Pulgas, Pulgas, Pulgas. Para qualquer lado que me vire encontro sempre uma. É à frente, é atrás, é em todo o lado, mas no colo é onde poisam. Perseguem-me. Fujo, escondo-me, mas encontram-me. São pequeninas e saltitam muito, dificilmente as agarro porque não param um minuto. Não há no mundo pulgas como estas, porque são: "As minhas Pulgas".

domingo, 31 de outubro de 2010

- Ai quem me dera que ninguém lesse este poste!

Ai se eu pudesse..
Se me deixassem ...
Se eu tivesse a coragem e a ousadia de poder dizer uns palavrões... (daqueles a começar no A e acabando no Z, só parando para respirar...)
Palavrões que só se diz em surdina...que saem pela boca fora quando batermos com a cabeça na esquina de  uma porta aberta...ou quando o dedo fica entalado...na gaveta.
Que desconhecemos até ao momento em que saem juntamente com as lágrimas...

Se eu fosse incógnita ou mesmo anónima...
Se não tivesse filhos e netos...
Se não me conhecessem...
Se eu pudesse ter o condão de  esconder as palavras ...
Se soubesse que ninguém lia este post ou como na missão impossível ele se desintegraria dentro de 5 segundos...
Se ainda assim eu tivesse perdido o juízo, deixavam que eu mandasse o tempo  para o rai qui ú parta?
E para todos os outros sítios que estou a pensar sem ter a distinta ousadia de escrever, deixavam?

Então se o tempo continuar assim, no próximo digo/escrevo os palavrões todos que conheço e aqueles que vou conhecer!
Por que vocês também dizem palavrões. Ou não?

O tal cafezito virou jantarito

Serra do Pilar, Gaia. Foto AVOGI
Na Sexta feira assim que chegámos ao Porto liguei para esta menina para aprontarmos o "tal cafezinho".
Nã senhora, minha menina, café só depois do jantar.- disse eu.
E fomos a um sitio escolhido pela Scarlet. Italiano. Boa escolha. Adorei.

Depois de nos atropelarmos na conversa, de falarmos de nós, dos outros (tínhamos de falar dos outros, não é ?) foi a vez da visita guiada pelas palavras dela, conduzida pelo "choufér" privativo das senhoras (o mê senhor) à cidade.
É que de uma coisa estou certa, eu conheço o Porto, mas não conheço a sua história.
Agora posso olhar os monumentos e me lembrar...da sua historia e de quem ma contou.

 E como foi pouco tempo para contarmos a nossa vida (e a dos outros) ficou marcado o encontro para Terça-feira. 

Fotografia: E foi assim que a vi, iluminada e bela. A igreja de Nossa Senhora do Pilar.

Serei a única a olhar o céu??

E quando as nuvens partirem...
O céu azul ficará!
E quando as trevas se abrirem...
Vais ver que o sol brilhará!

Pensam que eu sou um caso isolado?
Não, não sou a única a olhar para o céu! 

Fotografia: Calheta, Madeira

sábado, 30 de outubro de 2010

E não é que cá estou?

Alentejo.  Vila Nova de Santo André...
Coração Alentejano com o pulsar madeirense. Como é possível que sem nos conhecermos parecer que nos conhecemos desde...sempre?
Estou no Espaço do João (clicar). Uma brincadeira de crianças (o balamento), uma teimosia de adultos,  uma amizade que brota em cada palavra.
Muitas palavras, pois cada um quer falar, dizer tudo, contar tudo.
É como um atropelo.


Atropelo é também esta chuva mavada que não nos deixa gozar este alentejo.
Parece que tenho uma nuvem na cabeça, em vez do aro de anjo (sim, sou um anjo, só me faltam as asas)sempre pronta a deitar águas em cima de mim e de todos.


É  que parece que ultimamente  só se faz a dança da chuva...
Já experimentei: rezar, pedir, orar, chantagear, mandar e até ameaçar, mas de nada serviu. Ela continua de pedra e cal, teimosa, a cair... em cima de  mim!!
Alguém sabe como afugentar a chuva?


(AH, estou no PC do João enquanto ele e o mê senhor arranjam o limpador (de chuva) do nosso "Puntinho vermelho". É que "arrabantou" na A1, mas ó depois eu conto esta outra odisseia debaixo de água.). Mau-olhado, eu sei... Uora se sei...!!!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

É tudo da avó ou haverá algo que não seja?

Estávamos na porta da garagem da casa da familia Pulguedo. Íamos fazer a entrega das encomendas (Pulgas) ao domicílio.
Pulguinha (2 anos) pergunta ao avô porque não se pode entrar.
Responde a outra, a Pulga (4 anos):- O avô não vive aqui. Por isso não tem a chave.
A estas respostas o avó toda gaiteiro, cai na esparrela de perguntar...
- Então onde é que eu vivo?
- Oooora, tu vives na casa da avó.- isto dito com segurança de quem sabe do assunto, juntamente com um revirar de olhos!
                       
Ora toma para não fazeres perguntas parvas!!! Atão ainda não sabes que aqui nesta casa és hospede??
 Sim senhora, minha linda Pulga, como tu já sabes quem veste as calças!!
Aqui quem manda é a avó, a casa é da avó, a cama da avó...Avó, avó. É tudo da avó.

Bem, haverá algo que não seja da avó?
Respondo eu agora. Há sim... O dinheiro. Isso sei eu.

Ora ora, a rapariga sacudiu as asas bem cedo!

Antiga turma
 Frase lida ainda há pouco no facebook de uma antiga aluna.

 "Quando vou fazer alguma coisa errada, antes mesmo de a fazer já penso na história que vou contar caso seja descoberto(a)."

Ora esta peste que era tão reservada!!!
Saiu da casca, a pestezinha!

