Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".
Mostrar mensagens com a etiqueta Pensamento meu: crianças sem rotinas. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Pensamento meu: crianças sem rotinas. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 8 de setembro de 2015

A mim transcende-me

Há situações as quais fico estarecida só de assistir.
"Aquintrodia" uma mãe dava bolo na boca dum menino, ele só fazia o favor de abri-la e o bocado de bolo era metido lá dentro, mesmo assim mastigava, já não era mau. O menino tem, seguramente, oito anos, gordinho e sem paciência para comer, nem sei cmo está fofo, deve ser por conta da comida que é facultada pela mãe.
Até aqui nada de mal cada mãe faz pelos seus filhos o que acha ser a melhor forma de os educar para a vida. O que me transcendeu foi o facto do menino ter o tablet ligado nos jogos e usar as mãos para movimentar os bonecos.
Ora, se não tivesse mãos, aí sim, sentiria que a mãe era o elo de ligação entre a comida e a boca mas, com aquelas mãozinhas gorduchas a mexer no tablet deu-me uma vontade mórbida de dizer àquela triste coitada que está a criar um pequeno monstro gordo e sem saber que as mãos também são usadas para levar o comer até à boca e não só, mas também para mexer no pequeno tabloide.

domingo, 6 de setembro de 2015

Muito mal vai o nosso Portugal

"Em 32 cursos houve entradas com média inferior a dez", é um dos títulos do "Notícias o Minuto". São, precisamente 829 alunos que vão "patinar" logo no primeiro ano.
Muito mal se estuda, muito mal vai esta permissividade de entrar num curso com média baixa e esperar que uma estrela brilhe no céu e uma porta se abra no mercado de trabalho.
Mas uma dúvida me assola a consciência, quantos com médias altas não poderão entrar na faculdade por causa de meios económicos? Continuo a achar que a sociedade é injusta e premeia os que menos se esforçam na vida.
A notícia toda (aqui).

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Dois anos e já viciado?

Oiço cada coisa que me caem os dentes!
Atão não diz um casal com um filho de dois anos que o menino é um viciado no tablet?
Pois olhe minha senhora devia era ser viciada na persistência, na assertividade e quiçá na pedagogia aplicada na palavra "não".
E já agora para que lhe deu o tablet? Ah, já sei, para ele se entreter e não chatear os papás.
Minha alma está perplexa!

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Quando sou eu tudo bem, agora se é outra pessoa, cuidado!

A propósito de alguém que, muito aborrecida, comentava acerca de, na praia, estar uma pessoa tirando fotos onde as filhas eram "a figura central".
Ora, esta mesma pessoa coloca fotografias das filhas em todas as posições até na retrete. Estava ela muito aborrecida e cheia de medo porque o homem poderia ser um predador. Aceitava eu os medos e as dúvidas se soubesse que a pessoa em questão preservava a sua privacidade. Mas não. Toda a sua vida e a das filhas é relatada em pormenor no seu blogue acompanhado com fotografias bem explícitas das crianças.
Daí que uma pessoa seja difamada e apelidada de predador sexual e pedófilo só porque estava a fotografar o sítio onde as crianças brincavam vai a distância do sol à lua.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Pede desculpa à menina (ainda a propósito da palavra: desculpe)

"Aquintrodia" no parque estava eu com as Minhas Pulgas e chega um pai com a sua cria, coisa mailhindinha do mundo mas coisa mais estupidazinha da terra, um inção com quatro anos que faz as delícias do seu dadi. A minha Baixinha queria andar no escorrega lá estava o tampão perdão, a criança coisa linda a obstruir a descida. "Tu és feia" disse ela. Baixinha não estimou a afronta até porque não é feia e veio fazer queixinha à sua avó.
Avó diz à Pulga para não fazer caso até porque " quem chama é que é". Vai o GuGu andar de baloiço vai a peste a correr e tira-lhe o lugar. A coisa ferve cá no corpo da AvoGi e uma brotoeja começa a saltar. A dita continua a chamar feia a torto e direito. Caramba, já chateia e vai avó das Pulgas perguntar ao dadi da criança se pode dar uma palavrinha à sua cria. Abana a cabeça que sim e digo à estuporada pequena, coisa mailindinna do universo se acha a Baixinha feia? E depois faço a lição de moral enquanto o dadi continua a resolver os negócios por telemóvel.
Quer saber o que foi, conto-lhe que a minha neta já chora devido à insistencia da menina em chamar feia. Pois, a culpa é da escola, diz ele. Caíu-me o queixo ao ouvir isto.
"Pede desculpa à menina. Não ouves? Pede desculpa à menina". Moita, boca fechada e não sai nada.
"Deixe lá...não faz mal mas que não se repita", digo.
À saída do parque o dadi olha para mim quando passo por ele e com olhos melosos diz-me: "desculpe" com um leve encolher de ombros.
Respondo: " quem tem de pedir desculpa é a sua filha e não o senhor". E anda pá frente, AvoGi c 'atrás vem gente... E com gente deste calibre mais vale não falar.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Desculpe

