tonterias minhas, e eu não sei!?
Mas voltando ao chocolate só o aprecio nas unhas. Adoro pintar as unhas​ da cor do chocolate.
E quem mais não aprecia chocolate?

terça-feira, 23 de maio de 2017

Estou aqui...estou aqui...

Estou aqui... aqui mesmo em frente a vocês de braço no ar para me verem...sim sou eu, regressei. Não me vêem? Claro, entendo... Foi muito tempo, não foi? Cá nada! Um fim de semana nada mais...

Como!? Estou mais gorda!? Ai, não não comecem! Poupe -me Nannnnnn esses olhos enganam! Eu até nem comi muito! Tudo macrobiótico, dietético, orgânico, saúdavel. E foi robalo selvagem e foi carapaus com arroz de feijão. Também foi picanha, arroz de marisco, bacalhau com frutos do mar, lulas recheadas e grelhadas. Foi também arroz de pato e bolonhesa...

Sim queridos e queridas da minha vida, eu sei que deixo saudades não estando aqui à vossa frente, mas, caramba, eu avisei...
Não me vêem, e oiço ali uma voz rouca de tanto gritar pelo meu nome....
Estou aqui à frente de lenço branco no ar... aquiiiiiii....
Olá para ti também...para ti, para ti...aquele abraço tao sincero. Um abraço do tamanho do oceano que nos separa... E que nos une.
Saudades minhas. Eu também tenho muitas... não minhas caramba, que eu estive sempre comigo. De vocês. Tenho de explicar tudo!

sábado, 20 de maio de 2017

Bom Fim de semana, pois então!

Esta sou eu. Podia dizer que é o meu lema, é a forma que tenho de viver.
Tento tirar sumo mesmo que a fruta esteja seca.
Bom fim de semana que agora vou ali comprar fruta sumarenta.
"Esta Lisboa que eu amo.....

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Há muito muito tempo...esta sou eu e não tenho te po para mudar. Nem quero.

....era eu uma pré-aposentada sem "nada para fazer" - isto para brincar com aqueles que julgam que os aposentados e reformados deixam de ter fases: ou fazes ou não fazes nada - e a minha filha tinha um blogue onde eu comentava já com o meu célebre "avogi", e como já tinha Pulgas (sempre tive melhor dizendo), além da minha tia-velha, uma grande Pulga e que foi o mote para este  blogue, decidi escrever as minhas peripécias.
Quem é novo por aqui não se lembra da minha tia-velha, mas ela deu origem a muitas publicações​ hilariantes devido à sua idade e esquecimentos (ali na etiqueta: "titia").
Oras... e horas passadas aqui neste meu humilde casebre. Tantas mas tantas alegrias (e tristezas mas isso são aqueles carrapatos de estimação que tenho grudados nas pernas)...
Pois bem, são oito senhores e senhoras são oito anos a escrever neste meu projecto. São oito anos a relatar acontecimentos do dia a dia.
Por isso meus amigos que todos os dias ou dia sim dia não, deixam aqui uma pulga para me coçar, a todos vocês o meu muito obrigado.
Parabéns​ a nós porque isto sem vocês não funciona.

(E aqui vai a minha faceira aprantada na publicação​.... vejam​ que dentro de momentos​ a  mensagem desintegra-se). Mas já muitos me conhecem...

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Também tenho fases

E é assim que digo a Moi-Même, a minha empregada do Belize quando de dedo no ar e a empurrar-ela (como se diz em madeirense), para o trabalho, lhe ordeno:
"Ou fazes agora ou nunca mais fazes", porque Moi-Même trabalha de empurrão.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Esta sou eu a dar ideias

Uma pêra-abacate por dia nem sabem o bem que faria.
Acalmem-se, por favor, podem comer "quilhos" que não alargam as ancas.
O mito de que a pêra-abacate engorda está fora de moda. Até li que ajuda a emagrecer.
Ora, logo eu que dou um olho míope e um estrábico em substituição de um quilo ou dois.

A banana, essa malvada, é que nos faz praguejar. Esqueçam a banana porque pior do que ela se alojar durante um século nas ancas é que nem na próxima reencarnação desaparece.
Palavra de quem vive a informar os benefícios e malefícios da fruta cá do burgo.
Ah, e parem de olhar para a fotografia porque esta está aqui (e faço círculos no estômago proeminente devido à ingestão desta coisa boa).

