Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A água lava tudo e a lixívia tira tudo. Até a cor

Ora hoje vou dar um conselho a todas as mulheres que lutam como eu na tarefa (árdua, por sinal) de tirar nódoas. Bem, os homens também podem ouvir. Credo, não é preciso ficarem zangados. Vá lá não façam beicinho. Pronto, festinhas no "carrolo".

Antes de se sentarem vão buscar um papel e um lápis que é para escreverem. Eu cá inda sou do tempo em que se escrevia tudo num papel. Vááááá, depressa. Corram.
Já estão de lápis e papel em punho? Sentem-se. Agora óculos na ponta do nariz e olhos fixos no monitor.
Esperem...

Lembram-se de eu dizer que as minhas toalhas estavam com nódoas de vinho tinto? Lembram-se sim. Até me deram conselhos."Deita vinho branco". Ora eu ia perder vinho branco a tirar nódoas!!

Lembram-se de eu ter dito que até no Natal fui "demitado" ao super comprar lixívia para tirar as nódoas? Lembram-se? Mas em toalha vermelhas lixívia ia ficar assim como cogumelos. Não era?

Recordam-se de ter dito (eu) que nunca mais punha toalhas de pano nas mesas que passaria a usar de papel ou de plástico? Lembram-se claro até disseram ...hummm...já nã me lembro!
E de até me terem dito que era melhor substituir o vinho por água e assim não haveria mais manchas que a água não mancha e até lava? Disseram disseram, que eu tenho gravado, mas nunca a água pode ser um substituto.

Mas....
Não tive coragem e tive vergonha de colocar nas mesas da festa toalhas de plástico ou de papel e de servir água em copos de vinho. Foleiro!

Atão agora peguem no lápis e...Ah, mais uma coisinha antes de...
É certo o que vou dizer não pensem que é brincadeira. nem eu sabia que dava resultado nem vocês pois no outro artigo ninguém comentou.
É agora...Para tirar nódoas de vinho...

Amanhã digo. Prometo. Agora não tenho tempo. Vou tirar as nódoas de gordura que as de vinho...já foram.

Estou entregue às Pulgas!!

As Pulgas ficaram a dormir cá em casa. Atão depois de estarem na cama já ferradas no sono, é que me levanto para...(bem...não preciso de dizer ...conseguem adivinhar ou tenho de explicar tudo?)...fazer as coisas que não faço com elas acordadas "canão"...dá erro. E para não acordarem, levantei-me às escuras, e ia-me espalhando toda ao comprido devido a uma boneca que tinham levado para a cama e que já estava no chão, jogada.

Fui escovar os dentes. Sempre sem acender a luz.
Claro, só saiu asneira! Alguém que não me atrevo a dizer que foi o mê Gu-Gu deve ter posto o Halibut dentro da gaveta ao lado da escova de dentes.
Abri a gaveta. Apalpei, tacteei duas bisnagas (a minha e a delas). Esta não é! Pensei. É esta. E toca a espremer... não me cheirava... mas como ando "semenas" do nariz!
E às escuras...deitei Halibut na escova. Mas assim que meti na boca detectei que algo estava mal.

Cheguei a tempo! Desta vez!

E...
OBRIGADA A TODOS pelas palavras simpáticas que deixaram no artigo do andar de baixo referente aos anos da Pulga.
Do fundo do coração agradeço e envio um abraço apertado, daqueles tão apertados que até parece que quebram os ossos.  E um aperto de mão para os senhores mais inibidos. OBRIGADA.

domingo, 30 de janeiro de 2011

E são cinco


São cinco anos de Pulga. 
Se ontem foi a festa da família e amigos, hoje é a festa para os mais pequenos.
Há cinco anos numa segunda de manhã pelas oito horas nascia a primeira das Pulgas.

"Uma flor, uma pequena flor que eu colhi..."

E estavam lá os avós para a receber e saudar.
Como sempre em todo os momentos importantes da nossa vida a família está presente.
 Isso é a essência da vida.
 Da nossa. Da minha. Claro!
Venham mais cinco, mais dez ou muitos mais que continuaremos aqui para te abraçar, proteger e amar.

Parabéns, minha pequena flor!

sábado, 29 de janeiro de 2011

Ó tempo volta pa trás!

Lindo dia de sol!

Olho para Euzinha, a minha empregada brasileira, (a que me ajuda quando Moi-Même mete férias), e pergunto em tom imperativo sem direito a recusas:
- Euzinha, já viste que lindo dia de sol?
Vamos pôr os tapetes a lavar? Vamos?

E lá fomos.
Ela à frente a bambalear a bunda como se estivesse a sambar, pois que hoje, sábado, é dia de treino de escola de samba e eu atrás a tentar imitá-la.

E deixem que vos diga: até fiz bem o passo: dois pá frente, um pa trás, esquerda direita e voltinha.
A máquina, a de lavar, mesmo contrariada, cumpriu a sua obrigação: lavou, centrifugou e escorreu a água.

Mas alguém tinha do os tirar da máquina...e eu que tenho esta vida perfeita (desculpem, mas tenho de meter esta achega aqui) e a empregada ouvindo o Martinho da Vila sem pachorra para o trabalho lá se foice pôr os tapetes das Christmas no estendal para o sol fazer a sua obrigação.
Só que ele olhou para mim lá do seu trono e faz uma carranca tal que até tremi como as canas-vieiras em frente.
Olho para ele. Atiro-lhe um kis. Não gostou. Julgou que estava a gozar. Abriu-se e...
Fechou-se.


Tapetes no estendal a secar.
A secar? A secar pensava Euzinha, afinal, malvado pé-d´água que molhou os meus ricos tapetes! E eram para colocar no dia de anos da Pulga!!!

Onde será que pus o livro de reclamações?

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Fim de semana, pois então!

Ai meus amigos "tenho sarna para me coçar" este fim de semana.
(Humm uma vez escrevi esta expressão num comentário e a pessoa não gostou. Feitios. Mas é assim tão feia. Não se usa? Ou é melhor: tenho alcagoitas para descascar?)

Tenho então alcagoitas para descascar.
O bisalho, que é o tio-padrinho da Pulga, e o projecto-nora vêm cá este fim de semana para uma festa.
( Uaaaaau, mãos no ar a dar viva).
Além disso...a festa. A Pulga faz cinco anos.
(Uaaaau, novamente:viiiiva)

E como a festa é na casa da avó...
(Uaaau, again and again hands up e mais trabalho para esta velhinha simpática que de simpática não tem nada, usando a frase de um anónimo, mas juro, será a última vez e vou  jogar tudo para trás das costas.
Pronto. Já joguei.)

 Como estava a dizer (antes de abrir e fechar parêntesis)...a festa é aqui na minha casa e isso pressupõe trabalho e já sei, vou trabalhar que nem uma mula sem direito a descanso. É que tenho mais de trinta pessoas, adultos, que nem conto com a bisalhada, aqui em casa para a festa da Pulga. Não são muitos entre família, amigos e compadres. É que estas Pulgas têm padrinhos/madrinhas que não não são casais. Isto quer dizer que vêm seis padrinhos, mulheres e filhos e, cinco (porque a madrinha da Pulga não vem) madrinhas, maridos, noivos ou amantes e filhos.

E nos entrementes: BOM FIM DE SEMANA para todos mesmo para aqueles... bem, eu prometi, tá prometido, já fiz cruz no peito e juro...e juro...que o meu vai ser bem bom.

Puuuuum! Ouviram o estrondo? Do puuuum? Mais um tiro na dieta.