Tá bem, tá! Tá bem pensado!!
Teve uma óptima professora...digo eu... já que ninguém diz nada!...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Recuso-me a sair daqui p´apanha ruma barrigada de frio

Aqui no meu rural está sol, sol, sol. Vento, vento, vento. Quente, quente, quente.
Igreja do Pilar, Gaia. Foto AVOGI

Por favor, digam-me ou antes não me digam que o tempo "semenos" por aí nesse Portugal rectangular!!
Não, recuso-me a levar as botas d´água, o casaco de abafo, o robe, as meias de lã, as luvas e o barrete d´orelhas e o "regedor"!!
                                                            
Tá de chuva, por aí? Tem caído alguns "peneiros"? 
Detesto esse tempo do Porto. Aquele tempo "abatumado". 
E odeio quando começa aquela "arage" fria e os centros comerciais ligam logo os aquecedores. É  que ó despois  entro (pa dentro) e os óculos ficam embaciados!!!
                                                         
Eu já disse e não me canso de dizer... Detesto o frio, a chuva, o "navoeiro" e o "capacete".
Alô Alentejo, e por aí? 

Fotografia: Igreja de Nossa Senhora do Pilar,  fotografada pelo mê senhor a 13-10-2009

E é Quinta-Feira (amanhã) que..

...Vou avionar...
Não me enganei, nã senhor(a) é qu´eu nã vou de barco "canão" seria embarcar,como vou de avião...
 
Foz do rio Douro, no Porto. AVOGI
Tenho de pôr o meu Porto-guês  na ponta da língua. É que vou ver o meu bisalho e a Invicta cidade do Porto. Ah, e vou a Santiago do Cacém à casa deste homem (João, do Espaço do João) receber o prémio. É que: "quem se mete comigo amanhece mijado." Isto é: quem brinca comigo (ao Balamento) lixa-se.

Ou melhor e mai fino: Quem joga comigo, perde. É "qu´eu" nã gosto de perder nem quando jogo a semilhas.
                                                     
O João "tirou-me a terreiro" (desafiou-me) a jogar com ele. E perdeu por 6-0. Por fim, já se deu por vencido e deitou as culpas ao computador (risos). Ora como dizem os nossos irmãos de além-mar: ajoelhou tem que rezar e...eu acrescento...e pagar. E vai pagar caro.

Também vou tomar um cafezito já há muito prometido com esta menina (Scarlet Perry...)

Alguma palavras a fixar: à beira, carago, oub´lá, francesinha, rabelos, vinho do Porto...Norteshopping, Agatha Ruiz de La Prada... e outros... c´agora nã m´alembra.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

É pró menino e prá menina. Vamos fazer o ditado e a cópia

 Aqui vão as pimpinelas cá do meu rural. Sim, são estas sim, e o nome pomposo das ditas é chuchu, mas cá pra mim chuchu é nome feio ou até carinhoso: "ai meu chuchu!!". "Olha o meu chuchu!! Credo não consigo chamar alguém de chuchu.
É como se dissesse: "anda cá, minha pimpinela". Ou ainda: "Ai minha(meu) linda(o) pimpinela(o)" Ou: "olha o meu pimpinela vai ali!!!
Pimpinelas
As pimpinelas também são chamadas de pinelas, pumpenelas ou ainda pepenelas.

Também quando vierem ao meu rural comam muita "vaginha". Vá, não é nome feio, nã senhora. Se forem ao mercado peçam "vaginha" que ninguém se ri, quer dizer, não se riem se pedirem "vaginha" mas se pedirem aquela palavra que neste momento estão a pensar ... aí sim, toda gente ri e com razão. "Atão" vão pedir vagina!? É que vagina aqui também é vagina. E essa vende-se mais p´ra baixo do Mercado, na Zona Velha da cidade ou na Rotunda.
Vaginha
 E moganga? Também pode ser mogango, bogango ou boganga.
Ai que rica sopa eu faço com moganga!! 
Olha, mas é a chila!!! É sim senhora e sim senhor, mas aqui chila é "chilha."  
É que nós madeirenses sempre que o L se encontra depois do I dobramos a língua, ( bem, mas já estou na lição de português) e dizemos LH.
Moganga ou boganga

Já sabia que iam fazer esse ar de admiração e pensar:Mas esta hoje deu-lhe para isto?
É verdade, hoje saiu uma aula de botânica. 
                                
"E antes qu´eu m´asqueça"...
Vamos lá a recapitular e escrever 5 vezes cada palavras que eu não vou repetir mai vezes ...
Chuchu é... pimpinela.
Feijão verde é...vaginha.
Chila é... moganga.

Vêem como sei dizer os nomes finos? 
Mas eu sou defensora ferrenha dos meus regionalismos. Vai daí, "apranto"-os sempre que posso, nos meus escritos.

Porque alguém no artigo anterior (no da janela) não sabia o que era pimpinela.

Olha, ouvi dizer...


   ...Que é moda usar botas d´água?
                                          
Não para cavar a terra. Para estar na crista da moda.
                                
Vou já preparar as que costumo usar no poio das alfaces e sair com elas à rua. 
É que não vou despender dinheiro numas novas, se tenho umas....usadas e cinzentas. E daí?
É qu´estas  d´agora são caras (vi a 35 euros, poça!!) e as minhas foram baratinhas, compradas na venda do Sr. José - O Cambado.

"Aquintrodia" experimentei sair à rua com elas e parece que toda a gente olhava para mim...de lado. Fiquei desconfiada e até pensei que era inveja! Se é moda!
Mas por que seria que não tiravam os olhos das botas?

Aaaaaah, pois tá claro!!! Estão ainda cheias de terra!!
Vou "lavar elas, pintar elas" (de vermelho-Benfica, que são cinzentas!).
Eu cá, ainda sou do tempo em que se usava estas botas para ir cavar a terra e não para sair de casa.
Mas se é moda!!! 

Podem não acreditar...

 ... Mas que caia um tijolo de 50 quilos no joanete de quem a ler neste momento e não acredita  "naquilho" que vou dizer...