Pedras no caminho

Quem nunca tropeçou numa pedra e levou o dia a maldizer a dita que se atravessou no seu espaço?
Qem nunca deu uma topada tão grande e se arrependeu de ter ido por aquele caminho cheio de pedras quando podia ter optado por um alcatroado?
Quem não se arrepende de todas as pedras que juntou para um dia construir um castelo e constatou que tem mais pedras do que o necessário e nunca construiu o castelo?
Porque afinal os castelos de areia são mais fáceis de desmanchar...e não magoam os pés...
Quem não tem pedras no caminho que atire a primeira pedra.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Já briguei, já aliviei e daqui para a frente "ai dele" se volta a fazer o mesmo

Ontem, na lista de chamadas recebidas e não atendidas estava uma de alguém que não vejo há mais de seis anos - e a Madeira é pequena, não é? Ligo de volta não sem antes no meu pensamento passar a imagem da pessoa, e o que terá motivado a chamada, e logo penso: morreu alguém?, alguma bilhardice pronta a ser partilhada, uma das boas, quentes e frescas, só pode...
Como não atendeu mandei mensagem com a pergunta óbvia: "telefonou-me?" Recebo de volta a frase: "Eu liguei-lhe porque a professora ligou-me!"
"Eu? Não me lembro. Mas já agora pergunto se esta tudo bem."
Conclusão: este estapilha dum raio anda a ligar para velhos conhecidos meus sem minha autorização.
Já  briguei com ele e daqui para a frente se quiser que eu fale com alguém, faz favor, vai dizer-me antes de ligar sem minha autorização. Mas depois arrependo-me e penso que...
"Pode ser saudade" como me disse o Nuno da Câmara Pereira quando lhe contei este episódio.

domingo, 14 de maio de 2017

No rescaldo

Nada a acrescentar ao que já foi dito sobre Fátima, Futebol e Festival.
Nada a dizer sobre o enorme orgulho - e saibam que não uso muito esta palavra - em ouvir pela primeira vez 12 pontos para Portugal. E mais 12,12,12,12,12... Portugal, Portugal Portugal . Nunca se ouviu tantas vezes esta palavra.

Em 61 anos de vida nunca tinha chorado a ver a pontuação no festival da Eurovisão e nunca torci os dedos a fazer figas para que Portugal se mantivesse no cabeçalho, quiçá pela falta de confiança, quiçá por não acreditar...

É uma alegria, depois de ver o vermelho a encher o Marquês só mesmo a vitória do Festival. De Fátima digo que foi preciso o Papa vir a Portugal para uma série de acontecimentos bons, por acaso, acontecer
Dizer que estou feliz é um lugar-comum...
Digo antes que não conseguirei viver mais sessenta anos para ver Portugal vencer a Eurovisão....

Para o ano será um acontecimento único por ser a primeira vez. Espero estar aqui, na Terra, para presenciar e apoiar o meu país.

sábado, 13 de maio de 2017

Hoje é dia F...

Fátima, Futebol, Festival...

Dia Fantástico. Dia Fabuloso...
Começou com Francisco em Fátima a rezar por nós...
Depois um Futebolístico dia...
Dia Fértil em opções que poderá ser Falado a nível mundial. Claro que é Facultativo, mas esperemos pelo Final do dia para sabermos se o Frágil Sobral no concede um Final Feliz.
Um Fim de Semana Frutífero e Formidável para todos nós. Um abraço Fraterno daqui deste lado do mar.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Tenho cá uma sorte!

No supermercado cá do burgo pergunto à linda menina de cabelos aos caracóis e de óculos de tartaruga em cima do nariz que peixe era aquele que eu estava a apontar, pois que alabote - era esse o seu nome - não o conhecia.
Queria eu saber a nível de sabor, textura, mas a linda menina de caracóis e óculos de tartaruga em cima do nariz pega na embalagem vira e revira e vira depois de revirar, e diz-me do alto da sua sabedoria uma coisa que eu não sabia:
"Olhe, é peixe". E sorri. Sorri com aqueles dentes lindos em fila e puxa para cima do nariz os oculinhos de tartaruga que teimavam em descer. Eu olhei para ela com o meu sorriso 25 - o enigmático, tão enigmático que deixou de sorri ao mesmo tempo que passava a mão no cabelo​. Este meu sorriso é realmente difícil de decifrar.
Eu  mantive-me a olhar fixamente para a menina linda de caracóis e óculos de tartaruga em cima do nariz e com um sorriso lindo que me fascinava. Fascinava-me ainda mais a sua desentura e abanar de ombros ao olhar para mim com tão sábia resposta.
Sai de lá muito esclarecida e com uma certeza: Alabote é peixe. Disso não há dúvidas o resto: textura, sabor vou saber quando o comer. Mas é peixe.....disse a menina linda de caracóis, óculos de tartaruga e de sorriso parvo.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Preciso de ajuda. Já não sei o que fazer!