Mas antes de ir procurar trabalho, tenho um pedido e uma oferta para os meus amigos. Se quiserem vir até aqui dar uma mãozinha ou mandar a mãozinha eu aceito de boa vontade (pedido) e deixo-os participar na festa (oferta). Deixo-os pôr a mãozinha (a que me deram) na comida boa que vai ter.
Venham lá todos para sermos muitos. Tentador, hã?
Levantem a mão para efeitos de logística.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Vamilhá mudar de assunto quisto já fede

  Sim é verdade, toca a enrolar o novelo de lã ou desenrolar conforme dê mais jeito que este mundo não acaba só por que alguém me ofendeu. Tá todo o mundo enrolando? Bótimo.
E sabem?  Este corpo averga mas não parte. É que já levei muito no lombo para quebrar e não quebrei.
Por isso vamilhá a andar pá frente que atrás vem gente.

Vou mazé tratar de quem me quer bem que este mundo virtual é isso mesmo: virtual. E como amor com amor se paga de hoje em diante vou modificar o meu modo de vida, como dizia o Roberto Carlos.Mas de uma coisa fiquem sabendo...
Aqui conheci óptimas pessoas com quem já tive o prazer de jantar. E de conhecer, de falar de beijar e não fico por aqui.
Anda AVOGI e fala das Pulgas. Por isso vai um postezinho sobre o pestezinho do meu Gu-Gu

A minha filha diz que em casa o Pulguito dorme e dorme sem parar. Olha, aqui nem dorme quanto mais parar! E se parar, dorme. Mas o problema é que não pára quieto nem para dormir. E não dorme . Bem, faz soninhos de pulga enquanto em casa faz  grandes sonecas.

Quando o ponho na cama  tenho de desligar o telefone o fixo, a campainha, e todos os artigos que fazem barulho. Diria que tem um sono leve? Não. Nada disso, até é bem pesado, ele é que luta para não dormir além de quilos de manha no rabo.
Sabem que até tenho de fala entre dentes para que não acorde? E nem "espilrar". Aquele "espilro"que  fica atravessado na garganta por que se coçou o nariz para evitá-lo e que depois se transforma em vontade de despejar a bexiga? Esse mesmo!
 Mas prefiro despejar a bexiga do que acordá-lo.

Ora, adiante que é para isso que me pagam.
Ontem o mê senhor (avô deste Pulguito) teve um "caruncho" à noite. Não o caruncho que dá na madeira. Credo, não foi esse o trabalhinho à noite. Foi a montagem de um roupeiro.
Armar o roupeiro subentende-se fazer barulho pois que veio às peças.
O avô martelou, atarraxou, serrou, pregou e o gasguito sempre a dormir. Nem acordou com o barulho.

Ah. esqueci-me de dizer que esta montagem foi na casa das Pulgas.
Ora agora digam lá outra vez se não é manha no rabo?

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Pensamento meu: Este mundo dos blogues

Este mundo virtual está cheio de pessoas bem-educadas e eu tenho o prazer e a honra de recebe-los aqui no meu espaço, mas também cheio de gente que não enxerga a educação nem de binóculo. Nem a vê, nem que se esforce. Ou nem se esforça e prefere ser mal-educada.
Mas a verdade é que é uma pequena percentagem, (pelo menos eu assim acho) que tem um prazer mórbido de ofender, escondendo-se atrás de um blogue, julgando que conhece todas as pessoas que por lá passam.

E julgam os outros por um simples comentário, por uma simples opinião.

E depois se o comentário expresso é para anuir com o escrito, aí sim somos os maiores, os melhores e metem-nos no coração e o comentário está lá publicado. Mas, se por ventura é para contrariar algo que foi escrito no artigo, vem logo o encorrilho de epítetos inadequados na boca de...uma mulher.

Será que nós que fazemos dos blogues este mundo de amizades não podemos ter uma opinião contrária? Temos de concordar sempre com o escrito? A troco de ler umas frases ofensivas?
É esta educação dada pelos progenitores?
É esta a educação que vão transmitir aos filhos?
"Ofende e chama os nomes que quiseres. Tens liberdade de expressão"

E remato com a frase que se lê muitas vezes: "Em Portugal há liberdade de expressão e no blogue eu escrevo o que me apetece. Se não gostas, não venhas aqui." (note-se que não sou eu a dizer isto. Seria incapaz!)

É caso para dizer: "que seria do azul se todos gostássemos do vermelho"

Fotografia: Mikonos, Grécia, Férias e cruzeiro 2009

Quem não gosta de dinheiro dê um passo em frente. Ninguém. Eu sabia!

Chovia desalmadamente e choveu desalmadamente todo o dia sem dó nem piedade de quem tem de sair de casa: eu.
Ao aproximarmo-nos de uma passadeira perto do Mercado do Funchal, um senhor de guarda-chuva em punho preparava-se para encetar a passagem. O mê senhor todo bondoso e com o dever cívico embutido na cabeça, parou. (Ai se fosse eu "acelarava" e passava antes dele sequer pôr o pé na rua! Porque dava tempo!)

O homem chega a meio da passadeira pára, agacha-se e começa a levantar não sei o quê. Arregalei os olhos. "Mas que coisa! Que grande lata!" Eu já estava a deitar fumo pelas narinas e a dizer baixinho (que não sou de confusões): "Ai seu vilhão!"

Moedas. Juntava moedas espalhadas. Moedinhas que ele encontrara debaixo daquela chuva entre os paralelopípidos da passadeira.
Não há o direito! E nós...e eu ali a deitar "lavaredas" à espera que ele juntasse-as todas. Nas calmas, sim que ele não tinha pressa! E até só chovia desde o dia anterior, sem parar!

Perguntem-me agora: "as moedas eram dele?" Não, respondo eu. E todo gabarola a dizer: "Já ganhei o dia!" A fazer "ciganas" a nós, (bem... ao mê senhor...que se  fosse eu aos comandos, agarrada ao guiador, nada se tinha visto) que cumprimos com o dever cívico e não passámos com o carro por cima dele. E até esperámos que ele juntasse as moedas...parados....com carros atrás de nós...
O mê senhor ainda lhe disse: "metade é meu!"

E eu, sabem o que disse? Não sabem pois não ouviram, mas podem imaginar, não? É que estava avinagrada!
Ainda pedi para parar o carro que ia procurar algumas. Sim, que ele não "ajuntou" todas! É que quando cheira a dinheiro...eu até gosto de dançar à chuva!

Mas o chato do condutor, que por acaso (só por um acaso) dorme na mesma cama que eu, não parou!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Só para que se saiba que...

...Há mais de 10 horas (e sendo agora neste momento 22:33) que chove ininterruptamente.
E hoje pelas 19 horas o termómetro mrcava 9 graus Centigrados.
Hã? Não acreditam? Olhem eu também não acreditava e sou como São Tomé ...só depois de ver é que certifiquei: 9ºC.
E desde ontem  que chove. Sem parar.

Atão eu tinha razão. Todo o dia senti frio. Tinha os pés que não sentia, tinha o pescoço "encrequilhado" e os dedos das mãos que nem pude dar à tecla.
Frio sim, que eu visto casacos nem que fique armada em alheira, mas chuva não. Esta humidade deixa-me "peguilhenta". Além de que entende-me com a cabeça. É isso. Perco a cabeça.
Mas o pior é a língua!

Se quiserem vender ouro

Ao passar os olhos, ou melhor, ao ler, se fosse só a passar os olhos não ia reparar no anúncio no Diário de Noticias da Madeira.

Um pequeno pormenor: o Profissionalismo e o Sigilo.
Só guardam sigilo das 9h às 19h.

E profissionalismo também.
A partir 19:00 acabou-se!
E compram a €€€ a dinheiro €€€!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Os amigos são para as ocasiões, não é?

Quando que se recebe visitas em casa é apanágio da anfitriã mostrar a casa limpa. Pôr a casa num brinquinho se como se diz por aqui. Limpar para cheirar. Limpar para logo sujar.
(Mas na próxima, e lembrem-me do que aqui estou a dizer se entretanto me esquecer, lembrem-me de comprar mazé uns sacos de cheiros e velas aromáticas e espalhar pela casa toda)

Adiante e fecha parêntesis.
Ontem limpei, escafiei os cantos todos, que ia receber gente em casa para jantar. Limpei tanto e dei tanta cera que as Pulgas até se admiraram e exclamaram: "Avó, a casa tá a cheirar!" E quando chegaram a casa tinham o cheiro a petróleo nas roupas. Assim é que é...dar tanta cera, lustrar e até por as roupas a cheirar.

