Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Esta informação eu tinha de partilhar

De acordo com um estudo (mais um, caramba!, agora é só estudos!), divulgado por cientista da univerrsidade de Exeter, no Reino Unido, "cheirar peidos ou gazes de flatulência humanos, pode ajudar a combater o cancro e prevenir outras doenças", tais como AVC... Acrescento que estes gazes são produzidos durante a digestão por algumas bactérias.
Bem, darlingues, agora náo vou reprimir aquele flato que chega ao canal, agora não vou sentir remorsos quando dou os meus ao chegar à cama (caramba, é mal me deito que a vontade chega), e mais, quando o mê senhor resmungar devido ao peido dado, vou dizer-lhe que é a pensar na saúde dele e para prevenir acidentes vasculares.
Vamilhá, amigos, toca a peidar sem dó nem piedade que só faz bem e convidem os amigos para cheirar. Que tal uma reunião, em vez de taparueres, de peidos, hã!
E aqui vai o primeiro pum...com licença, mas é para vosso bem...
Há cada uma! Mas já agora pergunto: querem dar um bom peido? Comam couves.
(Desculpem a palavra peido, se incomoda substituam por fó fó)

"Stolen from the womb", filme a não perder

Em português "Roubado do útero" um filme sobre a infertilidade e como este diagnóstico devasta um casamento e gera trasntornos mentais.
Uma mulher que não pode ter filhos depois do trauma de perder o bebé aos oito meses e meio de gestação, além de sofrer quatro abortos, que  desesperada em não poder conceber e o desejo em ser mãe leva-a a engendrar um plano para roubar um recém-nascido. Para isso há que tornar-se amiga de uma grávida e agir como se estivesse de esperanças também. Um trilher de suspense a não perder na Fox life. Baseado em factos reais, assim mesmo como eu gosto...

Esta é uma boa novidade

O hospital Santa Maria optou pela interrupção da gravidez da menina de doze anos. Lembro que está gravida de cinco meses e o pai é o animal que se diz padrasto.
Louvo esta decisão. Contra a lei que não permite interromper uma gravidez tão avançada. Ganha o bom senso. Ganham as crianças.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Às vezes temos de mudar a forma como vemos as coisas

É uma questão de perspectiva. Acreditem, já me pus de cócoras, já me coloquei de cabeça para baixo, estiquei o corpo até não poder mais, rebolei, fechei os olhos deixei-me levar...e em verdade em boa verdade lhes digo, resultou. Eu vi de outra forma.
Metade das nossas frustrações não aconteceriam se vissemos de outro modo, com outra atitude. A mente humana precisa ser espevitada e, por vezes, ficamos presos a uma só maneira de ver porque nos interessa.
Mudar mentalidades é um exercício profícuo. Mas leva tempo, e é necessário paciência.

A estudar o Estudo do Meio

A Pulga, a Maiveilha tem ficha amanhã e, hoje, ficou na "azavó" (como diz o Gu-Gu),  por que está doente. Ora, a recomendação era: estudar. Atão, nós sentámo-nos de sofá, e a bem dizer, já tenho uma cova nele, a estudar. E foi o sol, pontos cardeais, lua, mais planetas, satélites, Terra e estrelas. Passou-se pelos seres vivos, ambiente; deu-se uma volta pelos solos, rochas e relevos.
Enfim, voltei a ser professora e a ter de puxar pelas gavetas da memória e colocar resposta nas perguntas feitas por ela.
E sabem que fez-me bem, pois pensava que vivia na Lua, afinal, sgundo o livro, ainda vivo na Terra, que a lua ilumina a noite e o sol aquece durante o dia; e que nasce sempre a Oriente que também é Nascente e Este e colocar-se no Poente, Oeste e Ocidente. Além de voltar a dizer de repelão os planetas do sistema solar, sendo emendada porque, e aqui deixo a parvoíce, Plutão já não é planeta. É que não dá jeito nenhum cantar os planetas sem dizer Plutão, caramba.

Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Nepturno e ....já fostes.

A falar é que nos entendemos

-Avô, se tiver pão de leite podes comprar um para mim? - pede o mê Gu-Gu, olhos vivos, à porta da padaria.
O avô, diz baixinho,  olhando para mim, assim a modos que a perguntar: "não sei se vai ter".
O gasguito que, está sempre atento, remata:
- Eu disse "se tiver"... Eu disse: "se tiver" repete silabando por via de dúvidas, com aquele dedo indicador, pronto a apontar para o céu, a modos que professor.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Mas, afinal, que treta é esta?

Atão não é que o ex-inspector da PJ vai dar uma quantidade de euros, assim a modos que quinhentos mil aos McCann (estes safados têm sorte, cum catano!), pelos danos causados com a publicação livro: "A verdade da mentira"?
Até que caem os dentes e o queixo, esse, nem segura no sítio...
Caramba, ainda vão ter a maçada de cambiar por libras esterlinas, não há o direito. Já deviam entregar em libras.