Que chaga! Tenho a cabeça a latejar. Desde domingo que ando a cantar o fado da Ana Moura: "O dia de folga". Isso porquê perguntam vocês? Ora, porque no cortejo da Flor uma trupe levou esta música e durante as duas horas de cortejo era o que mais se ouvia cantar.
Eu, cuja cabeça mais parece um moinho de água, tenho-a no pensamento e já estou farta.
Mas o que é que eu faço para a tirar da cabeça? Sugestões, preciso de sugestões!
Que coisa! E mudar de cabeça não está ao meu alcance!

"Cada dia é um bico d'obra...uma carga de trabalhos faz-nos falta renovar...baterias.... há razões de sobra....,"

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Mas é assim tão boa?!

Confesso: ainda não ouvi a tal canção linda, romântica, carismática que o tal Salvador Sobral interpretou ontem na tal semi-final da Eurovisão da Canção.
Confesso: geralmente não aprecio as canções que levamos ao festival, mas parece que esta vai ser a salvação. Atão, se o intérprete se chama Salvador está tudo a dirigir-se ao pódio.
Confesso: não me causa interesse sentar-me a ver um rol de cantigas que, a saber, já uma está predestinada a vencer.
Confesso: não entendo a razão de a Austrália estar representada (mesmo sendo convidada) que até poderá ser a vencedora. Nem está perto da Europa...
Confesso que este concurso é um cambalacho.

E, aos 61 anos 4 meses e 29 dias de existência​...

...fiz uma tatuagem.
Podia dar-me para pior mas não. Fiz uma tatuagem linda que simboliza a minha família, aquela que constituí e está preparada para aumentar por cada neto que chegue.
E com um simbolismo ainda maior. Oferta dos meus filhos no Dia da Mãe.

Sim, eu sei que sou velha, sim, também sei que perdi o juízo (e não sei onde, é que não o consigo encontrar, caramba!), sim claro são coisas de adolescentes....sim....sim... sim...para tudo o que estão a pensar.... Mas estou feliz​ com a bela da tatuagem.
E depois... até as minhas Pulgas adoraram.
E porque não se sou jovem? Que culpa tenho eu de ter nascido antes do tempo?

terça-feira, 9 de maio de 2017

Um conselho por que eu nasci para vos ensinar o caminho certo

Quando sentirem que a vida está amarga, se esgotaram todos os pacotes de açúcar e mesmo assim não adoça, dêem uma mexida forte, agitem bem, abanem a vida é que por vezes o açúcar está no fundo.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Porque eu tenho tomates

São pequenos mas são meus. Plantados, regados, cuidados e ainda há pouco comidos.

Eu também acho, e respondo aos vossos pensamentos, pois sei que em boca pequena estão a dizer: "Caramba, ela merecia ter uns tomates maiorzinhos que estes."
Mas prontes e como se costuma dizer: "cada um tem aquilo que merece" e este deve ser o tamanho próprio para mim, mas sei que há quem os tenha grandes, carnudos e pesados, mas os meus são assim: enfezados, pequenos e murchos mas pelo menos tenho tomates, e depois?

domingo, 7 de maio de 2017

Porque dia da mãe é sempre que alguém chame mãe

Só mesmo para pedir a todos os filhos que nunca, por motivo algum, se esqueçam da sua mãe.

Digo mãe:
- aquelas mulheres que pariram e protegem as crias dos ventos e tempestades e de todas as agruras da vida;
- aquelas que não pariram mas são mães em toda a acepção da palavra;
- aquelas que insistem e depois de esgotadas todas as possibilidades não cruzam os braços e abraçam outras hipóteses;
- aquelas que não podendo gerar cruzam os braços e olham pelos filhos das irmãs, como a minha tia-velha (eu tinha de falar dela, não poderia não falar).
E...
- Àquelas que se esquecem do seu papel sendo só a mera portadora de um bebé que se demitam da sua função de mãe espero que um dia reflitam e que as suas filhas não tenham a mesma atitude.
 - àquelas que fazem filhos como quem faz tricot e os deitam ao vento,
- àquelas que fazem dos filhos o bombo da sua fúria,
- àquelas que olham para os filhos como a fonte de rendimentos, a estas e a outras aqui não incluídas, desejo que um dia, um dia ponham a mão na consciência...