E a casa tava num brinquinho. Tava sim senhora. Mas ó despós...fica tudo... fica tudo... olha...fica tudo como estava antes de ser limpo.
 Mas próxima não vou limpar sozinha. Não, não vou ser a gata borralheira. Cinderela! Sim, a Cinderela. Calço o meu sapatinho de cristal e sento-me à espera que elas cheguem e nessa altura...faço a via-sacra de pano e polish numa mão e na outra a vassoura e pá. Começa o bailarico!
E vou ver qual é o que não me dá uma mãozinha! Atrevam-se!

"Atão"os amigos não são para as ocasiões? Olha, esta é uma ocasião para reunir os amigos.
Ó raio a gente limpa limpa e volta a limpar. Para quê?
Para daí a bocado estar tudo sujo?
Mal injusto!

A próxima reunião vai ser de amigos virtuais. Estão todos convidados. Quem vem?

domingo, 23 de janeiro de 2011

Isto não fica assim

E como disse o outro depois de ter dado umas cabeçadas no amigo: "Pois não. Isso vai inchar e ficar negro!"
É assim o meu relacionamento com as formigas.
"Isto não fica assim!! Elas nem sabem com quem se meteram!"

Ontem fui à venda perto de casa e pedi ao vendeiro um remédio...bem...não é bem um remédio que eu não quero que elas melhores, engordem e se reproduzam.  Eu quero é que elas morram ou desapareçam.

O vendeiro muito prestável lá disse:
- olhe vezênha....(hummm, nós nem vivemos perto um do outro, para me tratar por: vizinha, mas vá lá...)...isto que tá qui é o melhor para elas. A vezênha deita um carreirinho de pó e elas levam nas patas.
- Mas onde deito, se elas estão no mesão da cozinha?
- A vezênha tem de ver donde é que elas vêm!

Atão lá comprei o tal pó mata formigas e hoje vou fazer uma espera a elas.
Vou estar atenta aos passos das bichas. Vou-me pôr de rabo para o ar que o vendeiro diz que elas vêm do chão, mas eu cá só as vejo no ar, perdão, não é bem no ar, é mais a andar a passo de passerelle no mesão da cozinha.

De uma coisa podem ter a certeza eu de rabo pó ar não fico nem que me paguem, nem para ajuntar uma nota de 100 euros, vou  mazé tentar descobrir a sede da tal sociedade anónima, (sim, que eu não as conheço) e vou deitar o tal pozinho em carreiro e esperar. Não sei se será melhor me pôr sentada num banquinho de cozinha!!!

É que a coisa tende a demorar. Eu juro que se não morrerem do pó vão morrer do pum ou do dum.
Escrevam se faz favor o que estou a dizer!!

sábado, 22 de janeiro de 2011

Não vou ser repetitiva, mas...belhac

Tenho uma praga de formigas em casa.
E se fossem só formigas ainda punha as mãos para o céu e e agradecia isto. Mas não! Além de formigas, (ah, daquelas pretas que se reproduzem à velocidade de um raio...que o parta!) tenho aranhas.
Não dessas que estão a pensar. Das outras.
Sim dessas, claro!

Para completar o quadro de insectos tenho as Pulgas.
Mas essas até não me irritam ...tanto, como as que referi.
É que estas, as Pulgas, eu dou uma trolitada no rabo, ponho uma mordaça na boca, as pernas amarradas à cadeira e lá se passa o dia. Nem piam.

As formigas é que me tiram do céu em que vivo. Elas fogem assim que me vêem e assim que me aproximo correm, só falta voar! E digo, tem sido uma dificuldade apanhá-las todas.Eu bem tento, mas elas são mais espertas que eu.

E as aranhas... bem... essas, podiam estar junto das formigas, não acham? Assim evitava de ter de esticar a cabeça e os braços para cima para vê-las, repito, para matá-las, e curvar as costas para apanhar as formigas, que estas estão em cima das mesas.

Mas o Belhac tem uma razão.
Limpei os moncos da Pulguinha, os de ontem, e deixei o lenço em cima da mesa do computador (eu sou poupada, não esbanjo lenços de papel e por isso assoo muitas vezes no mesmo lenço, quase até se desfazer, ou melhor quando eu já assoo nos dedos é sinal que não serve para mais nada)

Adiante e fecha parêntesis
Deixei o lenço...e esta manhã ia limpar o nariz com ele pois como disse estava ainda bom para o efeito, abro...
Nem queria acreditar!!!!
Imaginam uma sociedade anónima de formigas? Uma mancha preta no lenço branco...e verde?!
Nojentas.
Antes de deitar o lenço ao lixo a raiva era tanta que levaram uma dumdumdada.

(Qualquer dia afugento leitores e credores, credo, comentadores, daqui do meu blogue com estes relatos cheios de BELHACS..., mas creiam, é o que se tenho por aqui...
Poderia contar outras coisas? Mentiras? Sim com certeza, mas não seria eu nem o meu blogue!)

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Belhac!...Belhac!...Belhac!...

Pulguinha está constipada. Não naquela fase do pingo transparente, limpo, mas do grosso esverdeado compacto e com raios de castanho. (Belhac!... devem estar a dizer, mas é a verdade.) E sai quando ela menos espera e aliás já tem o nariz assado de tanto assoar. Coitada da Pulguinha!

Sai e sai, cresce e escorre até à boca...(belhac!...), mas ela não passa a língua como já vi crianças a fazerem.
(Vá lá: belhaaaaaaaaac!...)

Estava já a contornar o lábio superior...(mentira, estou a regar, levantem os pés que vai passar água) e disse-lhe num momento em que ela estava tão, mas tão absorta, tão compenetrada, que a minha voz não penetrou à primeira, a escrever e claro com a cabeça virada para o livro até fazia fio.
- Ai Lolita! (É a forma carinhosa que lhe chamo, quando não é pirosa! É que ela chama "pirosa" a toda a gente.) Anda cá para limpar o nariz!
Ela que foge do lenço como o diabo da cruz diz-me logo:
- Deixa avó. Eu puxo pa cima! - E automaticamente o monco esverdeado, grosso, que escorria pelo nariz abaixo...desapareceu!
Belhac!...Belhac!...Belhac!...

E como ela funga tão bem! É que só saiu daí a uns minutos e quando saiu!..... (Pela última vez, agora em coro: Belhaaaaaac!....)

Fim de semana, pois então vou deixar as coisas como estão

Não é possível! Não pode ser! Que maldade! Estou estarrecida! Não me esperava por esta!
Perplexa, será a palavra correcta. Nunca pensei que me fizesses esta "judiaria".
                           
Tu. Sim tu!  De verdade que... esperava tudo. Tudo, menos isso. Mas espera que a vingança serve-se fria. Não. Gelada. Sim a vingança há-de vir quer tu queiras quer não queiras.

Em línguas de fogo? Em línguas de dragão? Não, não será por aí!! Cá se faz cá se paga. Não é isso que dizem?
O tempo é um bom conselheiro e como diz a música amanhã será tarde de mais por isso ...

Hoje ...
Hoje não, mas amanhã ajusto contas contigo.
Isto não fica assim...
Ah pois não!!

Vai dar sol, muito sol espero...pois tu chuva... sua chuva malvada é para ti que falo (não tinhas percebido ainda? Idiota!) que chegaste sem eu querer e...molhaste os tapetes que tinha no estendal a secar, vais agoniar debaixo das pragas que eu roguei para ti. E livra-te, de deixares cair uma lágrima que seja, nos meus ricos tapetes!