Diz que hoje é o Dia do Sorriso

Pois, entendo, se há dias para todos os temas porque não o do Sorriso?
Embora eu seja antiga e por vezes retrógrada já me aborrece estes dias assinalados. Para que servem? Há algum fundamento para se escolher este dia?
Mas, pronto, não quero ser desmancha-prazeres e já que é para sorrir que se sorria mesmo que por dentro apeteça chorar.
E, em boa verdade vos digo, já fui mais sorridente do que sou hoje em dia. A vida, aos poucos, encarregou- se de roubar o que de melhor eu tinha. O meu sorriso aberto, franco, genuíno.
Mas hoje vou sorrir, amanhã não sei. Recebam, então, o meu sorriso.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Que rica mãe! Ainda melhor que a outra!

Mãe levava a filha de treze anos para ser abusada por homem de cinquenta e oito.
Como mãe que sou não tenho palavras para esta atitude. Como cidadã pergunto: em que país vivemos nós?
E mais, a menina está grávida. Mas esta mãe não é pior que a outra?

Menina de doze anos grávida do padrasto

É um acto animalesco. É um crime perpetrado por um homem que sendo companheiro da mãe devia cuidar e respeitar os filhos da companheira.
A propósito, onde estava ela? Onde está o dever de cuidar da filha pois se nem viu a barriga crescer? Doze anos é idade de brincar com bonecas e não assumir a maternidade.
Eu pergunto: esta mãe não se apercebeu que a sua filha estava envolvida com o padrasto nem olhou o seu corpo, nem lhe perguntou se o período lhe tardava? Que falta de comunicação. Foi a escola que reparou.
E que animal é este que viola e engravida uma menina. E para piorar como tem cinco meses de gestação não é permitido o aborto. A lei não distingue mulher de criança. A quem vão entregar a criança? À avó? Por Deus, não façam isso.
Acrescento que esta menina já tinha sido retirada à mãe quando tinha três anos,  voltou a ser restituída. Para isto!

domingo, 26 de abril de 2015

Às vezes sinto-me...

...tremendamente insatisfeita. Com tudo. Sinto que falta qualquer coisa na minha vida e é uma busca constante para a encontrar. Tenho dias assim em que tento equilibrar, em que tenho de voltar a procurar...

sábado, 25 de abril de 2015

Teratoma? Saibam o que é

Juro, até o dia de hoje nunca tinha ouvido este nome. Teratoma é um cisto com restos fetais, mais precisamemnte um irmão gémeo.
Uma estudante indiana foi ao médico depois de não conseguir aguentar as dores de cabeça, e estar com dificuldades em ler e falar. Na cirurgia ao cérebro, que julgavam ser um fumor, deparam-se com um teratoma dentro do seu crâneo com osso cabelo e dentes ( este da imagem, que nojo) do que seria o embrião do seu irmão gémeo.
Se quiserem ler entrem aqui.
Bizarro, não é?

sexta-feira, 24 de abril de 2015

E há aquele tipo de pessoa...

...que quando conta uma história a outra, desenvolve com todos os pormenores, explicando cada passo, assim a modos que o interlocutor é estúpido, e pergunta se percebeu, e se dizemos que não, mesmo a brincar, retoma a história desde o início pormenorizando, enervaticamente, mas, quando é a vez do outro contar a sua história, tem de se despachar, é que, o outro já olha para todo o sítio, distraído, e faz que ouve e não ouve. Há que ter pachorra e assobiar para o lado.

Agora é a valer

Parece que a partir de hoje é expressamente proibido fumar em todos os recintos públicos fechados (segundo o que li). Bem, acho que vou ao tal café, tipo espelunca, com cerca de nove metros quadrados, onde é permitido fumar, e, alertar a tal madame que agora é só na esplanada.
Parece que a reza e a corrente de oração dos não fumadores, surtiu efeito.
Graças a Deus e a todos os santos que ilmuniram a cabeça dos legisladores. E deu a razão aos não fumadores.
Estou de pé a bater palmas...

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Madeira, a sexta melhor ilha do mundo

E se vos pedisse para enfiarem-me um feijão no sítio não cabe. Estou a modos que feliz por viver e ser deste belo pedaço de céu.
Madeira, minha ilha, meu farol, meu porto de abrigo. Serás sempre minha.

O bom filho a casa torna...