Hoje em dia esta palavra está tão banalizada que não tem o cariz que merece.
Pedir desculpa entre as crianças não funciona como perdão mas sim como algo que deve fazer depois de uma atitude menos correcta.
Mas banaliza-se este pedido. Ela - a criança bate numa outra, arranca-lhe o cabelo, morde a mão acompanhado de uns valentes pontapés. A solução é pedir desculpa ao amigo. Mas chega? Será que o amigo deixou de ter a mão mordida, e as nódoas negras passam só porque ele - o agressor pediu desculpa?
E ele voltará a repeetir? Claro que sim. E vai pedir desculpa de seguida.
Até um dia em que um outro mais graúdo, mais corpolento mais desempenado lhe faça o mesmo e de seguida lhe peça as respectivas desculpas. Ao olhar para as canelas cheias de hematonas será a forma de sentir o que o colega sentiu e pedirá desculpas com todo o remorso em relação ao que fez, sentirá que precisa de perdão e aí sim, a palavra "desculpe" terá todo o sentimento que merece: sem culpa!

Fotografia: desenho do mê Gu-Gu.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

E se eu vos dissesse...

...que, hoje, em pleno dia, à vista de todos, no bar onde pais e avós esperam pelos rebentos, estava uma mãe a fazer trabalhos de casa, no livro de quarto ano de escolaridade, do seu rebentozinho, ementes ele treinava trompete, acreditam? Olhem, podem ter a certeza que eu também não acreditava no que estes belos olhos cor de violeta, mentira, são cor de alface, caté passei duas vezes, repito, duas vezes por ela para não jurar falso.
E era, caramba! Estava a fazer os TPC,s do filho. Há cada mãe!

terça-feira, 14 de abril de 2015

Proibido beber, o quê? Água, só se fôr!

Deixem-me rir. Acham mesmo que vai resultar a proibição de vender bebidas alcoólicas a menores de dezoito anos?
E o que é que vão beber os adolescentes quando saem à noite? É que água não dá pica...
E que dizem os pais que autorizam que os seus rebentos saiam à noite sabendo que vão beber até cair, e que lhes financiam as saídas e, segundo o que sei, cada bebida custa mais que dois euros. E, uma não dá bebedeira. Beber é uma forma de estar em sociedade, de ser admitido no grupo.
Mas, situem-me no tempo e no espaçco...Já não era proibido? É que vê-se nas tascas este cartaz
 

quinta-feira, 19 de março de 2015

Bem, já que hoje é o dia do pai vou falar de pais e mães e pais das mães e dos pais