BOM FIM DE SEMANA!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Feitas as contas, somos todos irmãos

A Pulga conversava comigo acerca da sua ida para outra escola no próximo ano a fim de frequentar a pré-escolar.
- Sabes avó, para o ano vou para uma escola de freiras.
- Ah!
- Sabes o que são freiras?

Fiz-me de tonta, dando a ideia que não sabia a ver o que ia sair dali e ao mesmo tempo imaginava, a resposta possível a esta pergunta.

Pensava que me ia dizer...
- "Sabes avó, aquelas senhoras que não se casam, que vestiam uma túnica pelos pés, e assim que nos anos oitenta começaram a vestir vestidos compridos, elas cortaram um bocado da saia e agora andam de perna ao léu a mostrar o joelho".

Ou...
- "Sabes, que que parecem pinguins... de sapatos abertos com meias grossas..."

..."que escondiam as mãos debaixo da túnica e só as tiravam desse refúgio para dar umas "selampadas" nas alunas ou até pegar no ponteiro  e dar nas cabeças, e ai de quem não se afastasse!"

- "que andam pela cidade dentro de um carro todo na onda em vez de andar a pé, e vivem numa casa grande com todas as comodidades!"

"Fizeram voto de pobreza, mas têm carro, boa comida, boa cama, e...
...levam coiro e cabelo numa mensalidade...e ate´para colocar um penso no dedo magoado levam dinheiro!"

 Ou então que me ia falar da freira da Madeira...
- "Sabes avó, aquela ave endémica da nossa ilha em vias de extinção."

Mas não. A resposta foi simples nada disto em que pensei.
- Freiras...- e parava para dar ênfase - são as irmãs...dos padres.

Sem ofensa, mas não aceito, passados tantos anos, certas atitudes das freiras do colégio que frequentei, às alunas internas e externas só por que não eram ricas, daí que nada podiam dar para a congregação e por isso eram sujeitas a tarefas impróprias para a sua idade. Desculpem se ofendo alguém. Não é nem será minha pretensão. Obrigada.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Procuro e não te encontro ou...ou... não quero encontrar-te

Conheço alguém com cerca de quarenta anos que anda à procura de trabalho para não mentir, (já sabem que não minto...sempre) há 20 anos.
Mas deve estar tão bem escondido que ela não o encontra.
E anda às voltas, às voltas... Será que era melhor procurar nos cantos?

E fica com uma cara de pena, aquela cara de quem tem procurado em todos os sítios e não há forma de ele aparecer, quando se pergunta: "Então, há novidades?"

Já teve várias propostas, mas é sempre: "muito cansativo!"
Muito difícil...
Num, tinha de distribuir chá pelos idosos...(e era muito cansativo).
No aeroporto, muito cansativo, ter de estar todo o dia de pé...
Assistente de dentista. "Ai, ver bocas abertas todos os dias e dentes para limpar..."(deve ser muito cansativo)
Empregada doméstica. "Credo! Eu tenho curso de ... e de ... e de... e vai desenrolando os cursos que tem
Limpeza de quartos. Mas tem medo de subir nos elevadores (claustrofóbica, é verdade)
"Sabes que sofro das costas!" Respondeu, quando lhe disse para usar as escadas.
"Não dá!.." (Muito cansativo ter de subir com o balde e a vassoura )

Não dá? Não dá? Olha...se não dá... acrescenta ou estica, digo eu, mas isso sou eu que trabalhei como um cachorro e fiz horas extras e dei ao litro para melhorar a minha vida e a da minha família.
E anda-se nisto todo o dia, e todo o dia sai de casa à procura de trabalho!

Agora, é só M 80 e...

Nunca mais trabalho sem música .Isto assim até é outra coisa.
Atão não é que o meu senhor que não é um mexilhão, ou fossãono computador (mas é noutras coisas. Pronto já  disse) descobriu que se pode ouvir música ao mesmo tempo que se "trabalha"?! (A minha tia-velha é que diz que passo muito tempo a "trabalhar", quando estou ao computador.)

Eu já lhe tinha perguntado se não podíamos ouvir rádio no computador. Bem, tenho de dizer que nesta matéria de computação eu sou mais evoluída que ele, mas mesmo assim perguntei-lhe.
A resposta veio em forma de: não. (Eu já sabia, mas mesmo assim fiz a pergunta, a ver...a ver...)

Mas qual o macho que não quer virar pavão quando a mulher faz uma pergunta?
Hã? Qual? Há algum por aqui? Algum que nunca tenha satisfeito um desejo a uma senhora? Que nunca  tenha dado voltas e mais voltas só para satisfazer a sua amada?

Não há nenhum, isso garanto eu, e dão se for preciso a volta ao quarteirão num dia de neve, chuva e trovões, em cuecas só para mostrarem que sim, que fazem. Olhem que já ando nisto há muito tempo! E não me venham com histórias que já não acredito que a Carochinha foi comida pelo Lobo Mau.

Adiantemos frente.
Lá descobriu (esperem, deixem só acrescentar que esteve até às três da manhã, mas descobriu) e vualá já estou a ouvir e a matar saudades do Porto e do meu bisalho: M80

Livrem-se, mas livrem-se de me dizerem que é foleira esta emissora! Mesmo que seja eu até aprecio foleiradas. E neste capítulo quanto mais foleiro mais se dança.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Agora sim, cheguem-se todos à frente.

Já me lembrei do que ia a dizer "aquintrodia" e que depois esqueci-me.

Estão prontos?
Ponham os óculos de ler ao perto, os que aumentam as letras. A cabeça bem perto do monitor que a vista já não alcança ao longe, não é?

"Prontes", vou dizer: Andei a me deitar às cinco da manhã. Tudo por causa dos armários!!!
"Ah, era p´ra isso?!" Dizem vocês, meus amigos!
Queriam outra coisa? "Atão" cá vai...

Eu também quando tinha a vossa idade andei em altas cavalgadas. Não! Não tinha um cavalo. Tinha um...(eu ia dizer: burro, mas não, não senhor, não merece ser chamado assim...)...e tenho...um marido.

Agora a coisa muda de figura.
Deixem que vos diga...

Quando eu era nova...sim, eu também já fui nova, com sangue na guelra, e com força nas canelas e fiz coisas que... bem aquelas coisas que os novos fazem agora. Mas mais apurado!
Oiçam...

Já passei noites a rir (e de tanto rir fiquei cheia de rugas na cara).
Já passei noites a falar dos outros. (Sim que se os outros falam de mim por que raio não posso falar deles?)
Já passei noites a beber. (Nada de álcool. Sou abstémia. Só poncha, uísque...)
Já passei noites a cantar...(Sim, eu canto e encanto! Por vezes desencanto!) 
Já passei noites inteiras a jogar à lerpa. (E que bem jogava!! E que bem lerpava os outros!! A feijocas? Não. A dinheiro.)
Já passei noites a...a...adiante...(Como devem imaginar.Bom entendedor meia palavra chega) a dançar.
Já passei noites acordada e dias a dormir.

Mas...
Agora... e como tudo na vida tem um fim... e como esse fim não o vislumbro ao longe, e olhem que até tenho a mão na testa a fazer de pala para ver melhor...
Voltei a passar noites a rir, a falar, a beber, a jogar...Ah, e a...(esquecia essa parte tão importante!)...enfim (e eu é que sou a depravada!!! E vocês é que pensam!)...a me deitar com os galos a cantar! Pronto é só isso.
E com o primeiro autocarro da manhã a passar!!!

E que bem me sabe!!
E tudo num dia com um grupo de amigos de calibre igual ao meu é...como montar a cavalo assim que nem a Bo Derek! Lembram-se?
Experimentem. E depois digam qualquer coisa.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Admito, sou. E contrariada vou.

O medo que tenho das alturas!
Não da altura de uma escada, nem da altura de uma casa. Também não é de estar no cimo de um arranha-céus. Ou mesmo da Torre Eiffel.
É pior que isso.
É...