...eu como boa filha que sou voltei ao café onde, aquintrodia, levei nas fuças baforadas de fumo de uma madame (lembram-se de contar?), para falar com a dona àcerca da permissão de fumar num café minúsculo (só tem quatro mesas dentro, na esplanada tem, talvez, umas cinco). Ela lá disse que tinha a permissaão (não vi, nem sei se deve estar ao alcance dos frequentadores), acredito que sim, quem no estado actual prmite-se levar com multas?
Falei-lhe de ter uma esplanada, e do tempo, por cá, ser convidadivo a estar debaixo do guarda-sol, e etecetera e tal...
No fim culpa as pessoas. Que deviam fumar na rua, que deviam ter em atenção quem está a almoçar e a levar com o fumo, que ... blá blá blá...
Eu até concordo com ela. Sim, tem permissão, é claro e à vista de isso pode-se fumar no espaço interior, e se alguém puxa de um cigarro (e a outra puxava cigarro atrás de cigarro), ela não pode proibir. E pergunto: quem vistoriou e autorizou era fumador com certeza, ou tinha os olhos fechados.
Pelo caminho pensava o quanto as pessoas são egoistas e só olham para baixo, para a zona do umbigo. A tal madame que muito bem podia estar na rua junto com outros fumadores, optou por estar no interior. Quer dizer, quem não fuma, como eu, senta-se na esplanada, leva com fumo de outros, opta por entrar e a saga continua. Leva à mesma com fumo.
Fumar em recintos fechados devia ser proibido e os prevaricadores sujeitos a elevadas coimas.

Há quem seja mais vaidosa que eu?

Pois que há. Deixá-las ser. Eu sou mais lenços. Com um simples lencinho à roda do pecoço sinto-me bem. Isso e colares. Mas tudo gira à volta do pecoço, será que só sinto vaidade no pescoço? Que seja.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Depois de velho é que deu-lhe para isto

Hoje arrependi-me tanto, mas tanto de te ter. Adorei-te logo que te vi, amei-te ao primeiro toque. Eras aquele que sempre sonhei. Bonito, esbelto, suave ao toque. Hoje arrependo-me. Tornaste-te rude, e não me deixas ser aquela que gosto de ser. Gosto de andar, tu não gostas, gosto de novas experiências tu não. Decididamente, não fomos feitos um para o outro. Ai sim, o outro. Pois, perguntas-me pelo outro. O outro é igual a ti. Aperta-me os calos, também, não me permite andar à solta, correr...
E hoje tive a certeza absoluta, e agora digo que vais sair àquela porta, quero ver-te porta fora, detesto-te naquilo em que te tornaste. Hoje saí com os dois, a ver se eram diferentes. Para comparar. Mas não. Foram feita à semelhança. Levei um em cada pé. E arrependi-me solenemente.
Malditos sapatos velhos que me apertaram os pés toda a tarde.

Chamem-me cuscuvilheira que eu não me amofino!

Mas se há coisas que gosto é de ouvir a voz do povo. Principalmente, se esse povo é masculino, está sentado com outros seus iguais e é cagão. Sim, ao meu lado tenho uma espécie de homem que é uma espécie de gabarola. Também é físico, está na faculdade, solteiro, está cá, na região, de férias, veio resolver uns problemas de herança. E fala à política, assim a modos que do continente. Ah, e tem um barrete de orelhas na cabeça. Preciso de dizer que está um sol que derrete banhas? Adoro cagarolas! E as mulheres é que são bilhardeiras, é?

terça-feira, 21 de abril de 2015

Nunca serei uma fashionista de renome!

Hoje em dia qualquer pessoa pode ser designer de moda e, por consequência, uma fashionista. Eu resumo-me à minha triste maneira de vestir, sempre conservadora, (também, que mais posso vestir com o ordenado de uma pensionista?) mas, certamente, nunca me verão com roupas desenhadas por mim. Em boa verdade vos digo nunca chegarei a alcançar os píncaros da moda. Com uma certeza porém, com trapos, sim, digo trapos enrolados no corpo (e dizem que é moda?, moda é isto?), como os desenhdos por portuguesas que dondocas-donas-de-casa-casadas-com-milionários que, para passar o tempo livre desenham para as portuguesas. Quem acesso à carteira do dinheiro do marido pode muito bem ser estilista.
A carteira do mê senhor está seca como a minha.

Como é possível?

Sabem do caso do caso da directora do lar acusada de maus-tratos e abuso a menores, sabem? O que não sabem, e ficam já a saber, é que essa pessoa tem processo aberto desde há cinco anos, devido à primeira denúncia.
Mas o que vai mal em Portugal? Será o facto de a justiça tardar e deixar-se uma mulher já referenciada continuar num lar cheio de menores, deixando as crianças, indefesas, nas mãos de uma sociopata? De quem é a culpa? Dela? Não acho. A culpa é se quem a deixou continuar no mesmo espaço...
E ela na boa, até ontem...

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Em dois dias mil pessoas. Até quando?

Que miséria de vida devem na sua terra de origem para se meterem setecentas pessoas numa barca e fugirem. Depois, atravessam o Mediterrâneo e jazem. No dia seguinte, mais trezentas metem-se, acotovelando-se na barca, e seguem o mesmo fim. Famílias inteiras enterradas no mar! A fugirem da morte certa na busca de uma vida melhor e encontram a morte - essa que os persegue desde a saída da terra natal - quase a chegar a terra. Predestinação? Eu acredito que se nasce com destino marcado. Certamente que fugir não compensa. Atente-se nestas pessoas. Lampedusa, terra de sonho., porta de entrada na Europa...