Às mulheres que ouvem todos os dias a palavra "mãe" tenham um dia muito feliz.
Àquelas que, como eu, já ouvem mais a palavra "avó" do que mãe a essas o meu abraço apertado.

sábado, 6 de maio de 2017

Eu dou-me nisto. E venha o sol o vinho as flores...

Logo pela manhã a chuva bate nas persianas da janela e chama-me à razão. Era hora de levantar este corpo (outrora Danone agora baleia assim a modos que azul meia-noite) e passear.
Dez horas diz o galo no campanário da igreja da Sé e a galinha da vizinha cacareja no quintal.
Dez horas de um dia chuvoso mas não frio.
Depois de levantar o corpo outrora Danoninho agora Michelinho, fazer as orações matinais, e obrigações inerentes ao levantar, tais como espreguiçar, bocejar e outros fui ao encontro de doze pessoas (apenas conhecia duas) para um passeio tipo meia-volta à ilha.
Pelas dez horas de hoje abandonámos o Funchal e a chuva e fomos ao encontro do sol.
Vimos as montanhas, olhando de baixo para cima e de cima para baixo, tanto subimos como descemos, atravessámos túneis, cortámos caminhos. Houve trambolhão e joelho esfolado. Houve risos, abraços, choros e cansaços.
Foi um dia pleno de amizade. Foi dia de unir Madeira ao continente português...porque somos Portugal.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Festa da Flor 2017. A Madeira está em festa

Não preciso dizer nada. A beleza das flores sobrepõem-se às minhas palavras.
Desfrutem da beleza ímpar de cada flor. Só digo que ao  vivo é um sopro no coração.

Fiquei possessa! E foram só quatro dias...

Ontem foi dia de peso. De me pesar quero dizer.
Atão, como eu sei que a balança marca sempre um pouco mais (é defeito dela), eu coloco o ponteiro antes do zero.
Mas hoje ela irritou-me. Andou muito mais do que eu pensava. Só me apetecia pegar num malho que o mê senhor tem na oficina e dar até o ponteiro desaparecer como o sol no horizonte.

Ora, uma p'ssoa vai de minimini-férias, a p'ssoa fica na casa da comadre e para não fazer a desfeita diz que sim a tudo: "gosta de arroz de pato? Gosta de favas guisadas com carne de porco, vaca e galinha? E coelho, gosta? E para sobremesa quer leite-creme? E quer provar um vinho cá da casa? Verde ou tinto? Para digestivo vai uma cachaça? Ah, o jantar ainda não está pronto mas vai sair uns queijinhos com presunto e uns rissóis. Prefere chouriço ou paio?

O depois é que está a pôr-me possessa.
Dois quilos?! Mas como!? Se andei a pé pela margem do Lima, se andei por Braga de mala na mão, se pus as pernas numa roda-viva sem descanso!
Mal-injusto! Mas não quero ser indelicada e fazer "bico a tudo" quando se trata de comida. Atão comi. Agora chupa o pirolito...

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Então, já comeram uma cerejinha hoje?

Pois eu, rapariga de meia serra a viver nos subúrbios onde cada género alimentício custa um olho no mercado negro (isto porque no meu rural quem paga o custo de transporte somos nós e, a saber, uma mercadoria descarregada nos portos da Madeira custa quatro vezes mais que descarregada em Leixões), mas adiante que já me perdi...

Perguntava se já tinha colocado na boca a bela da cereja. Porque eu, rapariga que dá os bofes por um "quilhinho" (é assim que se diz em madeirense puro) viu ontem a 5,89€ por um mísero "quilho" que eu gulosa como sou como-o enquanto o diabo dá uma volta.
Gostar eu gosto mas não sou gastadeira. Vou esperar uns dias a ver se baixa o preço.
Tão bom viver numa ilha turística!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Madeira não é Portugal

O presidente do Governo Regional afirmou hoje que não tenciona conceder tolerância de ponto no dia 12 de Maio, uma vez que “não faz sentido”.
“Se estivéssemos num território com continuidade territorial fazia sentido”, afirmou Miguel Albuquerque, explicando que só se justificaria caso os madeirenses tivessem a possibilidade de irem para Fátima.

Pois é assim: os funcionários públicos vão ter tolerância de ponto aquando da visita papal a Fátima, no dia 12 de Maio, mas, nós, madeirenses não.
O governo dos Açores concede a tolerância nesse dia. Se formos a ver a geografia de Portugal Continental e insular vemos que a ilha do Corvo e das Flores é todo o arquipélago dos Açores é uma continuidade territorial...fica assim, a modos que, ao lado do Santuário de Fátima daí a razão da tolerância.