Nuvens! Estar nas nuvens (se bem que se eu ando nas nuvens sem mexer um dedo do lugar), furar nuvens. Quando ele, o canudo com asas fura as ditas...aí dá-me aquele  medo, aquele pavor...aquela vontade de "rabiçar" ...
Mas vou...arrastada pelo impulso de conhecer, de ver, de saber, de alargar a minha cultura (e as ancas também).

Grandes viagens não.
América do Norte e do Sul, África, Austrália, Ásia são  destinos que adorava conhecer; mas contento-me com as capitais europeias, sempre é ali ao virar da esquina.

Ora o mê senhor sabendo desta história, sabendo que tenho medo de estar dentro daquela coisa que voa; ele, que fica com os braços negros dos beliscões que lhe dou quando o avião aterra aqui na Madeira, já marcou passagens para duas capitais europeias.

Não quer ir sozinho!!!
Atão eu vou. Nã nã nã sozinho só pá cova. 
E devido à minha busca pelo conhecimento do mundo faz-me esquecer o quanto medo eu tenho de voar.
Ah, e digo mais coisa: na água sou um patinho! Portanto de barco a cruzeirar  sou a primeira da fila para entrar. No avião sou... a penúltima que o mê senhor é o último, logo colado a mim, com receio que eu vire as costas e desça as escadas a correr.
Terra firme, só isso!

domingo, 16 de janeiro de 2011

Escutem, cheguem-se mais perto.

...Tenho uma coisinha para dizer.
Mais um pouco, aproximem-se mais. Façam uma roda, assim como quem joga o Jogo do Lenço.
Ponham a mão no ouvido como um funil para ouvirem melhor . É que vou dizer baixinho, não quero que outras pessoas oiçam.

Já está? A mãozinha no ouvido? A roda feita ?
Esperem, é melhor se sentarem no chão. Eu fico no meio. Sim que no meio é que a está a Virtude.
E eu.
Agora oiçam com atenção que a mensagem desintegra-se dentro de 5 segundos.
Um pouco com o corpo para frente, pernas cruzadas à chinês. Mão no ouvido...
É agora que vou dizer...

Mas o que é que eu ia dizer? Oh caramba! Atão não é que me passou?

Desculpem, sei que isto não se faz! Preparar as pessoas, sentá-las, mandar por a mão no ouvido, coração aos pulos para  a notícia esperando ser uma "bilhardice" daquelas que fazem girar o mundo; ao mesmo tempo já estar a pensar a quantas pessoas vão transmitir assim que se levantarem para depois...para depois ...a "bilhardeira"-mor se esquecer "daquilho" que ia dizer!!!
Não há perdão!

sábado, 15 de janeiro de 2011

Há alguma associação para a vós maltratados pelo netos?

"Atão nã" querem saber o que me aconteceu quando estava a pôr o Pulguito a dormir?
Eu aliás estou aqui para isso e ficaria mal se só levantasse a ponta do véu e não pusesse a descoberto a "judiaria" que este "gasguito" me fez.

Fui pô-lo na cama e eu  faço-lhe companhia, não sempre, mas hoje sim.
Deito-me ao lado dele: ele no berço, eu na cama. Lado a lado. Não lhe tirei as pantufas para não arrefecer os pés.

Mas este Pulga fica a marinar durante um tempo até lhe dar a "pancada" de sono.
Eu, de cada vez que ele se levanta, fecho os olhos para pretender que estou a dormir. A ver se a coisa contagia. Mas não!
E hoje deu-me "a paga", fez o pagamento, para quem cuida deste peste todos os dias!!

Tira uma das pantufas e... (vou tomar fôlego que a emoção embarga-me as palavras e a garganta tem um nó...apertado).
Tira a pantufa e ....Nem deu tempo a abrir o olho!
Atira-me ao "focinho". E não é que acerta???

Ahhhh, mas logo de seguida levou uma malha de cinturão negro do avô. (Não sabiam? O mê senhor é cinturão negro! Não é, mas podia ser, prontes, não vou "mintir"). Calha que, com os olhos cheios de lágrimas devido à pancada, não acertei. Mas tá pá próxima!
Tu nã m´escapas, seu "atentaréu". Olha que sou de maus bofes e raramente esqueço uma afronta.

(Até ponho em letras pi-caninas: Mmmmmm,... não devia dizer isto, mas.... é verdadeira esta frase dos bofes e de não me esquecer . Eu até não queria escrever mas a cabeça pende p´rá qui! E a boca..esta bocarra... tende a dizer a verdade! E eu ali em cima disse que não ia "mintir")

Por isso...Põe-te a léguas!!!

Fotografia: eu e Pulguito no dia do seu 1º aniversário

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Vamos varrer os armários

 Hoje é véspera de Santo Amaro. Por isso vamos varrer os armários da casa da cunhada.

Espero que ainda haja alguma coisa que esta Festa foi farta para todos nós. (Estou a abrir a boca, mas não pensem que é de  fominha, nã senhora, é de desejo, de sono, de nada fazer.)
Por isso "vamilhá" ver a lapinha e comer os armários. (Credo! Varrer os armários)

Sim, que a crise só começou em Janeiro.
E Janeiro rima com dinheiro (ou a falta dele). Ainda  para piorar, este mês tem a afronta de ser um dos mais compridos e parece ser ainda mais...devido ao "mingar" do dinheiro. Não sei se alguém reparou mas este mês tem 5 segundas-feiras e (agora o melhor)  5 fins de semana. Heeeeeeeeeiiii, bracinhos no ar a fazer a onda. Viiiiiva!

Não podia ser Fevereiro a começar o ano? Sempre eram menos três dias; e olhem que faz toda a diferença.
Bem, como estava a dizer antes de andar por aqui a divagar...este mês é comprido e sem dinheiro. Por isso vamos lá a comer os restos da Festa.
Porque amanhã, dia de Santo Amaro, vai-se varrer outros armários. E ver outra lapinha.
Por que a Festa para nós madeirenses, ainda não acabou.

Mas antes de ir, desejo a todos: UM BOM FIM DE SEMANA que o meu vai ser cheio.

E vá lá, venham até aqui ao meu rural varrer os armários!!! Não se esqueçam que é necessário utensílios tais como: vassoura e pá.

"E já agora...se não se importam...já que estão com a vassoura na mão...aquele cantinho acolá...
Sim esse mesmo. E aquele...além, e...olhem...ali tem uma teia de aranha, façam o favor...
Ei, ei, nada de deitar o lixo para debaixo do tapete, mas que coisa!!!..."

Fotografia: A Lapinha madeirense feita por mim.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Hoje...

...Fiz o que tinha de ser feito...All by myself que é o mesmo que dizer: todos puseram-se a milhas para desmontar o pinheiro.
Até deixei as janelas escancaradas a ver se a vizinha ao ver-me esbaforida e sozinha vinha cá, mas, cá nada, portas e janelas abertas fez foi ar-encanado e ainda mais poeira.

Agora tenho o sofá cheio dela, de poeira, e só desejo que venha gente varrer os armários e sentem-se nele, sim, que não vão estar de pé.
Aliás, eu como boa anfitriã vou logo convidá-los a se sentarem e se encostarem relaxados, para melhor comerem os restos da Festa e vou rir para dentro ao ver os rabos e costas deles cheios de brilhantes.
Pois com certeza, que limparão com o corpo. E assim já não tenho eu de limpar.
Que amigos amigos eu tenho!

Tenho andado com umas ideias ultimamente. A sonhar de noite, para fazer durante o dia.
Assim ...umas partidas pi-caninas, como diz a Pulguinha, que eu não sou pessoa para (grandes) maldades, mas às vezes dá-me aquela vontade mórbida!...

Devo ser uma relaxada!
Ou então...

...É do lado para o qual me deito! Não m´admira nada!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Cuidado que isto pode ofender os mais sensíveis

A minha neta, a Pulguinha, trata as coisas pelos nomes. Na escola aprendeu os órgãos sexuais: feminino e masculino.