Só mesmo para ter a certeza

Cunquentão, agora quem amamenta tem de esguichar para a cara do médico umas gotas de leite materno, quentinho, para justificar a redução de horário laboral?
Há cada uma e, mesmo sabendo que havia reduções fraudulentas acho que é, deveras, desagradável colocar a mama de fora do soutien e espremer para sair leite, isto na presença de um estranho.  Era esguichar assim a modos que pacote de leite na cara de quem teve esta ideia. Isto é como tirar o leite à vaca. Mas sem o balde por baixo.

Vá toca a alegrar...

...que a semana ainda agora começou. Para que é essa cara de mal-disposta, hã? E essa falta de alento? O fim de semana não bastou para carregar ou recarregar (dependendo se usam e deitam fora ou se, poipadinhas como são, carregam as mesmas) pilhas? Queredo, chega-se aqui, ao mundo, e dá-se logo com caras sérias, desalentadas.
Vá lá, façam como eu: sentada de perna esticada, agora com a mão esquerda mandem os problemas para trás do ombro direito, como se tivessem uma galinha poisada e estivessem a enxotá-la. Vá, toca a enxotar essas galinhas, perdão, energias negativas, xu xu xu xu... Melhores? Claro que sim, afinal eu nasci para indicar o melhor tratamento para afugentar as maleitas do dia.

domingo, 19 de abril de 2015

Nada melhor do que...

...passar a tarde de sábado olhando o sol a pôr-se a ocidente, na companhia de excelentes pessoas, bebendo bom vinho, comendo uns chicharros fritos, gaiado, para começar, depois uma bela duma picanha, com arroz de feijão...e mais não digo canão começo a salivar e a desejar voltar atrás e comer o que deixei.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Há 35 anos atrás era eu uma mocinha com vinte e quatro anos...

...quando pelas treze horas e dez minutos do dia dezassete de Abril tornei-me mãe.
Ah, vai ter o cabelo da mãe e os olhos do pai, diziam (porque o mê senhor tem uma cor de olhos invulgar e, bonitos, eu tinha cabelo louro).
Enganou a todos a peste da piquena. Nasceu com cabelo negro, como o pai e olhos castanhos como a mãe.
Hoje, celebra as suas trinta e cinco primaveras. A minha filha, a mãe das Minhas Pulgas.
Parabéns e nunca deixes de sorrir mesmo que a vida te atraiçoe.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Baseado numa história verídica

Era uma vez um casal com duas filhas lindas de morrer que no dia dezasseis de Abril de 2009, há seis anos atrás, na véspera de fazer 28 anos, enquanto a mãe das lindas meninas comia um iogurte encostada ao balcão da cozinha, o marido repara na sua linda barriga redonda, empinada que fazia lembrar a última gravidez, a da sua menina que completara um ano a 10 de Março. Pensando que ainda estava gorda devido à gravidez e porque a Páscoa tinha sido na semana anterior, era, ainda, umas gorduras acumuladas...sim, era isso, ainda estava gorda...
Porque gravidez não podia ser, não, pois que, amamentava a menina e, como fértil que era, prevenira-se com a pílula que a médica lhe havia recomendado.
Mesmo assim, uma dúvida assolava-lhe o espírito. Dirigiu-se à farmácia mais próxima, adquiriu um teste e correndo para casa mte-se na casa de banho a fim de dissipar as dúvidas que pairavam no seu espírito. Não, não pode ser, estou bem prevenida. Engano dele. Não acreditando no que via, vai à medica que recomenda uma eco.
Tem duas meninas, não é? Sim, responde a rapariga. Mas porque pergunta?
É que o rapaz nasce em Setembro.
O quê? Mas...?! Rapaz? Setembro? Estamos em Abril?! Grávida, eu? E a amamentação... A pílula... Não sabia....
Sim, o rapaz já tem dezoito semanas...Dezoito semanas? Como?! Eu nem estou preparada...
E, a dez de Setembro desse ano, no dia em que a Baixinha fez dezoito meses nasce o mê Gu-Gu.

Sinto como que...

...estivesse a transportar o mundo aos ombros, tal é o peso que sinto no coração. E em todo o corpo. Estou a precisar de massagens, a começar pelo pescoço acabando na sola dos pés. Alguém disponível? Dou casa, comerinho, roupa lavada na cama, passeios pela ilha, não pelas levadas, e só têm de pagar as viagens de ida e volta.
Vá dedinhos no ar para a contagem... Um...vejo dois...três ali ao canto...mais um vindo de oriente...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Ora bolas mas que careza!