Ainda há pouco fui à janela e ....
- Armando...? Tem tomates?
 Ele riu-se, mostrando aqueles dois dentes!
- Nã sinhora. Mas tenho bananas e pimpinelas. Quer?
- Tá bem, traga. Mas quando tiver tomates...diga.

Caiu algum tijolo no pezinho do joanete? "Atão" foi verdade.
E a mim, que me caiam os dentes (postiços) ao chão, se tou a "mintir".
Ooooooooh!!!!! Dentes? Dentinhos? Aqui, já! Subam!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Fiquei rica e tonta de um momento para o outro

Ontem o mê senhor deu-lhe para as arrumações enquanto eu descansava as canelas aqui a falar com o meu blogue...(de um dia para o outro fiquei assim meia tonta da cabeça, a falar com ele e ele responde-me, o safado!

Há os que falam sozinhos, como a minha tia-velha ...outros que falam para as paredes...eu tenho esta panca...)...quando ele, o mê senhor, aprochega-se e mostra-me um envelope minúsculo.

já não se fazem destas notas, mas troca-se ainda
- Sabes o que encontrei? Conheces esta letra? - claro era a minha escrita.
Eu, curiosa como sou, queria lá saber da letra!!! Tava era desejosa de saber o que tinha dentro fosse de quem fosse a letra. Mas ele que é chato como um chato, só abanava o envelope à frente dos meus olhos.
Até que...

Zumba. Tirei-lhe da mão. 
Ora bolas, eu morta por saber o que lá continha e ele a brincar comigo!! 
E lá dentro...três notas bem dobradinhas de... 5000 escudos.
15 contos!!

Mas o problema (que é de cabeça) é que não me lembro como foram lá parar...E desde quando...

Não há coisa mai boa...

...Que os tomates do meu vizinho - o Armando!
                                             
Sumarentos, doces, biológicos e acima de tudo grandes e vermelhos.
E ele sabe disso, por que não pára de vir vendê-los à minha porta.
Senhó prossoura, quer tomates? - pergunta ele a sorrir com aquela boca desdentada. Desdentada não. Por que ele tem  um canino superior à direita e um inferior à esquerda!
- Sim Armando. Dos grados.- Recomendo.
E lá vai ele ladeira abaixo buscar uma caixa cheia deles!!

E isto para não falar da banana..
Grande, esguia, ligeiramente curva, amarela e doce.

domingo, 24 de outubro de 2010

Come c´ o teu mal é fome!

No café estavam ao meu lado mãe, filha e amiga.
Em cima da mesa duas chávenas de garoto e um pacote de kinder Chocolate.
A criança com os seus 5 anos comia e lambuzava as mãos, a boca, as bochechas . A mãe embrenhada na conversa com a amiga.
Digo eu ao meu senhor: queres ver que a catraia já comeu o pacote! 

A mãe de repente lembra-se que tem ali ao lado uma criança e chocolates.
- Não sei em que instante ela comeu oito!! - diz a mãe muito alarmada.
                                   
Nem eu! Mas como diz o outro: cada um é como cada qual...

E depois veio a multa (a da publicação anterior)

Tínhamos já sido parados pela GNR em Castelo Novo. Entre uma enxaqueca e outra, o soprar o balão  a ver se...o procurar o triângulo debaixo das malas, do garrafão de 5 litros de azeite caseiro, das azeitonas, do grão de bico, do feijão, do bacalhau, das garrafas de vinho e já quase a desmontar o porta-bagagens não é que o senhor guarda já cansado de esperar e olhando para quase tudo a ser colocado no chão, pergunta

Avó e Pulga em Castelo Novo, 20 Fevereiro, 2010. A caminho da multa.
-Olhe, se tiver um acidente como vai fazer?
- Como vou fazer? - pergunta o mê senhor.- Senhor Agente faço exactamente como estou a fazer agora: tiro as malas, o bacalhau, o vinho ......
- Bem... - interrompe, antes que o mê senhor enumere tudo - mas tem o triângulo? - pergunta o agente.
- Sim tenho, mas tenho de tirar isto porque está por baixo.
- Deixe estar. Venha então soprar o balão. 
Triângulo ou balão. Tanto faz, qualquer coisa serve! 

Daí a pouco, depois das 19 horas o tal excesso de velocidade...(o do artigo ali em baixo)
Zelo, brio profissional ou somente prazer.
Uns (agentes) pecam por defeito, outros por excesso e outros ainda...por diferença. No resto, quem se lixa somos. Mas tudo depende do agente, da sua filosofia e ética profissional.

sábado, 23 de outubro de 2010

Olha, ouvi dizer...

...(E foi o mê senhor quem mo disse)... que temos uma multa para pagar?
E veio de avião. E não se enganou na morada. Coisa fantástica.
                               
Burro em ATalaia
Férias em Fevereiro. Lisboa, Serra da Estrela para a Pulga para ver os avós paternos. Regresso à base no Porto.
Lá, na A25 ao quilómetro 95,3 velocidade máxima permitida por lei 80km/hora, mas nós tínhamos pressa de chegar ao Porto para ver o bisalho. Só íamos a 110 km/hora, mas o radar tirou a fotografia.

Ora a  multa veio ao fim de...deixa cá ver... Março, Abril, Maio, ..., ..., ..., ...,Outubro. Oito meses .
Mas chegou com vida e saúde, e com aviso de recepção não fossemos nós dizer que não recebemos nada e culpar os CTT!
E com prazo de pagamento de... (Oito meses? Isso queria eu e o mê senhor, mas não. Nã nã nã...)
3 dias o prazo!
Oito meses para mandar e três dias para pagar.

Mas o mais caricato da situação é que nós fomos na Easyjet com passagens baratuchas (a 12,99 cada uma) e paga-se a multa de....60 euros.
                     
Bem-feito para não andar à louca nas auto-estradas portuguesas. Nesse dia se calhar fomos os únicos...multados que a andar à louca foram muitos, muitos os que nos ultrapassaram!