E toca a chegar a casa e dizer as duas palavras que aprendera na escola. (Na escola sim, que eu, avó um pouco desnaturada mas antiquada ainda me custa dizer as palavras... as palavras...aquelas, as correctas, credo, é que não consigo nem pensar! Quanto mais pronunciar e até mesmo... dizer!)

Nada de mal até de bem, uma vez que sim, são esses os nomes certos e não aqueles pelos quais são conhecidos.
Cá se fosse eu a lhe ensinar diria como se diz na minha terra: ratinha (menina) e pombinha ou grilhinha (menino) . Para os adultos é só tirar o "inha".

Ai Mê Dês, isto vai de mal a pior. Eu bem avisei. Quem é sensível ao palavreado não leia mais e esqueça o que leu. Não consegue? É isso? Pronto, agora tá quase a acabar. Mas eu avisei. Depois, não me chamem mal-criada!

Credo em cruz se eu algum dia perguntei: "Já lavaste a vagina? Nada disso. Era mais: "Já lavaste a ratinha?" Assim sim.
"Mãe, na escola, um menino deu-me um pontapé no pénis!" Não. Recuso-me. "Mãe, na escola, um menino deu-me um pontapé na pombinha!" Ah, assim sim!

Agora desafio-vos meus amigos e minhas amigas a dizem, bem, a escreveram, os nomes pelo qual é chamado/a os órgãos genitais.

E não me venham dizer que sempre disseram vagina e pénis.
Ai que alivio! Já consigo dizer estas palavras!

E desculpem-me se acharem um pouco rude ou pesado para a leitura, mas digo-vos: fartei-me de rir ao escrever. Estou desculpada?

Agora toca a escrever esses nomes... E continuo...a rir.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Montast´ela? Agora desmontazela!

Ai o trabalhão que me deu montar a árvore de Natal para agora ter de desmontar! E se fosse só uma árvore o pior é que este ano eram três; mais o presépio, o outro presépio e mais um. O arranjo da mesa, da outra mesa, das escadas, do tecto, sem esquecer a lapinha da cozinha com frutas e legumes.
Guardar nas caixas, amarrar, levar para o sótão e por fim...descansar!...

Eu claro!
As saudades que vou ter do brilho, da cor, da claridade das "bambiarras" no seu acende-apaga, acende-apaga, tornando a casa brilhante e acolhedora!

Quando é para enfeitar, eita, há sempre vontade. As Pulgas querem, o bisalho também. Para desmontar... Uns olham de lado, outros assobiam: "trabalho vai-te embora"... fazem-se desentendidos!
Cansados! 

Já passaram Os Reis...o fim de semana.
Vem agora o dia de varrer os armários (Santo Amaro).

Vou aproveitar para limpar tudo, mas cá por mim e sei que tenho a razão do meu lado, (uora se tenho!) para quê desmanchar se "mai" dia menos dia vamos fazer a mesma coisa?
Não era melhor tapar com um lençol?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Tudo é uma questão de categoria

- Cavaco Silva tem categoria para ser presidente? - Perguntou a tia-velha ao ver o nosso presidente a falar no telejornal. - Acho que tem uma cara assim...
E  imitava o ar e o sorriso do presidente. (Aquele sorriso que eu considero cínico-forçado e outros consideram carismático-sincero.)
Com esta deu a resposta que eu provavelmente daria.
Aquele ar e sorriso...

- Se...

 ...Eu fosse acolá e me saísse o carro, eu oferecia-te.- Disse a tia-velha apontando com a cabeça, (que as  mãos estavam ocupadas a comer) para o écran da televisão na hora do "Preço Certo".
Fiquei... nem sei como...e tratei logo de telefonar ao Fernando Mendes para arranjar um lugar para ela.
Conto com a vossa ajuda a mandar recados (meter uma cunha vá lá, façam isso) a ele uma vez que, vocês meus amigos do continente português estão mais perto dele que eu.

E fiz logo a encomenda a todos os santos e arcanjos. Encomendei uma reza que tem dado resultado noutras situações.
- Mas o pior...é que não me ia sair! - Rematou ela com ar triste e encolhendo um ombro.

Acabou-se o que era doce, não metam a cunha ao homem. Não lhe vai sair por isso é melhor não ir.

Perdi a oportunidade de ter um carro novo!
Caramba!
Mal-injusto!

domingo, 9 de janeiro de 2011

Será que não tenho direito a um batom sem dentada de Pulga?


Mas esta Pulguinha é ...como direi...eléctrica, explosiva e acima de tudo "mexilhona".
É que ao mínimo descuido é a morte do artista. Tenho de andar com os olhos e os óculos sempre em cima dela, "canão"...
                   
Olhei para a mão dela vi que estava vermelha. Pensei ser lápis de cera pois havia estado a pintar.

Cá nada!! Lápis? Isso não pinta os lábios!!
Mas batom vermelho sim, com certeza!! Apanhou-me distraída, rumou à casa de banho e...vualá!

Como não tem noção do contorno dos lábios e não usa espelho, e fica parecida com uma professora de Historia, reles como um crocodilo, que eu tive quando andei na Escola Industrial (andei e estudei, dito assim até parece que só andei e não estudei, ah, e namorei, sim, que eu conheci o mê senhor nos bancos da escola).

Esta professora pintava o buço, os dentes e o queixo (para não mentir...se fosse para mentir diria  que...pintava a cara toda) e "ei beiças" também. E nunca sabíamos onde acabava os lábios e começava o buço, ou onde acabava o buço e começava o queixo. Era chamada de Robbialac.  Não sei porquê. Não fui eu que a apelidei.
Mas bem podia ser Dirup, CIN, Ampal, Sotinco, Barbot...

Fotografia: A linda boca da Puluguinha.

sábado, 8 de janeiro de 2011

A tradição foi outra

Se bem que ontem se cantou "ui reises" por tradição e se comeu por necessidade, hoje quando "alevantei"  o Menino Jesus das palhinhas, ou seja este corpo já cansado de dormir, fui logo cumprir outra tradição: a de me pesar.

Ainda com o sono nos olhos subi para o cadafalso. Despejei todo o ar que tinha nos pulmões. Mantive-me sem respirar, sim que o ar também pesa e uma grama de ar é o descalabro. Assim, sem me mexer, sem sequer pestanejar, que qualquer movimento oscila o ponteiro (ainda é das antigas, não gosto das digitais, só por uma única razão: não dá para aldrabar!!!) mantive-me quieta de pé, que sentada não consigo e ...esperei que ele, o ponteiro, sossegasse daquele movimento brusco de andar para atrás e para  frente que me faz irritar...até que...
Parou.

Nem mexi a cabeça. (Sim eu referi que qualquer movimento é o bastante para ele oscilar.)
Nem os olhos, nem os braços, só as pernas.
E só... para sair da balança!
Aí então respirei. Inspirei, aquele ar da casa de banho tão fresco e puro. (Também, já estava roxa e com os olhos a sair do buraco!)

Não me perguntem (a tal pergunta): e o peso?
Não sei, não vi. Estive lá, mas não me mexi para não oscilar o ponteiro!

E cumpri a tradição: a de me pesar.

Ao fim de....

...33 anos de vida em conjunto ainda há algo que desperta a nossa atenção. Mesmo estando longe, muito longe. Que nos faz rir.
.
Ontem, na casa da comadre, festejou-se mais um aniversário de casamento.
Uma garrafa de champanhe foi aberta e servida por todos os presentes.

A balança da vida conjugal (que é uma balança de pratos iguais) continua equilibrada e ...

...Enquanto assim for...

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Além de... Agora também...

A tia-velha (a idade está ali ao lado direito) está surda de um ouvido.
Ela que ouvia até um flato, flato não, um "enjoento" dado entre lençóis, abafado; os meus ela ouve, os dela não, e diz  que não dá.

"Nã dá senão bem!"
Dá e dá muitos. Não importa se está só ou acompanhada.
É abrir...e sair.
É com cada  petardo!!!!