Carta aberta...sim, ainda não a meti no envelope nem passei a língua na cola para fechar...aos papás e mamas e pais dos papás e mamas que vão buscar as suas lindas meninas de laço grande na cabeça e  mochila violeta e meninos de colete e calção pelo joelho ao colégio e interrompem o trânsito porque param a bomba assim a modos que mal parada e ficam ali a criar raízes até que os seus meninos lindos de cabelo engomado e meninas lindas de laço virado para Belém cheguem à porta.
Papás e mamas e papás e mamas dos papás e mamas, saibam que a campainha da escola toca às quatro horas e só a essa hora é que os lindos filhos e filhas e netos e netas saem da sala. Saibam que ainda a porta da sala não é paralela ao portão e não fica ali ao virar para norte. Saibam que as professoras...e aqui deixo o meu longo cumprimento a elas, não estão, como pensam que elas estão, atrás da porta à espera que dê o badalo para mandar os alunos sairem a correr qual galinheiro de porta aberta a deixar bisalhos ao deus dará. Saibam que as suas meninas lindas de laço à cabeça e meninos coisa mailhinda do mundo vêm a patinhar ovos à conversa com os seus pares mostrando o brinquedo...refiro-me àquele que custa mais se quatrocentos euros, que o papá deu pela festa dos seus anos e por isso demoram a chegar ao portão, e porque sabem que o seu extremoso pai, avô, mãe ou avó, estão ali já à espera, mas dá tempo, os outros que esperem, porque " eu" sou a filha de quem sou e por isso esperem. Saibam que o parque perto da escola proporciona meia hora sem pagar mesmo a pensar nos colégios ali à beira.
Atão porque raio chegam à porta da escola às dez para as quatro ou melhor três e cinquenta puxam o travão de mão ficam a coçar os cabelos ou a atender um telefonema da empresa que de tão importante nem ouvem os apitos e businadelas dos outros, e os avós que devido à hora perderam uma tarde de sono e aproveitam para passar umas brasas, as avós que entrementes tentam passar de nível no Candy Crush, e as mamas que passam os olhos na última revista sobre a moda de primavera, sabendo que só depois das quatro é que as lindas meninas de laço grande já virado para sul e os meninos de colete e calção e cabelo penteadinho de risco ao lado chegam ao portão.
Poça, difícil entender, caramba! E os outros é que são os otários, é isso?

terça-feira, 3 de março de 2015

Vamos falar das rotinas

"Crianças sem rotinas para dormir apresentam problemas de comportamento".
E eu não sei? Durante toda a minha vida profissional debati-me, guerreei com mães por causa da ida para a cama a horas certas. "Às nove?, ela não gosta de ir cedo para a cama. Só depois da novela".
Estas e outras do género: "não consigo metê-lo na cama cedo, ele vai quando quer" ouvi da boca de algumas, muitas direi, de mães que não queriam contrariar os seus descendentes. Um obrigado àquelas que por mim passaram que eram excelentes mães e que não se importavam de contrariar os filhos.

segunda-feira, 2 de março de 2015

E eu a pensar que era o avô!

Uma criança de três anos, barulhenta, demasiado rebelde, a gritar e a pular estava acompanhada por um senhor de cabelo branco, com rugas, assim a modos que com a minha idade. O senhor falava alto, quiçá era surdo devido à idade, assim como eu, a criança abria e fechava a porta, pena que não trincou um dedo, assim sossegava, eram praí oito da noite e o crianço não se cansava de incomodar.
Até que ouvi-o chamar "pai". Procurei de entre os presentes o pai do crianço.
Era o tal senhor de meia idade cabelos grisalhos, assim como eu que, devido à idade de ser avô  não tinha paciência para educar o filho.
Cheguei à conclusão que: Pais com idade de serem avós são demasiado permissivos.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Educação para os valores, há quem precise.

Sinceramente, deixar que uma criança deite abaixo e a arraste pela casa a árvore de natal é cena que a mim me faz saltar a brotoeja, e, se a cena fosse na minha casa...seria pior ao ver o sorrisinho dos pais por acharem uma gracinha a empreitada que o crianço fez era coisa para avançar um par de taponas. A eles, porque a criança, essa, se deita a árvore ao chão e leva-a para todo o sítio, arrastando-a é porque tem a aprovação dos progenitores. E a conivência.
E depois, depois é dizer que a sociedade não está preparada para a receber. Como?
Adoro as minhas Pulgas mas se uma houvesse com esta atitude, certamente, eu não me chamaria AvoGi.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Escandalizada