Fim de semana, pois então!!

AVOGI no Porto Santo fotografada pela Pulga
Impossibilitada de agradecer pessoalmente a todas as pessoas que manifestaram a sua preocupação pelo que se passou quinta feira, dia 21 de Outubro no que se refere à tempestade, aqui envio o meu agradecimento pelo gesto de simpatia, amizade e amor por nós, Madeirenses em geral, e por mim e família em particular.

De certeza que estarão sempre naquele lugar mais quente e sossegado do meu coração.
OBRIGADA a todos pelas mensagens, comentários e por se lembrarem de mim assim que ouviram as notícias. Nem sei como agradecer. Gostaria  de poder convidá-los a todos para uma festarola aqui no meu rural, mas difícil será, por isso deixo aqui o meu beijo simpático e caloroso a todos.

Ao mesmo tempo desejo UM BOM FIM DE SEMANA cheio de serenidade.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Alho e cebola: uma combinação perfeita para beijar

Ao jantar estava a dizer ao mê senhor, bem, a dizer a ele mas para a Pulga ouvir.
Ela que é toda pela higiene que a coitada da irmã nem pode se chegar ao pé dela com as mãos com baba que ela salta logo aquela voz esganiçada e ..."não limpes a tua baba em mim, ouviste?"
- Humm, vou comer muito alho e cebola que a Pulga hoje dorme comigo. - disse eu a piscar um olho.
Ela que estava vidrada nos "macacos" (desenhos animados na tv) ouviu e olha para mim com aquela cara de nojo e repulsa.
- Blhaaaaaaac - e faz aquela careta própria de asco, olhando para mim, mostrando os dentes do maxilar superior ao franzir o nariz.
               
Meu Deus! Ainda pensei em não comer mais, mas não resisti. Será que ela vai resistir...ao cheiro? 

É só para a acrescentar, porque eu não canto de cor

 A propósito do artigo aqui de baixo (se ainda não leram façam-no antes de ler este) não sei se sabem mas são os Professores Titulares de Turma, abreviando, o professor da sala é quem preenche toda a papelada inerente à Acção Social Escolar das crianças da sua turma.
E durante alguns anos preenchi e recebi os documentos necessários a fazer prova do pedido.
                                
Massaroco-Planta endémica da Ilha da MAdeira
Caso Concreto
Uma família de 9 pessoas: pai, mãe e 7 filhos, sendo dois de maioridade, auferiram nesse ano a quantia de 900 euros referentes a Abono, Rendimento Mínimo Garantido, pois que nem pai nem mãe trabalhavam. 
Nesta situação as crianças da escola (e eram 3 na altura) tiveram escalão máximo. Não pagavam nada. Só para acrescentar um pouco à história, esta família vivia num T2, por querer e não por obrigação. Foram aconselhados a mudar para um apartamento maior, mas teriam de pagar a dívida ao instituto de habitação, em suma não pagavam renda de casa. 
Também não pagavam nem a água nem a electricidade.
A empresa de electricidade mandou cortar devido ao atraso nos pagamentos.
A assistente Social do Bairro armada em Madre Teresa sem hábito expôs o caso da família de fracos recursos (dá vontade de rir) e justificou o facto de haver crianças em casa e por isso ser inconcebível a empresa ter cortado o consumo de energia.

Então vejamos: não pagam renda de casa, não pagam luz, água, livros, materiais, equipamento de Educação Física, capa e sapatilhas para a chuva, os 900 euros são aplicados em quê?

Já devem saber a resposta. Penso que nem vale a pena enumerar!
LCD, computador portátil para cada criança, (e como têm electricidade) TV cabo, cigarros, bebida, noitadas, sapatilhas Nike sim, "que  o meu filho não vai andar diferente dos outros"  e a capa e as sapatilhas da Acção Social ficavam na escola ou eram deitadas ao lixo.

Este só um caso que me passou pelas mãos.

Sabem o que digo?
Esta classe, (de pessoas com rendimento mínimo) serão os novos-ricos do próximo milénio se souberem usar devidamente estes rendimentos.

900 euros...900 euros...

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Parecem bandos de pardais à solta...

...Não são os putos. São as mães dos putos!!
As que vivem de rendimentos. Bem me apetecia dizer...sabem bem qual a palavra!!! Mas trinquei a língua.
Fui à janela ver o tempo e vejo-as em bando no caminho.
                         
Assim que deu um esteio de chuva lá saíram elas das tocas e foram para o café. Ainda pensei que iam à escola buscar os filhos! Mas não! Eles que fiquem enquanto a escola estiver aberta.

São as mães dos meninos que têm acção social: livros, materiais, refeições, e o que mais houver...pois estão no escalão máximo. Tudo isto sem um único gasto. À borla. E a receberem ainda uns bons euros, por terem filhos ... para cuidarem dos filhos...
                                     
E disse ainda há pouco alguém do Conselho de Educação a referir-se à alimentação na escola: que é justo pois para alguns deles é a única refeição quente do dia. E quiçá o único carinho quente durante o dia, digo eu! 
Mas pelo que sei e vejo para as mães há muitos cafés quentes durante o tempo em que eles estão na escola, que é, e passo a referir: das 8:30 até às 18:30.

Desculpem, foi um desabafo. Mas feriu-me saber que as crianças, essas estão na escola até fechar...

Vídeo de hoje

Hoje, captada da janela do meu quarto. AVOGI
Não necessita de palavras . As imagens são elucidativas da torrente de água que corre em direcção ao mar.

 Para ver o vídeo clicar:( http://www.youtube.com/watch?v=-Jcf4UdBdxM)

Hoje e pela primeira vez...

 ...Tenho receio, medo e um desconforto na barriga.

Ao ver a chuva a cair do céu ininterruptamente assola-me à lembrança as imagens do dia 20 de Fevereiro.
É que hoje São Pedro não está a poupar água.