Está surda. É uma verdade. Adiante.
                                   
Fiz-lhe uma torrada e disse para se servir.
- Hã??? - quase  a encostar a cara dela à minha - HÃ??? - Como não ouve, fala alto e aproxima-se de nós.
- Sirva-se. - disse-lhe - É para si.
- Hã??
- COMA! - ordenei. Falei alto para que me ouvisse.

 Olhei para ela. Limpava as lágrimas.
- TÁ A CHORAR? - perguntei alto para que ouvisse.
- Tás sempre a falar alto comigo.

Ó Nossa Senhora dos Remédios e das Curas, dá-me um remédio eficaz contra a surdez e a cura para a cabeça, sim? ( minha claro, ca-dela já não há remédio)

Fim de semana, pois então! Vamos cumprir a tradição

 Segundo fim de semana deste novo ano que começa a ficar velho.
Agora daqui para frente é só somar dias até chegar à Festa. ("otavez"?)

E hoje vamos cantar "ui reises" a casa da minha comadre (madrinha da minha filha). E não só cantar! Ver a lapinha e ...comer.
E não queiram saber o esforço que vou fazer para ...para...ver a lapinha!!!

Pronto, já sabia!
Uma mosca aqui a "zunir" nos meu "zovidos" disse-me que não iam acreditar nisto "qu ´tou a dezer!"
Mas...ainda há pouco, há poucochinho, quando nem uma agulha bulia, nesta quieta melancolia, eu disse ao meu senhor, debaixo dos pinheiros do caminho: Tou enjoada de tanto comer. E de ver tanto comer.

Por isso, sai um esforço. Só vou ver a lapinha. Repitam: "Ela só vai ver a lapinha".
Não vou fazer a desfeita à comadre que faz "aquilho" tudo pá gente!!!

Mas antes de ir desejo a todos: BOM FIM DE SEMANA!!!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Olha, ouvi dizer...

...Que quem escreveu "Rapunzel" foi ....O Pai Natal?

A Fátima Lopes no seu programa, no do ano passado: "Agora é que Conta" pergunta a alguém que telefona na esperança de ganhar (mais) uns euros, além de já te adivinhado a palavra tão difícil, mas tão difícil, no jogo de casa.
 Quem escreveu Rapunzel?

A senhora pensa, pensa, mas a resposta não saía.

De repente...
Passa o Pai Natal atrás da Fátima Lopes...

Resposta pronta: Foi o Pai Natal.
Óbvio! Assim até eu adivinhava

Uma tarde bem passada! A ver... a ver...

Desde o ano passado que não engomava a roupa.
No inicio era um bebé, dentro de um "safatinho", enjeitado. Depois cresceu, cresceu.
O "safatinho" manteve-se igual. Transbordou de tanto crescer!!!!

Tornou-se mulher. Alta por sinal e comprida. Pus-lhe uma manta por cima, não vá o diabo constipá-la! 
Hoje cortei-lhe um bocado daquele corpo. Antes que...

Voltou a ser criança. Não cortei muito, caramba. Quero ter que fazer nestes dias. Ou no mês que vem!
Se engomasse tudo hoje o que faria eu nos próximos dias?
Ah, não digam. Não vale dizer nem adivinhar.

Já sei. Pintava as unhas e metia rolos no cabelo.
Ou voltava a engomar para que a bicha não cresça muito!!

Aviso: Expressamente proibido deitar roupa suja no caixote. Livrem-se.

Só um apontamento para finalizar.
Depois da roupa engomada, quando já estava a separar, a tia-velha disse: "podias ter-me dito que eu engomava-te a roupa!"
Isto depois de ter passado a tarde sentada à minha frente a ver....a ver...

Ah...ahhhh!...Burra sou eu se não aproveitar na próxima...

Fotografia: A tia-velha a ver...a ver...

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Como poupar no PH

  Ora, segundo a minha tia-velha (85 anos de idade, sem contar com a cabeça)  as regras são as seguintes por forma a não gastar muito papel higiénico.

1ª - ir de cinco em cinco minutos à casa de banho e de todas a vezes usar o PH sem restrições;
2ª - puxar o PH até parar, mas tem de ser com alguma força para rodar bem;
3ª - quando parar de rodar, embrulhar nos quatro dedos da mão; repetir para ter a certeza. Agora cortar;
4ª - limpar o respectivo/a e deitar no balde do lixo. Voltar a limpar. Esqueceu-se de que já havia feito;
5ª - limpar o nariz também com o PH;
6ª - guardar o bocado de papel numa mama;
7ª - procurar o papel na outra mama. Não está. Ir buscar outro à casa de banho e seguir os passos 2 e
8ª - guardar na outra mama;
9ª - Assoar-se muitas vezes. depois de procurar o papel. Não encontra. Mais um bocado da casa de banho e guardar na manga. Depois na outra manga.

Entretanto retirei o PH da casa de banho. Vai buscar um lenço de pano. Coloca  na algibeira se tiver, se não coloca na dobra das calças. Procura este. Não encontra. Vai buscar outro lenço. Cai ao chão, não importa, a empregada: moi-même vai "ajuntar".
E assim se passa o dia.

À noite ao despir caem os papéis todos. Não importa, vai buscar mais um para  colocar debaixo da fronha. Cai para trás da cabeceira da cama. Procura, não encontra. Levanta-se vai à casa de banho retira mais um bocado de papel.
Se cair ao chão, nunca, mas nunca levantar um bocado. E as costas???

Importante: Além do PH usar também o papel de cozinha, os lenços de papel e de pano. Mas nunca sabe onde estão, pois esquece-se e perde tudo. Não há problema há sempre papel higiénico na casa de banho.

E quando vamos a casa de algum amigo que já sabe da historia do PH antes de sair temos de retirar o rolo que está enrolado dentro da algibeira. E na outra também.

De abcessos e furúnculos

Vou pôr a mão na cabeça ou melhor, colocar a mão aberta na bochecha e ...meditar. Ao mesmo tempo com um dedo tiro um monquinho que anda aqui a me chatear.

Esperem, agora vou limpar o dedo e o nariz e já volto para poder dactilografar. Não quero que ele fique aqui a baloiçar...e vou dizer uma coisa mais que certa.
Digamos que é um segredo nunca dito por aqui. E fica entre nós.

"Os abcessos incham, incham, incham e (alguns) não rebentam. Os furúnculos incham, incham, incham e...rebentam. Só quando rebentam é que se percepciona a profundidade da infecção."
Ao rebentar espalham a porcaria por todo o lado.

Agora façam o favor de transformar este pensamento mais que perfeito e compará-lo com certas pessoas.
Não se esqueçam de uma coisa de fundamental importância: tanto um como outro é sinal de infecção.
E...cheira mal.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Quando um comentário (anónimo) tem honras de primeira página

ORA BEM AFASTEM-SE QUE EU HOJE TENHO FOGO NEI VENTAS

Recebi um comentário, anónimo claro, que só os anónimos é que dizem as verdades, não é'??
Assim mais ou menos: "se tudo na sua família é perfeito a nora também tinha de ser"
Obrigado anónima/o (da Madeira ainda por cima).

Eu não sei mas onde foi que disse que ela era perfeita ou que eu sou perfeita ou que a minha vida é perfeita, mas enfim...
Mas...tens toda a razão tudo aqui na minha família, na minha vida, na minha casa, tudo, tudo é perfeito. Faço questão que assim seja.

Mas hoje vou satisfazer a gula deste anónimo/a e o que vou escrever é para ele/ela.

PSSST, Pssssst. Anónimo/  puxa a cadeira e senta-te ...no chão que não há espaço para todos nas cadeiras.

"A minha vida perfeita" ou Perfect life é mais chic

Começa assim...
AI Mê Dês! Ai Mê Dês A minha vida que era perfeita tornou-se imperfeita por causa de um comentário tão mais que perfeito que me fez ver a imperfeição.