Hoje fui tomar um cafézinho, ementes esperava pelas minhas Pulgas, a um centro comercial cá na cidade. Peço uma bica cheia e, quando pergunto quanto é, até me ia dando um colapso. "Setenta cêntimos", diz a empregada. Eu, pensando ter ouvido mal, digo: "desculpe, quanto disse que era?", ela repete: setenta cêntimos.
Afinal ouvi bem. Pensei que teria de aumentar o volume dos aparelhos auditivos.
Setenta cêntimos? Mas onde já se viu tal preço por uma nica de café?
Como o açucar era tirado da cesta que estava em cima do balcão, e, como a vida por si só já é amarga como fel e, como eu preciso de açucar para deitar nos bolos de mel que vendo numa barraca por altura das Festas de São Vicente (mentira generosa, não acreditem, às vezes dá-me pra isto), trouxe cinco pacotes. Sim, amigos, eu bebo café sem açucar e como pago o mesmo que com açucar geralmente trago, na carteira, o pacote a que tenho direito, mas desta feita servi-me à discrição. E não medigam que não devia!
Setenta cêntimos nem com pepitas de ouro...

Mas esta gente não se dá conta?

Estes turistas pensam que a Madeira não tem perigos? Pensam que as levadas são auto-estradas?
Amigos, as levadas são lindas, mas o espaço para andar é mais coisa menos coisa de uns cinquenta centímetros de expessura. Aventuram-se, por vezes, sozinhos por essas levadas, escorregadias, e eles com reflexos reduzidos devido à idade que não lamenta o sucedido.
Com oitenta anos não seria melhor andar só pelo alcatrão? Olhem que não é o primeiro a cair por essas ribanças abaixo. Alguns safam-se outros nem tanto. Velhos teimosos que se acham na flor da idade e não olham aos riscos, caramba!

E daqui para a frente é olhar...

Sabiam que a cor da urina pode indicar se tem cancro? Segundo um estudo e, abro parêntesis para dizer que hoje em dia só se fazem estrudos, demasiados até, fecha parêntesis, é possível detectar esta maldita, se tiver atenção e olhar para quando urina e, claro, identificar a cor. Depois vai a este sítio e tira as dúvidas.
Olhem, e agora um aparte deste assunto, fiquei assustada porque tenho este terrível hábito de olhar para os produtos que faço e a minha urina estava roxa. Pus logo a mão na boca para reprimir um grito e, com a outra puxava, insistentemente, pela saia de Moi-Même, para que olhasse o buraco e só acalmei quando ela, Moi-Même - a empregada que me acompanha sempre nestes obras, me disse:
- já tavas a hiperventilar, não? Não te lembras que comeste paletes de beterraba, não?
Só ela para me acalmar!
E só eu para vos indicar o caminho da luz...

terça-feira, 14 de abril de 2015

Proibido beber, o quê? Água, só se fôr!

Deixem-me rir. Acham mesmo que vai resultar a proibição de vender bebidas alcoólicas a menores de dezoito anos?
E o que é que vão beber os adolescentes quando saem à noite? É que água não dá pica...
E que dizem os pais que autorizam que os seus rebentos saiam à noite sabendo que vão beber até cair, e que lhes financiam as saídas e, segundo o que sei, cada bebida custa mais que dois euros. E, uma não dá bebedeira. Beber é uma forma de estar em sociedade, de ser admitido no grupo.
Mas, situem-me no tempo e no espaçco...Já não era proibido? É que vê-se nas tascas este cartaz
 

Quem é amiga quem é?

Respondam em uníssono: tu, AvoGi.
Sabem que dormir com uma cebola cortada às rodelas nos pés é saudável e só faz bem ao corpinho? O problema é o cheiro, mas para isso calça-se as meias. Sabiam que a cebola purifica o ar? Eu duvido, que com aquele cheiro há-de cá purificar, mas isto sou eu que não percebo nada de purificadores. mas isso que importa se é para nosso bem?
Sabiam que as plantas dos pés é a porta de entrada no corpo? Ai não? Ai sim, a medicina chinesa chama de meridianos e eles - os meridianos - estáo ligados ao sistema nervoso. E todos nós temos sistema nervoso, correcto? Correcto. É por isso que dizemos que "estamos nervosas", "tenho um nervoso miudinho", e quando estamos com cara de enterro dizem : :" ah, não ligues isso é nervos".
Ora, uma maneira excelente de estimular esse meridianos é colocar cebola cortada às rodelas (pode ser alho se não houver cebola), e durmam com essas rodelinhas na sola dos pés. Faz cócegas? Cá nada! Ah, e nunca em tempo algum reciclem na cozinha essas rodelas, nem tentem fazer espada de cebolada, entendido?
Bem, com licença vou ali já cortar uma cebola às rodelas para à noite colocar nos pés. E mê senhor que se livre de dizer que cheiro a cebola, é que, desta vez, tem motivo.

A vida é feita de escolhas

Muitas vezes, nesta pequena passagem pela Terra, sentimo-nos como a sair de um buraco e entrar noutro, sem reparar na perspectiva que nos aparece à saída de cada um. Pode parecer que não tem fim, cabe a nós escolher, procurar a saída ou continuar metida nele. A vida é feita de escolhas. É uma escolha contante, é um cair/ficar ou cair/levantar.