Vou ao parque com as Pulgas ementes a mãe não passa para nos dar boleia mas penso seriamente em deixar de ir; é que, por coincidência, vai também à mesma hora um grupo de adolescentes e, não me incomodam que andem no balancé, nos baloiços, no escorrega, embora seja para as crianças o que me incomoda é o palavreado que usam uns com os outros. Ainda há dias ia perguntar a um deles se falam assim em casa com os pais, mas depois..
Mantive a boca fechada. E comecei a pensar se os pais também não falariam da mesma forma. E depois, sujeitava-me a ouvir umas bujardas dirigidas a mim.
Não sou mulher de não dizer um palavrão, mas na boca de adolescentes dá-me uma coceira na sola do pé.

domingo, 16 de novembro de 2014

"O meu filho, de dois anos, só come a brincar com o tablet"

O meu comia mas era um par de palmadas naquele rabo, disse eu, em voz baixa.
E o ar de felicidade com que o papi disse isto, deu-me mas foi uma volta no intestino. Dois anos e já com tablet? Dois anos e dependente dos jogos? Será que o crianço já se lembrou de jogar o aparelho à cabeça do pai quando não gosta da comida?
Uá mãe, que vontade mórbida de chamar chamar uns nomes ao pai.
Mas serei eu uma cota retro que acha um desperdício dar a uma criança de dois anos um tablet? E porque não uma mota para o rapaz quando não quiser comer dar uma volta e colocar o papi a correr de taça na mão pelo caminho acima?
Já disse que sou cota retro, não já?

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Oh, a sério?! Não me digam!

Li que "o mau comportamento das crianças é fruto da educação dada pelos pais desde o berço", diz Luís Maia, psicólogo e pergunto eu, professora aposentada, se era necessário uma investigação para se chegar a esta conclusão?
Quilhos de tempo, quilhos de dinheiro, e a resposta está ali, no berço. A educação começa no momemto do nascimemto. E digo, os filhos tornam-se para os pais um recompensa ou um castigo segundo a educação que recebem, li esta frase e assenta que nem milho.
Pronto, não sei o que me deu, se foi jeito no dormir mas hoje tirei o dia para falar de crianças...
Mas era preciso um estudo? De pequenino é que se torce o pepino.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Avançava logo uma tapona nas beiças

Há crianças tão guinchonas que nem à estalada se calam. Hoje, uma criança gritava tanto enquanto o seu papi e mami alheios ao guinchar e consecutiva birra do crianço, bebericavam café. Os outros que se lixem e se estão mal abandonem o espaço. O crianço berrava, guinchava, esperneava e batia na cara da mãe, eu até acho que ela merecia mais, mas enfim...
O papi ria-se e, desculpem a palavra, maribava-se para a cena. De vez em quando a mãe lá pedia para ele se calar, mas o gasguito guinchava tipo porco, ainda mais alto.
Entre bofetadas à mãe, pedidos de calma e risadas do pai, já os presentes olhavam para o estapilha, com olhos atravessados.
Até que...
Saíram como se nada tivesse acontecido. Criança ao colo, pai atrás com ar de jingão, mãe a comer o bolo. E o crianço a guinchar, mas desta feita nas orelhas dos pais.
Rás parta esta canalha...e estes pais surdos e imunes ao barulho.Uma chavena de chá de boa educação em jejum juntamente com pedagogia aplicada no rabo é remédio santo.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Crianças e facebook

Algo que, na minha opinião, não combina. Entendo até que é uma dupla de risco e explosiva; e saber que pais permitem (ou certamente não supervisionam, não sei) a colocação de fotos em biquini, a tomar banho, nuas, desculpem pais, mas na minha modesta maneira de ver o mundo, entendo que há tempo para tudo. Deixem as crianças serem crianças, não pretendam que elas sejam adultas antes do tempo, porque, ao chegarem à adolescencia já estão cansados. Cansados de terem responsabilidades, cansados da exposição, cansados de serem adultos, cansados da vida.
Mas, como disse, isto sou eu que tenho netos e não filhos em idade de exigirem o que querem só porque o colega da mesa do canto tem.
Crianças de 12 anos que colocam fotos a  dizer algo assim: "esta sou eu quando era criança". Não entendo, sinceramente. E julgo que aos doze anos ainda são crianças. Mas já cresceram, sentem-se adultos. E quando chegarem a aultos sentir-se-ão idosos.
Facebook coisa de adultos que já com supervisão é um risco.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