Nota: A minha filha acabou de ligar para não sair de casa. As ribeiras no Funchal estão cheias.
Alguma escolas já fecharam. Outras fecharão logo após o primeiro turno. Disse-me ela.

 O desconforto a aumentar no corpo, o medo a  crescer dentro do peito.

Venho depois dar notícias.

Olha, ouvi dizer...

...Que o botox  pode ajudar a prevenir as enxaquecas?
Captada com o telemóvel. AVOGI
Ora aí está uma noticia que me vai alegrar neste tempo de crise!! A mim e a mais mulheres que vivem com estas "demôinas". Está na altura de injectar uma porção de botox na cara e no pescoço. Não será para alisar aquela ruga chata que teima em se afundar não, mas sim para deixar de sofrer com as enxaquecas.

Eu não sofro de "enjaquétas", mas vou aproveitar para colocar o alisador de rugas.
Depois direi a toda a gente que foi por causa das demôinas das enjaquetas que tive de colocar o botox !!
                
Ah pois, agora entendo a razão das socialaites encherem a testa e já agora...as bochechas, o buço, as beiças!!!
Coitadas!!! Sofriam com dores de cabeça! O que é certo que após isso ela riem por tudo e por nada. Aliás, não conseguem parar de rir.

Mas, ao ler a noticia apercebo-me que é a cada três meses . God, vai haver cabeças e pescoços mais inchados que um balão. O facto é que mesmo com esta crise toda a gente vai sorrir!!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Educar para a cidadania: mito ou realidade

Estava uma sala cheia de mamãs e duas avós enquanto as meninas tentavam ser uma Margot Fonteyn, mas enquanto não chegam a se esticar tanto, continuavam no estúdio de ballet.
As meninas da aula seguinte brincavam. Nada de mal, estão na idade. Mas, a brincadeira era saltar das cadeiras para o chão ao mesmo tempo que gritavam alto, cantavam e desarrumavam a sala.

As suas mamãs liam tão absortas que não ouviam os gritos nem viam os saltos e os pés em cima das cadeiras. Uma avó pescava bodeões e eu atenta à desordem já com aquele calor da brotoeja a subir dos pés à cabeça.
Assim que a brotoeja se transformou em bâbedas* salto da cadeira e dirijo-me à encarregada.

- Desculpe, mas as mamãs destas meninas são aquelas que estão ali sentadas? - perguntei ao mesmo tempo que apontava para elas.
- Pois...... É isso mesmo! - responde, com um leve levantar de ombros, como que a dizer que não tinha a culpa ou que não deveria ser ela a impor respeito e disciplina.

E lá foi arrumar a sala e pedir às meninas que falassem em vez de gritar, que não pusessem os pés nas cadeiras...que tivessem atenção à aula que decorria...que...enfim...
                           
As suas mamãs....continuaram na leitura...
Não era nada com elas...Afinal estão a pagar  e isso confere-lhe uma delegação de poderes!

E não me digam que agora é diferente porque...a Educação (pela Cidadania)  não mudou!!

*Bâbedas - borbulhas em madeirense

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Não, não sou violenta, mas um dia posso ser.

Sabem quando perdem uma coisa e andam às voltas e não encontram porque não procuram ou porque não saíram do lugar?
Sabem que a esperança é a última a sair do corpo?

Juntando estes ingredientes dou um conselho que aprendi com uma pessoa mais velha e por isso mais sabedora.

Quando se perde algo, não se procura, vamos até junto de alguém e pergunta-se se viu o objecto, neste caso concreto: a bengala.

Viste a minha bengala? E vamos perguntando durante o dia...
E como resposta é sempre a mesma: não, não vi...!
               
...Só há uma coisa a fazer: sentar-se de sofá. E ...esperar!
Ao mesmo tempo vamos dizendo assim meio baixinho para ninguém ouvir, mas um bocadinho alto para que alguém oiça: ela vai aparecer... E sempre que alguém passe pela pessoa repete-se a ladaínha: ela vai  aparecer...ela vai aparecer...
E fica-se todo o dia sentada de sofá à espera que apareça!

Até que a pessoa (que ouve a ladainha) se irrita procura a bengala e...assim como quem não quer a coisa... dá-lhe três bengaladas na cabeça...poinc...poinc...poinc... como se fosse o dia do cartolanço!

Remédio Santo, nunca mais se esquece do objecto.

Agora lembrei-me desta, a propósito de soldadores e jardineiros

Há uns tempo atrás vinha cá  a minha casa um jardineiro tratar da relva a e dos jardins como é óbvio.
E como é óbvio que o dinheiro não dá para tudo dispensámos o jardineiro, passei eu a ser, sempre era mais barato.

Mas este homem não media mais que um metro e meio. Além disso era magro, com um bigodinho ou uns pelinhos a brincar no buço, mas benza-o Deus comia que nem um padre (sem ofensa aos senhores padres que lêem o meu blogue).

Ele subia as passadas* com sacas de terra de 50 quilos nem bufava, nem saía bolas de fumo. E corria que ele andava sempre às carreiras.
Mas quando chegava a hora de atacar, atacava e bem na comida. Bom proveito lhe faça e lhe fez.
E sabem quem era a cozinheira? Acertaram. Eu, Moi-Même. Ele vinha sem farnel mas com uma vontade louca de comer.

Certo dia à mesa, sim, ele comia connosco, ao falarmos de plantas e de gostar de jardinagem diz ele com o sotaque do Estreito de Câmara de lobos, de campo.
- Sabe, a minha senhora até já me disse que a mulher do  professor M.  gosta muito de plantas. 

Hã? Viram? Eu era a mulher do professor, a tal que lhe fazia o jantar, ponha na mesa e ia pô-lo ao Estreito de Câmara de Lobos, armada em choufére. A mulher dele era... a minha (sua) senhora.
Eu embatoquei e só desejei que ele se engasgasse com um osso de galinha.
Mal-empregado!!! 