Fotografia: Furados que ligam a Madalena do Mar à Ponta de Sol.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A começar pelo tempo e a acabar nas mentalidades distorcidas...

...anda tudo louco.
É o tempo, é a vida, é a sociedade, é o civismo, e aqui até me coço na verruga que tenho na cachada ao lado da hemorróida, é o IRS, é a conta da água, da luz, do gaz, é a chuva que não dá tréguas, é a violência contra os indefesos...
Mas, também, são as mentes assassinas, são os ódios, os desamores e, acima de tudo a crise. A de de Valores. Aqueles que fundamentam a sociedade.

Sinceramente quero que sinceramente...

...com toda a sinceridade me digam: por aí onde cada um de vocês se encontram também chove desmesuradamente? E também, como eu, já têm luzes acesas às duas da tarde? Vocês, digam lá, sinceramente, não apetece mandar o tempo para aquele lugar, aquele que não digo, mas está encravado na ponta da língua como um pico?
E se fizessemos assim um abaixo-assinado para sanear quem manda? E se...eu me calasse e fosse apagar a luz que deixei acesa no quarto onde não está ninguém, em vez de estar aqui a mandar papaias?

domingo, 12 de abril de 2015

O que leva uma pessoa a matar outra?

Ou neste caso: o que leva uma mãe a matar os filhos?
Uma mulher mata à facada três dos seus quatro filhos, em França. O marido também ficou ferido, mas está livre de perigo.
Sinceramente, não entendo o que impulsiona uma mãe a pegar numa faca e disferir golpes como se o corpo dos filhos fosse uma almofada de penas. Será o quê Raiva? Recusa em aceitar um não? Achar que pode fazer aos filhos o que bem quer porque "quem dá o comer dá o ensino", ou como se diz por aqui "fui eu que os fiz", e por isso pode dar e tirar a vida?
Mentes assassinas! Não há perdão para estas atitudes, mas há a forca. Porque o pelotão de fuzilamento é pouco. Ou morte às postas...

Esta não lembra ao diabo

Quando eu penso que já tinha visto de tudo sou surpreendida com esta...

Alguém sabe e se sabe diga...

...o significado de sonhos?
Sonhei com gatos, muitos mesmo. Dentro de casa, a saltar por cima de mim, a tentar entrar em casa por estarem famintos. Alguns mortos, e como abomino ver...não é bem... é mais medo de animais mortos, excepto se estiverem temperados e prontos a comer, refiro-me a galinhas, vacas, porcos, atão passei a noite a fugir deles, dos mortos. Conseguem imaginar o tormento que foi a minha noite? Não? Imaginam o desassossego, a aflição de querer fugir e não poder, por estar na cama, claro.
O que quererá dizer? Algo bom? Se não for bom presságio, evitem de me dizer. Abanem só a cabecinha...

sábado, 11 de abril de 2015

Tem alguém...

...por aqui? Parece que não.
Isto ao sábado é calmo, anda toda a gente na lida da casa ou a aproveitar estes raios de sol no início da primavera, ou foram todos para a massagem de argila e areia e tratamentos de pedras quentes; ou, então, tenho de admitir e dar a razão a quem diz que muito tráfego durante a semana é feito na hora de expediente. Concordam?

Tratamento de beleza e massagem de borla

Para quem tem calcanhares esfolados, para quem precise de massagem com pedras quentes, numa forma de aliviar a tensão, combater a hiperactividade além do enorme prazer e sensação de bem-estar, aliando a massagem ao tratamento estético, esfoleando o corpo com areia e argila nada melhor que usar o que a mãe natureza nos oferece sem pagar nada.
Praia de areia preta e cascalho um esfoleante natural ao alcance de qualquer pessoa.

Fotografia: Praia Formosa, Funchal

sexta-feira, 10 de abril de 2015

E eu não disse que tinha saudades de um bom filme?

Ontem vi. De piratas da nova era. Informáticos. Peço desculpa aos que trabalham nesta área, tenho respeito por eles, e preciso deles, mas detesto filmes onde o tema seja "piratas", nem o das Caraíbas escapa à selecção, embora eu adore o Joninho Depp.
Enfim, nformática, redes, sistemas, internet...não gosto desta temática. Não entendo quando, no filme, falam com linguagem técnica, fico a ver navios a passar ao largo da costa.
E, sinceramente, não entendo. Ontem era transacções de dinheiro entre contas e a forma como se pode entrar numa conta e transferir. Digo que não percebi nada. Queria eu saber e dava o golpe do baú...

Não sou a Madre Teresa, mas...