TPC,s ainda mais a propósito

É realmente um tema controverso. Chegou-se a uma altura em que os pais não querem é chatices e por isso não há pachorra para sentar o traseiro com os filhos e rever a matéria dada. Há sim, muita pachorra para levá-los ao Ballet, ao Esgrima, à viola e, acima de tudo ao futebol. Sim, que o ideal de muitos pais é que os filhos sejam um Ronaldo. E, claro, tem de haver tempo para os treinos do desporto federado em detrimento do estudo. Já ouvi pais se lamentarem que a professora é uma chata que manda montes de trabalhos e o menino quase fica sem tempo para os treinos do tenis. Eu, língua solta como tenho, respondo que, poderá ser um óptimo tenista mas burro como uma ovelha.
Por aqui, nesta casa, quiçá por sermos docentes, as crianças fazem os trabalhinhos que a professora manda e mais alguns, se necessário. E sim, sou a favor dos TPC,s com moderação.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Os TPC,s

Tenho lido muito acerca desta temática, e teço a minha opinião pois que, durante todo o tempo em que leccionei, sempre mandei trabalhos para casa.
Convençam-se pais, há que criar métodos de estudo e para que isso aconteça é motivar os educandos para a necessidade de rever a matéria dada. Não digo com isto que se deva entupir as crianças com "mais do mesmo" em casa, mas creiam, não custa nada seguirem e estudarem com as suas crias a matéria que foi dada na escola, eles sentir-se-ão mais estimulados e felizes por poderem transmitir e explicar aquilo que aprenderam na escola. Eu sei que há professores que "abusam" nos TPC,s mas não há como expor o assunto na reunião de pais e chegar a um consenso.
Há uma panóplia de trabalhos domésticos a executar depois do trabalho na empresa, mas nem que seja quando descascam a mistura para o jantar sentem a criança na banca da cozinha e ementes descascam as semilhinhas (o mesmo que batatas) para a sopa ponham um olho na panela outro no TPC. Não faculte a resposta ensine-o a pensar. Ele, no futuro, será grato por isso.
Lembre-se, a mochila deve arejar em casa. Por isso abra-a, tire os livros, folhei-os, faça perguntas, observe se há trabalhos por concluir, questione a razão, se necessário, Atente também aos recados escritos pelo professor. Mantenha uma relação cordial com o profesor do seu filho.
TPC,s um horror, um bicho de sete cabeças, uma dor de cabeça para alguns pais.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Senhora professora, cara colega

Escrevo para lhe dizer que, por cá, não temos touros, quiçá, será essa a razão pela qual aplicamos a palavra "lidar" muitas vezes, não só quando falamos de crianças.
A frase: " com esta criança é difícil lidar" está correcta. E, nós por cá, aplicamos também esta acção: "lidar" quando nos referimos aos trabalhos domésticos, ou melhor dizendo, às lidas da casa.

Quero dizer que, se uma aluna madeirense usa este termo não a deve chamar à atenção dizendo que a frase está incorrecta que, "lidar" é com touros e não crianças, além de mostrar o seu ar de desagrado e, desculpe, de mete nojo.
Lidar, segundo o dicionário Priberam, significa trabalhar, andar na lida, combater, pelejar, além de tourear.

Quem nunca lidou com uma criança rebelde? Sim, não me refiro a tourear uma criança rebelde, segundo o que deu a entender esta minha cara colega, professora com estagiárias (sendo uma madeirense  que ficou arregalada quando foi corrigida por ter dito esta frase). Corrija sim, quando tiver a certeza de que está certa. Documente-se, colega, documente-se.

Senhora professora, cara colega, se nunca toureou em casa, credo, refaço a frase, se nunca lidou em casa é porque tem um touro, perdão, um marido que taureia por si. Se nunca lidou, e não me refiro a tourear, com pessoas é porque é má toureira, perdão, pouco assertiva.
Cara colega, lidar consigo deve ser frustrante, se calhar é melhor tourear em Salvaterra. Aprenda a lidar com pessoas. Deixo-lhe este artigo : "Aprenda a lidar com pessoas difíceis" e, a jornalista não se refere a touros. Obrigada e...disponha.