O problema é que eu dou-me nisto

Fui feita para viajar, tenho alma de viajante, sedenta de encontrar novos caminhos, novos desafios. Sou, portanto, um ser caminhante...

Desde quinta-feira, numas curtas mini-férias conjugais que andei mais que muito. Sozinha, falando com o meu pensamento (dá-me para isto de vez em quando, isto de falar sozinha), palmilhei Braga, vi-a por um canudo, arrastando a minha mala, descansei os pés até que o mê Bisalho me apanhasse. Um calor que aquecia a alma e aqueceu os meus tristes pézinhos de cinderela ao ponto de os inchar (prontes, coisas de velha, eu sei).

Em Ponte de Lima, na sexta, novamente só, caminhei ao longo do rio (credo, não pensem que foi desde a nascente até à foz, não fiz promessa, tá bem?), e descansei na relva húmida da margem do Lima.
Sábado foi dia de reabastecer forças e pela aldeia onde pernoitei vi paisagens que de outra forma passariam despercebidas. Dei atenção ao pormenor e à beleza da singularidade.
Domingo, logo cedo, arranquei de Ponte de Lima em direcção a Braga para o agendado almoço de bloggers. Foi um encontro de conhecidos desconhecido​s. Um dia "dos bons". Abracei, beijei, voltei a abraçar voltei a beijar. (Que querem? Sou rapariga dada a estas manifestações)...
Na segunda-feira bem cedo saí de Ponte de Lima, voltei a Braga (outra vez? Devem estar a dizer), rumei ao Porto e, pelas duas e trinta, descolei do Sá Carneiro, colei no Cristiano Ronaldo.
E..."acabou-se o que era doce" como eu dizia quando era canalha..
Por mim  voltava a fazer tudo de novo. Que vício mê dês, que vício!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Qual a razão?

Ora digam lá que eu não consigo entender por mais que ponha a mão na cabeça e faça círculos e um esforço que parece que os miolos já fervilham.
Aqui vai a perguntinha...
Por que é que as pessoas assim que o avião pára põem-se de pé no corredor (ou na passerelle como disse a hospedeira francesa a comentar com a colega)?
E ficam ali a criar raízes até que venham pôr as escadas que a voar ninguém vai.
Cansaço por virem sentados? Se viessem a nado era pior. Desejo de começar a visitar a ilha? Caramba, ela não foge.
Olhem, se souberem digam se faz favor. É que eu fico sentada no meu lugar até que a confusão acabe e acabo por apanhar o mesmo autocarro.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Receba as flores que lhe dou...

...e em cada flor um beijo meu".
Cantava assim alguém que não me lembro quem, mas para o caso pouco importa.
O que importa mesmo é que "vou daqui para a minha terra que desta terra não sou", assim cantava alguém que não me lembro quem, mas para o caso pouco importa.
"Adeus aldeia, eu levo na ideia..." também cantava alguém que não me lembro quem...
Mas para o caso pouco importa...

domingo, 30 de abril de 2017

Estive lá...

Hoje foi o dia do encontro.

Logo de manhã meti as unhas no volante do carro e dei ao pedal até ao sítio combinado para que uma deusa me levasse ao Olimpo, perdão ao restaurante. Entre mimos, beijos e abraços daqueles fortes, calorosos fomo-nos apresentando. Mas quanto a mim nem era necessário pois que sem nunca termos tido contacto físico já nos conhecíamos. Tem piada, não tem?

É uma coisa que até nem sei explicar, pessoas que não se conhecem a não ser pela escrita, começam a falar como se fossem amigas de há muito, como se se tivessem​ visto no dia anterior.
Uma coisa vos digo: levo-os no meu coração, levo na bagagem os beijos trocados, os apertos de mão e o som da voz.
Até ao próximo que pode ser amanhã.

sábado, 29 de abril de 2017

Ponte de Lima (como eu nunca a tinha visto)

Tantas vezes venho aqui a esta vila erroneamente considerada a "mais antiga de Portugal" e nunca a tinha visto reflectida na água do rio Lima.
Desde Arcozelo, freguesia situada na outra margem do rio Lima, é possível passear pelos jardins e, à beira rio, desfrutar da beleza singular desta vila medieval.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Olá Braga

Feliz por estar aqui...

Quando se pensa ser uma rainha e passar o dia no relax

.... sai uma gata Borralheira ou uma bruxa agarrada ao cabo da esfregona a limpar água todo o dia.
Eu explico, afinal para que nasci eu senão para vos ensinar o caminho da luz e da água?