Meu/minha amigo/a (anónimo/a) eu sou uma triste coitada reformada, em casa sem nada fazer. Todo o dia coço a micose, que digo a verdade dá-me uma trabalheira encontrá-la devido à camada de gordura que a cobre. Não. Erro. Eu tenho um corpo perfeito (bato na testa em sinal de esquecimento)

Sabes meu/minha amigo/a a minha vida resume-se a passar o dia a trabalhar. É a vida dos outros que me pesa (que a minha é perfeita) carrego-a sem dó nem piedade. Por que nesta vida perfeita, de família perfeita, tenho a empregada (perfeita): moi-même. Por isso coço a micose e a hemorróida todo o dia.  Ah, e vou às compras sim, que para ter esta perfeita vida tenho de gastar o carcanhol que me foi dado pela família do  marido. Família perfeita por sinal!

Além disso, a minha tia-velha, cambada duma perna, surda de um ouvido, cega de um olho (o tal) que leva  o dia a pensar que é segunda -feira não faz nada. Sim, que se ela fosse perfeita também trabalhava para que eu pintasse as unhas e colocasse as de gel com manicura francesa. Quiçá!

O mê senhor, esse safado, sai de casa logo de manhã e vai de encontro à outra (vida perfeita) que tem.
E só chega à noite e enche-me o focinho de porrada. Por isso não ponho fotografias minhas.

O meu filho, outro safado, veio cá 10 dias (tantos) e nesta vida e família perfeitas saía de casa à noite e chegava de manhã. Ora o gajo não trabalha e ainda vem aqui comer do que é meu e gastar a gasolina do carro, e as toalhas de banho (mais que perfeitas).E ainda para chatear quis que a sua namorada viesse conhecer a família, a mais alargada, que também é perfeita.

A minha filha (outra perfeita que nem eu) com uma família que constituiu (perfeita também) vive do que a terra lhe dá ou seja: ar. Ela abre a boca e respira e assim vive. Não trabalha, não come e se não come não ...evacua. Ela tem casa e carro dados por mim que suei os sovacos e o pai teve de dar ao litro para que ela não se cansasse a trabalhar para ter o que quer que seja. E além disso tem duas filhas (perfeitas) e um filho (perfeito). Mas que coisa e ainda me deixa aqui na minha perfect life os filhos para que eu cuide. Logo eu que sou...perfeita com a família perfeita.

O meu genro nem sei o que diga... ah, já sei o que dizer, não trabalha e vem todo os dias deixar-me o Pulguito logo de manhã para ir às P** ou dormir todo o dia e eu (que sou perfeita) cuido do pequeno com tanta pena por ter um pai assim. Além disso bate na mulher tão bem, mas tão perfeitamente bem que o trabalho fica perfeito. É que a deixa com o morango inchado durante dias!

Anónimo/a tás a gostar desta perfeição???? Hã??? Diz qualquer coisa. Pelo menos diz: PERFEITO

A projecto-nora outra que tal! Essa do Norte que vem aqui e arregaças as mangas e provoca a arritmia no anónimo/a que se insurgiu contra isto . Bem verdade Ó rapariga, "atão" não vês que esta família é perfeita??? Ainda tens a afronta de seres perfeita, também???

Falta falar das minhas PULGAS ...
Não, não direi nada delas. Elas são PERFEITAS.
A mais velha linda que nem eu, já fala, já diz patachadas já come sozinha, já não faz chichi na cama: perfeito.
A do meio mai linda ainda e esperta, também é igual à irmã: já come ....e já fala explicado, e até já me disse para eu mandar este anónimo/a à .. Perfeita a rapariga!
O rapaz tão mas tão perfeito: já come já ...assim como as irmãs.

Realmente por vezes um comentário anónimo é capaz de nos pôr a ver a beleza da família que constituimos. Que construímos!

OBRIGADA ANÓNIMO/A.
Tens razão, a minha família é perfeita e se queres ver histórias de famílias imperfeitas tens de ir por outro caminho (que é como quem diz outros blogues e há muitos a proliferar por aí) que por este vens ter a esta família.
E se não gostas...não venhas, mas se por acaso gostas terei todo o prazer de continuar a partilhar: A MINHA VIDA E FAMÍLIA PERFEITAS (ainda sou capaz de mudar o titulo do blogue, hihihi)

Há muitas gripes nesta altura, não há?

E há muita gente que espera pela gripe sentado, não é?

Estão-se a rir??? Olhem que conheço não um, não dois, não três, mas uns poucos assim. Ainda a gripe vem nas Selvagens... (sabem, aquelas ilhas entre o arquipélago da Madeira e o de Canárias, aliás mais perto dos canários que de nós e que por isso tem sido um atravessar de olhos...mas adiante que o tempo é pouco...e o dinheiro também)...

A gripe ainda vem nas Selvagens, (desculpem a redundância, mas tem de ser...) portanto ainda vem looonge looooonge, e já se põem sentados de sofá com o termómetro na boca ou no ... lugar que lhe dá mais jeito e vestem a camisola de lã cheirando a mofo devido a ser usada exclusivamente na gripe, por cima do pijama; calçam as meias (as de lã) e nos dedos (das mãos) as luvas; sem esquecer o cachecol, as pantufas de pêlo da Serra da Estrela; o barrete de "vilhão" e aquele aparato de pôr nas orelhas, muito moderno este ano (que parecem os controladores aéreos); a manta polar comprada para este fim, a abafar as perninhas, os pezinhos e as mãozinhas ...e o pacote de lenços de papel ou o rolo de papel da cozinha...para o nariz que ainda não deitou uma gota de ranho e...
Sentam-se à espera que ela, a gripe, bata à porta.

Assim que ela bate à porta, que entretanto está encostada, para não terem de se levantar, abrem os braços e dizem:
"Vem aos meus braços querida!!!"

Fotografia: A Pulguinha preparada  para a gripe

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Pensamento meu: Velhice

Vamilhá. Todos sentados no chão a fazer um círculo, perninhas cruzadas à chinês e bracinhos no colo...
É que hoje sai um pensamento. O do ano novo.

Quando...é que temos a certeza que estamos a entrar na idade? Ou seja, a ir... "peidosa"? Não. Não me digam que é por ter  netos. Não será por isso. Também  não é por comer porcarias às 3 da manhã e ficar com o estômago cortado como se tivesse engolido lâminas de barbear. Não é por ir à farmácia comprar remédios para o estômago e cola para a dentadura. Nem é por acordar às seis da manha na hora em que o filho vai dormir.
Também não é quando se preocupa mais com o tempo por causa do "reusmato". Nem quando se senta  para ver um filme (recomendado) e se dorme todo o tempo.Com direito a fundo musical (roncos). Nem quando se acorda no sofá, passadas duas horas com as "aduelas" em rosca como se fossem casquilhos.

Não. Não é por nada disto.
É quando está uma algazarra que mais parece uma invasão de mouros tal é o barulho de gente a falar e pequenos a gritar, e a pessoa simplesmente...apaga-se e dorme o sono dos justos, sentada na cadeira com o queixo a cair, a cabeça a tombar e a baba a escorrer.
É injusto, mas é verdade!!

domingo, 2 de janeiro de 2011

É verdade o que dizem acerca da mulher do Norte?

A projecto-nora, ou Madame como eu a trato, veio cá fazer a Passagem do Ano.

Já cá esteve noutras vezes, mas o namorado que por sinal é o meu bisalho dizia-lhe que nesta época é que é bom e não há terra como a dele, e que o fogo aqui é o melhor do mundo...

E com beijinhos, ternuras e abraços lá a convenceu. 

 E assim que chegou  e depois dos trâmites iniciais, já em casa estava eu na cozinha (lugar onde passo a maior parte do tempo) entra ela e logo arregaça as mangas e pergunta:
-Precisa de ajuda? - e logo mete as mãos na pia da loiça e começa no lufa-lufa a preparar a salada.

Mulher do Norte é assim, não é? Ou não tem a ver com a região mas com o carácter?