Todos os dias há telefonemas para a judar crianças com cancro, leucemia, pedido de dinheiro para cadeira de rodas, aparelhos para a locomoção, próteses...
Ontem, novamente, para uma menina Beatriz de seu nome a precisar de ir à Alemanha...
Não a deixei acabar o pedido disse-lhe logo que não ajudo. Ai não ajuda? E o tom de voz aumentou, o que antes era amável tornou-se agressivo. Perguntei-lhe se era um pedido ou uma obrigação, uma vez que só faltou entrar com as unhas no poeta-moedas e tirar o dinheiro.
Ai se fosse com a sua famíia gostava de ter ajuda, não? Expliquei-lhe que ajudo quando e neste momento não é uma boa altura devido...
Mal-educada, desligou-me o telefone na cara. Estúpida. Certamente era alguma falcatrua para angariar dinheiro sem ser para ajudar uma criança doente. E fico sempre com uma dúvida no próximo pedido de ajuda.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Saudades de ver um bom filme

Ultimamente os filmes que vejo são os da Foxlife e mete sempre armas, roubos, mortes, vinganças, tribunal, advogados...
Saudades de um bom filme romântico! Daqueles que nos fazem sonhar com um mundo sem as características que escrevi no primeiro parágrafo, mas a vida real também é um filme da Foxlife.

Como é possível?

Com que cabeça vive daqui para a frente quando cair na realidade, um pai que mata à facada um bébé de seis meses? Com que sentimentos vive um homem que esfaqueia um filho, sai de casa bebe um Porto na tasca da esquina, e telefona à mulher a confssar o crime?
Nunca, nunca mais este homem será o mesmo. E na prisão prepare-se que castigo maior é conviver com presos que odeiam crimes contra crianças. E nem falo dos motivos que o levaram a tão trágico desfecho, só lamento não ter sido evitado.

Se há coisas que me irritam!...

Sentada estava na esplanada numa tarde quente de sol quando pelas narinas entra fumo de tabaco. Procuro e encontro os que, na rua puxavam pelo cigarro e faziam bolas de fumo enquanto o vento fazia o favor de me introduzir no nariz.
Levanto-me e vou para o interior do café que embora pequeno tinha a televisão aos berros, moscas, a gerente a falar ao telemóvel, outra sentada fazendo a contabilidade. Olho em redor, mais ninguém. Sento-me num canto mais sossegado. De repente entra uma madame toda arrebitada, senbta-se à minha frente, de costas para mim, pega mo telemóvel e desata a ...desculpem, a palavra a berrar com a pessoa do outro lado, quiçá, por a televisãfo estar alta. Conversa, berros, gesticulação de mãos e braços a explicar: para aqui e para ali, acolá e mais tarde, anda, vamos ali...quando puxa de um cigarro.
Ah, que maravilha, pensei eu, com uma esplanada tão grande e vem fumar neste cubículo. Era cada puxada de dentro para fora e, escusado será dizer que o bendito do fumo expelido pela boa vermelha vinha ter directamente às minhas ventas.
Poça, que azar do catano, disse entre dentes. E não houve remédio senáo levantar-me e passar para a mesa anterior à dela a fim de não levar com o fumo. Mas do cheiro não me livrei.
Atão, não devia ser proibido fumar em todos os espaços fechados?

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Náo importa sol ou sombra...

Porque tudo o mais são tretas.

Uma Pulga a fazer os trabalhos de casa no parque infantil. Há imagem mais bonita que esta?

A minha vida é isto

Um despe e veste sem parar.
De manhã despe o pijama e veste a roupa de trabalho, daí a pouco despe esta e veste a roupa de sair. Chega, despe a roupa de sair veste de andar por casa. Despe a de andar por casa e veste a de sair. Daí a pouco chega a casa despe e veste a de casa. Descansa. Trabalha. Descansa. Despe e veste. Sai de casa, chega a casa despe e veste.
E o dia corre...
À noite despe a roupa de andar em casa veste a de ginástica. Chega a casa despe esta põe para lavar e toma banho. Saboreia cada gota de água. Coloca a toalha em volta do corpo, tira e veste o pijama e o robe...por fim tira o robe deita-se porque amanhã é um novo dia...e uma nova rotina.

Não entendo

Digam, se faz favor e se souberem, para ir a Villamoura é necessaário passaporte e visto de entrada, mais as vacinas? Agora é dos americanos, segundo li.
Estamos a ver vendidos aos talhões, daqui a dias só nos resta o nome.

terça-feira, 7 de abril de 2015

E de quem é a culpa?

Um pai e sete filhos morreram num estado da América devido a uma intoxicação por monóxido de carbono. A casa não tinha electricidade devido à falta de pagamento e um gerador foi encontrado já sem combustível na cozinha.
Sei que aqui, no meu rural, não se corta a luz quando há menores em casa.

A quem atribuir a culpa? Ao pai, quiçá, para que as crianças não morressem de frio usou um gerador? À companhia de electricidade que indirectamente causou esta desgraça? Ao estado? Enfim...

Neste mundo dos blogues ..

...há que ter cuidado com o que se diz, se escreve, se comenta, com aquilo que se pensa e não verbaliza nem escreve e pior, com o que não se pensa porque, afinal lêem-se pensamentos que não temos, e, embora não se pense dizem que se pensa, só não escreveu.
Complicado, este mundo cachorro! O melhor é mesmo não ligar e olhar as estrelas do jardim...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Este sim, um Omem com O grande

Não acham? É que nem sei o que dizer depois de ler esta notícia.