Acordei cedo, ali pelas dez horas de uma manhã​ que tinha tudo para ser perfeita. Acordei e fiquei-me no ron-ron do calor das minhas penas. Mas, de repente, disse cá pra mim, uma vez que só eu é que me ouvia. "Levanta-te corpo de Cristo e vai mazé procurar que fazer."
Enchi o peito de ar e, assim que coloco o pé no chão, sinto que algo não está perfeito!
"Ah, diacho, ah estapilha que coisa (eu não disse coisa, disse outra, tá bem?), santo Cristo? Água!?
Meus queridos, eu pus os meus lindos pés na água. O meu quarto estava alagado, os sapatos nadavam alegremente, a água dava pelos tornozelos e já descia as escadas com tanta intensidade que  o eu por mais que corresse não  é a apanhava. Do tecto do andar de baixo pendiam estalactites e gotas de água em fila. Até que fumo subia pelo ar e um cheiro a queimado inundava as narinas.
Curto-circuito: água e electricidade uma dupla explosiva.

Limpei água todo o dia, e na rua chovia torrencialmente.
A minha cabeça está em água...Os sapatos estão encharcados...
Agora tenho uma explosão de tacos do chão a saltar. Sempre quis ter soalho flutuante mas não era desta forma...
E tenho um avião para apanhar...
Se não nos vermos por aqui é que, certamente, já estou aí.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Logo eu que as adoro

Com a idade as doenças crescem como cogumelos no inverno. É a artrite, a tensão alta, a osteoporose, a perda de audição, da visão, do olfacto, das faculdades mentais e outras que tais.
O que nunca pensei adquirir com o avançar da idade é...um conjunto de moscas. Sim, moscas nos olhos e que vão acompanhar estes belos olhos azuis, tipo Liz Taylor (mentira, são castanhos - terra, mas eu queria tanto!), até serem comidos pelos bichinhos. Bem queria que fossem incomodar outra velha como eu, mas não. Estas moscas são minhas. Eu que as adoro e mato as que se cruzam no meu caminho. Castigo.
O que não vem em pacote "terceira idade" é o dinheiro. Esse malandro escasseia e é tão necessário para, com dignidade, gerir os cuidados de saúde que merecemos.
Os idosos assemelham-se a uma ave, um condor creio. Com dor aqui, com dor ali...

terça-feira, 25 de abril de 2017

Mas diz-me, tu vais a Braga a um almoço?

Perguntava-me a minha neta Baixinha, de nove anos franzindo o sobrolho, olhos arregalados​ e mãos nas ancas a modos que peixeira do Bolhão (sem ofensa), quando lhes disse que na próxima quinta feira vou viajar para me encontrar com amigos que não conheço pessoalmente.
- Não conheces pessoalmente? Nunca os viste? - parou para pensar e remata depois de refazer as ideias. - Espera....Vais encontrar-te com pessoas que não conheces? 
Respondo que sim.
- Não é perigoso? - e aqui está a demonstrar preocupação.

E repetia "vais sozinha a um almoço com pessoas que não conheces".
E abanava a cabeça como a dizer: "eles recomendam para não falarmos com estranhos e depois vão almoçar com estranhos! Não entendo os adultos".

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Onde estavas tu no dia 25 de Abril de 1974?

Começo  por mim.
Era eu uma menina de dezassete anos....(pronto, já estão a contar pelos dedos para descobrirem que idade tenho), que estudava na Escola Industrial e Comercial do Funchal no antigo quinto ano (agora nono), e não percebia nada do que se passava, mas a palavra fascismo inquietou-me e aguçou a minha curiosidade ao ponto de na aula de História que, por sinal a tinha nesse dia, perguntar à professora o que queria dizer.
Ela explicou para a turma e continuámos nas aulas sem saber bem o que era uma revolução pois que em História aprenderamos que revolução tinha havido uma em França há muitos anos. E houvera também muitas guerras. De resto, nada.
E depois.....
Era muita areia para a minha bicicleta e eu queria era namorar.
E vocês meus amigos lindos, também eram assim como eu: burrinha, tapadinha dos olhos? Claro que não!
Um...Dois... Três...É a tua vez.

Fotografia: um hibisco ou cardeal da minha casa.