*passadas=degraus

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Eu bebo sim, estou vivendo, tem gente que não bebe e está morrendo

Porque temos de tirar o  batoque* da garrafa de vinho algum tempo antes de servir??
Esperem, não digam, eu sei a resposta. Para respirar. 
                                      
Mas aqui no  meu rural assim que o mê senhor vai à adega buscar a garrafa de vinho.... vamos todos atrás dele como os patos atrás da pata. Ó despois quando ele regressa já com a garrafa e vai tirar o batoque, a gente estende a pata....,perdão, a mão já com o copo em riste ...e quando sai o primeiro respiro do vinho...é a guerra a ver quem é o primeiro. 

Agente emborca pela goela abaixo é aí que ele respira. 
Não o vinho. O mê senhor.

Sabem, mas não consigo deixar o vinho respirar...!! É que enquanto ele respira, eu não. Fico à espera, de olhos arregalados, não vá ele dar o último suspiro e eu não estar presente.  E quando não sinto a respiração dele, penso: será que está morto?
"Atão" cheiro. Hummm tá vivo.
E antes que dê o ultimo suspiro, eu bebo. Bebo sim...um copo de vinho alentejano.
Ai como adoro!

*Pelo sentido percebem, mas vá lá eu digo: batoque é rolha em madeirense.

E não, não sou alcoólica.

domingo, 17 de outubro de 2010

E foi a tarde a ver: crime disse ela.

 Não é que ...Passei a tarde a ver "Crime disse ela."? Uma injecção de uns tantos capítulos!
                         
Ai aqueles cabelos de vento em popa, com permanentes e franja lisa, esticada.
Enchumaços nos ombros que parece que vão levantar voo.
As saias rodadas largas por baixo do joelho. Blusas largonas, com folhos, pregas e refêgas.
Cabeções em vez de colarinhos...
Nada colante ao corpo!! Nada a insinuar as curvas!!
                                        

E eu a pensar que já me vesti assim !!! Eu e mais uns tantos que faziam questão de andar à moda.

Não sei se... não sei se não... se sim... se não...

O tempo está incerto. Não sei...se chove...se não.

Logo, não posso pôr a roupa no quintal, no estendal. Se...não posso, não ponho. Se...não ponho não faço nada.E se...é para não fazer nada..."atão" fico a pastar no sofá.
Se...fico embuseirada no sofá, vejo televisão, se...não passar pelas brasas.
                               
E logo hoje que eu queria tanto pôr a roupa no estendal do quintal!!!!!!
Esta incerteza e pasmaceira é tudo culpa do tempo!

Se.. não fosse ele...eu já tinha posta a roupa a secar!!!
Se... calhar já estava seca!

sábado, 16 de outubro de 2010

Nem tudo o que luz é ouro!! Quero dizer: nem tudo o que parece, é

Este mê senhor é um hôme dado a bem-feitor. Devia ser santo. A sério!! Mas se ele fosse santo havia de estar no céu. Não, é melhor tar aqui, na Terra. Ora, como ia a dizer...e isto a propósito de ...?
Credo! Já me perdi! Ah, já me encontrei!
Hoje temos aqui um mestre soldador. É que o mê senhor não pode estar de mãos dentro dos bolsos, tem de estar sempre a fuçar em alguma coisa; e se não tem nada para fazer, inventa.
Atão tem-se o tal mestre aqui.
Inda há pouco....
- Não te esqueças que é preciso almoço para o homem!
                            
Bem, isto é daquelas frases que me salta a brotoeja p´lo corpo todo e a hemorróida começa a latejar.
Mas vamos lá ver...
Manda-se um marido pó trabalho (extra) sem comer?
Qué dizer...neste momento a senhora do mestre deve estar no café a polir a cadeira e eu aqui armada em cozinheira-escrava do seu senhor!!!

Lá ter eu tenho mas...!

Nestes dias de chuva em que não posso sair de casa para andar a pé vou dedicar-me a andar de bicicleta. Aquelas sem rodas, que não saem do sítio, mas com selim é o que importa "canão" ia doer pa caramba lá no sítio do costume.
                                             
Até tenho duas em casa, mas estavam a servir de cabide para a roupa. (Que vergonha dizer isto, mas a verdade escapou da boca e por mais que corra não tenho pernas para a apanhar.)
 Mas ont´à noite....arrumei a roupa e...dei ao pedal.
Imaginei-me a voar assim como uma bruxa na vassoura, pela via-rápida a caminho da Encumeada para beber uma ponchinha.
"Aquilho" é foi pedalar!!!
                                                                                                       
Ei madeirenses, se virem uma louca loura à noite, de cabelo ao vento, com um gato ao ombro e com cara de medo a pedalar porí acima numa bicicleta sem rodas...não é nem o super homem, nem uma bruxa, nem um pássaro, nem um avião: sou eu e o Fuscas o gato preto mais negro que um tição!
É que eu abri a janela e ....lá fui...
                               
Não me travem!!!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Fim de semana, pois então!

Digam-me lá uma coisa que ando prá  tonta que nem uma barata. A ver se ponho as ideias no sítio!!
Estamos no Outono ou no Verão?
É que o dia de hoje (quinta-feira ) foi um  dia de céu azul, sem nuvens. Húmido certo, até a Pulga estava  a raspirar (transpirar), mas esteve  mais quente aqui no meu rural do que no Inferno.

E as noites? Essas são quentes também. Ainda não se  põe cobertores nem mantas. Nada.
Mas esta humidade...

BOM FIM DE SEMANA para todos os visitantes. Que seja o maior e melhor fim de semana de sempre.
Por aqui vamos tentar vivê-lo em pleno.

 Se quiserem ver mais fotos do Alto Douro cliquem na frase. Obrigada

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Eu fico com vontade de jogar bolos do caco!