Isto não é brincadeira...

...e espero que acreditem no que digo. Aqui, no meu rural chove que mais parece o Dilúvio Final.
Oh, Pedrocas (tem de ser assim canão ele irrita-se e faz pior), tu vê lá, podias pelo menos mandar um pombo-correio, um mensageiro a cavalo, ou até fazer sinais de fumo, um sms, caramba, não evoluiste nada desde a última vez, a dizer que ias deitar baldes de água, "cassim eu já poipava indá pouque" quando reguei as alfaces.

Oh, mulher, diz-me tu...

...não tens um utensílio próprio de jardinagem, aquele de fazer buracos na terra para plantar, um sacho, uma enxada ou até uma faca, um palito, nem que seja? Não tens mulher do demo?
Tenho e muitos, respondo. Mas não há nada melhor que meter o dedo indicador, esquerdo, já que sou canhota, e enterrá-lo bem fundo para fazer o tal buraquinho para enfiar um galho de uma planta, roubado num jardim público. Prazer tal! Nada melhor que ter a unha cheia de terra!
Manias, pronto. Atão nan te ponhas a olhar para ela admirada por estar encrustada com um leve sombreado castanho.

domingo, 5 de abril de 2015

E, pronto, era só isto que queria perguntar...

...se o Domingo de Páscoa já acabou. É que hoje comi que nem um padre! Foi assim como se eu fosse o Divino Espírito Santo...
E foi peru, entrecosto, lombo, massa recheada; pão também recheado, mais empadão de espinafres, sem esquecer as verduras salteadas, a salada verde e a couve ripada com cenoura...
E as sobremesas nem digo nada. É melhor não.
Ai, mê Dês porque me fizeste gulosa em vez de bela? Porque não tenho eu um metabolismo rápido que com um estalo de dedos estaria tudo triturado e pronto a seguir viagem? E porque é que ainda me sinto farta e cheia?

sábado, 4 de abril de 2015

As Minhas Pulgas...

....desejam uma Santa Páscoa a todos aqueles que por aqui passam para ler as suas peripécias, venturas e desventuras. A todos um Domingo de Páscoa feliz assim como se quer assim como se deseja assim como merecemos. Sejam desmesuradamente felizes.

Fotografia: Praia dos Namorados, Funchal

sexta-feira, 3 de abril de 2015

É hábito baterem palmas...

...quando alguém vai a enterrar?
Nós por cá, no meu rural, não temos esse hábito. Não sei, mas acho estranho, emtendo que palmas é quando nos sentimos felizes e o enterro não é propriamente um recinto de felicidade.
Aplaudir num enterro, acho, deveras, como já disse: muito estranho. O silêncio é mais para estes momentos.
Bem sei que a morte não é sentida de igual forma por todas as religiões, daí que cada família enlutada vive à sua maneira o luto.
Mas, palmas, porquê?

Por aqui estamos em modo P

Páscoa. Paciência. Partilha. Paixão. Paz. Plenitude.
Pasmaceira Panachê e "Premoços"...

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Olha, ouvi dizer...

...que em Potugal Continental desde o Minho aos Algarves está um calorão do demo? Pois que aproveitem e mantenham-se por aí nesse bafo quente por que aqui, no meu rural, parece um dia de quase inverno. Quase, eu disse quase. Não chove mas também não está sol. Mas também não é preciso...

Facebook

"Aproxima os que estão longe, afasta os que estão perto."
Tão verdadeira! Quem nunca pecou que atire a primeira pedra, mas, por favor, aguarde um instante, só a demora de me afastar.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Pequeno mas grande

- Avó, posso mexer a panela da sopa? - pede-me o me Gu-Gu, o busico ruço, agora careca.
Claro que lhe nego o pedido, sou desnaturada mas nem tanto ao mar nem tanto à serra, justificando que, ainda é pequeno., referia-me aos seus cinco anos.
Responde-me logo, sem hesitar:
- Avó (e este óóó é infindável), mas eu ponho uma banca.
Pior a emenda...

Salta-me a brotoeja pelo corpo...

...Quando pergunto a alguém por um membro da sua família, doente há algum tempo, se se encontra melhor e a resposta que tenho é:
- Não leste o blogue? - Eu respondo que não. - Não vais ao meu facebook? - Com uma tal cara de espanto!
Ora shite (caquinha era feio aplicar aqui) atão já não se fala? Não se responde? Remete-se logo para a leitura do blogue e do facebook?

Remédio santo, nunca mais perguntei nada; se quiser saber, salto do blogue para o facebook e se não tiver nada lá escrito sobre a doença do familiar espero sentadinha de perna cruzada que há-de aparecer nem que seja a missa de corpo presente no cemitério! E se por qualquer motivo tardar a ir a estes sítios ainda chego a tempo da missa de sétimo dia. Ora que coisa esta!