Shite, para aqueles que se esqueceram do português

Como sabeis vou muito a Londres uma vez que tenho lá os meus irmãos e, a coisa que me faz saltar a brotoeja e coçar o carrrolo o dia todo é, precisamente, aqueles portugueses que saem do seu país e, assim que chegam a Gatuíque, sim que os portugueses usam as laucostes, começam logo a falar inglês. É o indergrounde, é o base, vão logo aos shopes, deixam de comer peixe e começam a comer fiche. Dizem camone em vez de vamos, todas as pessoas são uns sanofabiteche. Mas o melhor é deixar de levantar um dedo, o do meio, e passam a levantar dois em forma de v.
Se os filhos nascem lá, aí sim, a sua língua materna fica encostada na parede e dali para a frente só o inglês predomina.
O problema é que sem saber falar o inglês correcto deixam a sua língua arrumada na gaveta e só falam português na presença dos filhos quando brigam....Uma forma de poder mandar para  o alto do mastro do navio sem que as crianças entendam. Olhem que conheço e cumprimento este casal.
Ora, como pode uma família de quatro pessoas que saíram de Portugal todos juntos e que falavam português em casa, óbvio, assim que chegam à Inglaterra, tungas, agora só inglês...
Se me justificarem bem justificado não que eu sou assim a modos que estúpida neste assunto pode ser que a minha opinião mude enquanto isso acho uma estupidez obrigar os filhos a falar inglês em casa (não chega na escola?) E continuar a falar português em casa não era uma forma de as crianças saberem duas línguas?

domingo, 23 de abril de 2017

Piscinas Naturais do Seixal

Sou rapariga de palavra como podem comprovar. O que é prometido é de vidro, perdão, é devido. São de água do mar, salgadas e naturais. Um regalo olhar para elas.
"Soberbo", como dizia um estrangeiro retendo a respiração.

Hoje é domingo dia de cruzar as pernas

Domingo...
Se antes detestava este dia é só a pronúncia do seu nome dava-me uma brotoeja no corpo e ficava de trombas o dia inteiro: por ser véspera de semana preenchida de aulas, dia de preparar as lições, programar, projectar a semana, presentemente, só a pronúncia do seu nome faz aparecer um sorriso rasgado na cara.
Domingo, na actualidade, é um dia para relaxar. Nao que não faça planos semanais, mesmo sem ser profissional o hábito ficou, mas agora aproveito para passear pela minha ilha, captar bons momentos, brincar com os netos e retomar energias positivas. Uma leveza portanto.

À noite mostro alguns sítios bonitos do meu rural.
A todos um excelente domingo, força para iniciar a semana de trabalho. Custa, eu sei, mas no fim é compensador. Palavra de avoGi, Técnica Superior de Lazer.

sábado, 22 de abril de 2017

Eu não morrerei com palavras atravessadas na garganta

Pensamento a ter em conta, por isso há que dizer tudo, nada de guardar para dizer amanhã o que se pode dizer hoje.

De que serve ter um amigo?

Vem isto a propósito de alguém que está a atravessar um momento crítico na sua vida e é quando mais precisa de desabafar para expurgar a alma, pedir conselhos e que as amigas comprovem a veracidade dos factos e as amigas, essas, não comparecem ao tribunal. Acobardam-se.
De que serve dizer-se amigo de alguém se na hora em que mais precisa lhe vira as costas? Por isto digo, minhas senhoras e meus senhores, ponham os olhos em vez do coração ao escolherem os amigos. E sabem?, falo com conhecimento de causa. Por isto, reforço a minha teoria que: amigos é uma palavra que muitos não conhecem o significado. Acreditem.

E, relendo a frase, digo que "há amigos que te ajudam a cair".

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Podia ser o Havai mas é Santa Cruz, ilha da Madeira

E no Havai não há pedras de calhau há um areal amarelo que com vento nos torna num croquete ou rissol pronto a ir à frigideira quando damos um creme para proteger a pele.
Tão bom sair da água sem areia entre os dedos dos pés! Tão bom mastigar uma maçã sem ter areia entre os dentes!

quinta-feira, 20 de abril de 2017

A vítima ou o assassino?

Depois de muito meditar sobre o assunto chego à conclusão que sou a favor da prisão perpétua.
Durante muitos anos achei que era uma violação dos direitos humanos, o facto de privar a liberdade, que é um direito consagrado, mas pergunto-me: porque há-de ter direitos um humano que renegou esse direito a alguém?
Crime, quanto a mim é devolver à sociedade um assassino. Crime é saber que esse um dia depois de cumprida a pena vai sair em liberdade, essa liberdade que ele tirou.
A prisão perpétua é um castigo do mais severo que há, mas é também um acto de misericórdia - não tirar a vida a alguém que a tirou.
Não há dor maior que acordar de manhã sabendo que não poderá ver a pessoa que um dia amou e que num outro a odiou o ponto de a matar. É o maior castigo que se prolongará por todo o tempo até morrer. Até se arrepender se se...