"Atão" não é que li ali no artigo do andar de baixo que não conhecem o bolo do caco?!

chaimite
Não conhecem o bolo do caco da Madeira? Volto a perguntar: não conhecem o bolo do caco da Madeira?
E conhecem o bolo lêvedo dos Açores?
                     
Afastem-se da minha trás!!!
Ai que vontade de arremessar uns quantos daqui!!!
                      

Se eu tivesse uma chaimite...na ponta de cada cano (não sei  nome correcto) ...um bolo do caco...e era isso que eu faria a quem conhece o bolo dos Açores e não conhece o da Madeira!!!
Olhem que eu sou temida!!
                           
 Fujem! Desmarquem-se! 

Mas é pra isto qu´eu vivo?

Depois da aula de Ballet da Pulga  que termina às 17:30 vamos sempre à padaria comer uma corrada, como diz a Pulguinha (2 anos) e um sumo.
Estava eu a pedir para se despacharem que ainda queira ir ao super...
Olha para mim a Pulga e com ar acusador e olhos bem abertos de mandona claro, só pode ...
- Tiveste o dia todo e não foste ao super? Só agora é que vais?

Olhe p´ra  mim  menina, coisa fofa, mas de língua afiada assim com a da avó!!!  Onde já se viu mandar estas papaias à sua avó mai linda do planeta? P´rá próxima vais tu para aprenderes as regras de saber-viver e de saber-ser avó. 
E a língua? Eita, não deve ser assim tão afiada, ora não!!!

Mas ninguém sabe a que tempo chega senão depois de chegar, já dizia minha mãe.

Tenho já o rabo embulajado

Não não e não. Recuso-me a estar aqui em frente ao computador de pé, a fazer força nas canetas (entenda-se canelas). Nunca me verão aqui em posição vertical.
Jamé!

Mas não sei que volta hei-de dar...! Já tenho o rabo "embulajado" que mais parece um bolo do caco.
Já pus uma almofada nas costas para ficar refastelada, nos pés para descansar as pernas esticadinhas, mas o problema é o rabo que começa a latejar que parece uma veia cheia de sangue.
E vira, alivia dum lado; vira e alivia do outro; assim como quando a gente quer dar um.... um vento fffffffff....
                        
Sentada, é como vou continuar, mesmo que para isso o bolo do caco embulaje ainda mais!!!
Mas sei que não sou a única a se queixar do mesmo!!!
                           
E isso dá-me uma satisfação mórbida!!!

Quase todas as noite para não mentir

Chuva na barragem do Alvão. Férias 2010
 Todas as noites, bem, começou por ser todas as noites mas depois passou a ser noite sim noite não, vamos andar a pé.

Fazemos 4800metros numa hora, contando com as vezes que paramos para conversar, para ver uma árvore,  um cão, um corredor de maracujás, um carro novo...seja o que for..
Não precisamos de pedómetro. Damos perto de 13000 passos (eu dou mais que os meus são ligeirinhos)
Ora hoje assim que íamos sair...ai que chatice (para mim que o mê senhor deu vivas à Cristina)...chuva.
Ele, o mê senhor satisfeito da vida por estar a chover e não podermos ir. Eu aborrecida, chateada a pensar que a reza dele foi mais fervosa que a minha.

A que santo encomendou ele a chuva?

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Ando aqui a magicar!...

Tenho uma ideia, só espero luz verde para avançar!
E vai haver vingança daquela feroz, reles, mas que nos deixa com a cabeça leve.
Diz-se que:" A vingança serve-se fria". A dele vai ser servida quente.
Só de pensar já me rio. Oiçam as gargalhadas!!

Aquele de quem falei, o tal fazendeiro destruidor de plantações e que se julga canivete suíço, não perde por esperar! Venha ele com os salamaleques do costume: senhora professora...isto! Senhor professor..."aquilho" Vai ver mazé..."aquilho"
É que quando me pisam os joanetes....
Vai mijar-se de medo. Ai vai vai. E vai conhecer a filha mai nova de minha mãe.

Há por aí muitos Peter Pans

O que leva as pessoas a porem, tanto no Messenger como no Facebook e até nos blogues, fotografias na imagem de perfil de quando eram jovens?
E depois vemos/conhecemos a pessoa e tem mais quarenta anos em cima.

Ó meu caro amigo que tem a foto de quando era menino e moço, lindo, coisa mai linda do mundo!! Deixe  de ser Peter Pan! Não tenha medo de crescer!

Como disse? Não tem a ver com o Peter Pan? Ah, já sei!
Saudadinhas do passado? 

Também a mim me dá! De vez em quando essas danadas apertam-me tanto as goelas que me deixam sem fôlego.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

É hoje que vou dar parte dele

Estou a cuspir línguas de fogo, se não querem ficar abrasados, fujam enquanto é tempo.
O homem que esteve aqui a limpar o terreno, limpou tão bem, mas tão bem que não deixou nada plantado.
                                    
Adeus rúculas (palerma, não conhecia então arrancou, e diz ser agricultor)! 
Adeus chicórias (que o burro "não sabia o que era" disse ele e julgava que era erva)!
Adeus tomates (que estavam bons para consumo)! 
Adeus couves (verdes e em espiga, cheias de folhas tenras)!

O estúpido arrancou tudo e...deitou fora (gente rica que vive do abono e do rendimento). Ainda se levasse para casa...até ficava mais satisfeita!!!! Pimentos, pepinos...

 Pensando melhor, não  vou dar parte dele*. Nã, nã, nã, eu vou é  partir-lhe os cornos (já disse que estou reles, por isso o palavreado).

E eu só pedi para cortar uma pimenteira da Índia!!!!
    
*dar parte dele é...participar à polícia.

(Considerem este um post irónico que eu não tenho força para...lhe partir os ditos (cornos).
Mas vontade tenho, lá isso tenho!!!

Eu posso dar parte. Alguém quer?