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adoptada pela Assembleia-geral da Nações Unidas em Dezembro de 1948, reconhece a cada pessoa o direito à vida (artigo 3º) e afirma categoricamente que “Ninguém deverá ser submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes” (artigo 5º)

Quem: a vítima ou o assassino?

A vida é para ser vivida e não tirada

Foi a sepultar a jovem vítima de violência por parte do antigo namorado. Ela advogada, ele personal trainer, portanto, pessoas com formação académica. Tinham já posto termo à relação, mas ele não aceitou.
É difícil entender ou compreender que, alguém de quem se gostou, possa ter um comportamento tão obsessivo/compulsivo. Como pode uma pessoa munir-se de uma faca, sair de casa às quatro da manhã para matar alguém que um dia foi-lhe chegado?
Ela foi apanhada de surpresa por ele que lhe desferiu umas facadas e espalhou o sangue pela casa. Macabro!
A violência doméstica não tem idade nem classe social. A violência está entre nós, está num momento em que o cérebro deixou de comandar os movimentos, trazendo ao de cima o lado mais negro de uma pessoa.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Já preenchi, já submeti, já recebi

Refaço a frase: não preenchi pois que já estava preenchido pelas Finanças, só concordei, que trabalhadores da Função Pública não há como fugir do que está lá averbado, mas dizia eu que submeti e uma semana depois "ei-lho" (falando madeirense), depositado na conta.
Tão bom não é? E por aí já canta bem alto o dinheirinho do IRS ou canta baixinho? O meu cantou pianinho, mas foi bom ouvir o seu sussurro.
Ide a correr, rápido, que rápido vem. E sigam a frase: "não deixem para receber amanhã o que podem ainda receber hoje".

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ouvido de passagem entre dois que nada fazem

Dois vizinhos cá do burgo, ambos rapazes com mais de quarenta anos que adoram polir a esquina da rua como o seu rabo sempre encostado à parede e ainda vivem com os pais que trabalham até à exaustão para alimentar estes dois solteirões e restantes membros, dizia um para o outro:
- O melhor lugar para se trabalhar é aqui na Madeira.
Ora bem, meus senhores, aqui eu cocei-me toda desde a ponta do pé até ao couro cabeludo por achar que estão cobertos de razão.
Aqui é o melhor sítio para os "pais deles" trabalharem porque se um dia os pais emigram à procura de melhor trabalho eles vão avergar a giba porque a mama vai secar. E o leitinho quente e papinhas de bolacha Maria com banana esmagada vai faltar.

E foi assim que aconteceu

Ontem, a mãe das minhas Pulgas fez 37 anos (obrigada, obrigada...) e para descongestionar das comidas do domingo de Páscoa nada como levar os restos (do domingo de Páscoa) para um piquenique na serra, além do bolo de aniversário para o tradicional soprar as velas.
Foi a modos que para lá de bom... Para lá de Marrocos... Sol, calor, família, risos de crianças, descanso e lazer...

Fotografia: As Pulgas a fazer o que melhor sabem: brincar. A prineira foto é Baixinha empunhando a máquina fotográfica do avô a estrear-se nesta modalidade. Tem jeito a peste!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Eu não sei como se pode comer tanto!

Não sei, juro que não sei como se pode comer tanto. Não sei vocês mas eu sentei-me ao meio-dia e levantei-me à meia-noite. Sempre a comer. Os aperitivos, as entradas, o cabrito, as sobremesas, o chá os bolos, o café e o digestivo.
Garanto que se me colocar na balança e ela mexer com o ponteiro mais de dois riscos eu dou-lhe uma martelada.

E foi assim o Domingo de Páscoa. Entre o almoço e o jantar ainda houve tempo de dormir no sofá ementes outros jogava à Bisca e ao Cassino.
Se foi o que esperava? Melhor do que...

sábado, 15 de abril de 2017

Ressuscitou. Aleluia

E Ele ressuscitou dos mortos ao terceiro dia conforme as Escrituras, depois de crucificado pelos romanos na Sexta-feira Santa.

Feliz Páscoa para todos os que me visitam bem como aos seus familiares.
Agradeço também aos que, por esta via, me têm desejado uma Santa e Feliz Páscoa para toda a minha família.