O mê senhor pediu ao homem (o esperto do post anterior) para cortar as bananeiras de prata e deixar as que estivessem junto à parede.
Daí a pouco ao vê-lo encostado à parede da tasca perguntou-lhe se estava tudo feito.
- Sim - disse ele - deixei três bananeiras.

Ao chegarmos a casa fomos ver o trabalho.
Atão não é que só tinha uma bananeira?
Mas que caramba de homem estúpido que nem contar até três sabe?- Pensei eu.
Será que...? Está a contar com ...?
É que veio ele e o sobrinho....!!

Nem me atrevo a dizer o que me vai no pensamento.
Nem se deitem a adivinhar... 

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A receita da Poncha. Cuidado, beber pouco

Desculpem meus candidatos aos caralhinhos, utensílio muito usado cá na RAM (Madeira).
Não há casa que não tenha um!! Até quem emigra leva o seu!
Foi por esquecimento e por pensar que toda a gente já sabia para que serve, mas afinal ainda há quem não saiba a que se propõe o uso e abuso (ui, abusar é que não) deste tão querido e tão regional aparato. 
                                  
Vou cá deixar a receita da Poncha que é ele o imprescindível pau para mexer os ingredientes da referida bebida.

Deitar limões às rodelas num jarro.
Juntar mel de abelhas. 
Mexer bem com o caralhinho.
Deitar a aguardente de cana ou vodka.
Novamente mexer bem. Depois deitar nos copos. Servir e beber, não muito que isto sobe logo à cabeça e desce ao estômago e faz dar muitas voltas ao corpo até...cair.

Há outras variantes da poncha: laranja, maracujá, absinto, pitanga, tangerina e de qualquer outro fruto. Também se pode adicionar cubos de gelo, mas desta feita serve-se em copos altos. Quando é só poncha serve-se no copo  pequeno.

Esta que aqui deixei a receita é: Poncha à Pescador. A mais forte, a mais usada pelos pescadores antes de irem para a faina.
Poncha (clicar na palavra)

As quantidade? Bem, o melhor é fazer e ir provando. E ver o que precisa de mais: se mel (para ficar doce), limão (mais amargo) ou aguardente (mais forte de álcool).




domingo, 10 de outubro de 2010

Os três caralhinhos.


 "Eilhos". Os três caralhinhos na minha mão! Era pá amanhã, mas coloco hoje.  
Eu tinha escrito que ia colocar amanhã a fotografia, foi isso que escrevi, mas ... coloco hoje.
É que há tanta gente à espera de ver-me a deitar a mão aos três.
Atão, "vejem" bem. 
E como referi, posso oferecer dois.

Mas porque razão tudo "avareia!" na Festa?

Falava eu com uma amiga da minha tia sobre o ferro de engomar que...foi à vida.
 Dizia-me ela.
-Vai-se pá Festa vêm as despesas. Há sempre um aparelho que "avareia"!
                                                                                                    
Eu só espero que mai nada "avareie"! É qu´a Festa ainda vem longe. Looooonge!

Mas, a bem dizer, ainda faltam dois meses!

 Espera aí. Pára tudo, como dizia aquele apresentador do programa sócio-cultural-recreativo: (ironia, claro) "Fiel ou Infiel".
Mas afinal não é precoce já se ver sinos, laços, bolas, anjos, espiguilhas nas montras das lojas?
Digam lá, não acham que ainda falta muito pá "Festa"?
A mim dá-me uma comichão na hemorroida e lá vou eu coçá-la com muita força.

Faltam dois meses, caneco. O Pão-Por-Deus e o São Martinho?
Bem, já agora e antes que me esqueça! BOAS FESTAS!

sábado, 9 de outubro de 2010

Sou uma mulher de sorte. Não agarrei o euro-milhões, mas agarrei três caralhinhos!

Suspeitava que era uma mulher de sorte, mas hoje tive a prova. 
Abro a gaveta e dentro dela encontro...não um, não dois, mas...três caralhinhos.
Há quem não tenha nenhum. Eu tenho três. São muitos para mim. Só preciso de um!
Por isso...
                     
Posso emprestar dois. Ou oferecer, vá lá.
Alguém quer? E sabem usar? Olhem que é preciso saber. Não é só agarrar com as duas mãos, massajar, rodá-lo com as palmas das mãos, friccionar... e...mexer. Não amigas e amigos é preciso ciência e experiência.
                               
Cheguem-se à frente os interessados num caralhinho para que eu possa contar: Um...dois...três...,...,...vinte...? C´um tantos!
Vai ter d´ haver sorteio!

E já agora querem vê-los na minha mão? Todos os três? 
Amanhã mostro.

Dois anos

Só foi há dois anos que deixámos de ter a tua presença física porque a espiritual não nos deixa.

Descansa em paz.

E  onde estiveres brinda, como sempre fizemos, com o copo ao alto:

À amizade,

À família, 
Aos amigos,
Aos bons momentos,

À vida 

Porque tu és vida presente em todos nós.

Um abraço...Aquele. De sempre!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Fim de semana, pois então!

Desejo um BOM FIM DE SEMANA cheio de coisas quentes e boas como castanhas.
Por aqui, no meu rural, muito vento e muito sol.
Muitas mangas curtas e chinelos.

Aproveitem o bom tempo que esse malvado já anda a espreitar por detrás da cortina, tal qual uma bilhardeira a vigiar a vida dos outros.

Será que recebem cachê para assistir aos programas?S?

Agora que estou aposentada e começo a trabalhar logo de manhã em casa (sim, mas é trabalho à mesma) faço umas passagens pelos canais generalistas portugueses: SIC, TVI, RTP.

Que programas mais deprimentes que lá passam de manhã. E de tarde não é melhor. Há muita gente triste com histórias tristes. E com vontade de as contar. Por que há quem as esconda. Quedo-me a pensar se será Portugal um país triste?

Ah, então não é que há uma senhora que todos os dias está no programa do Goucha? Sempre.
Eu até já ligo na TVI todas as manhãs, a ver se se esqueceu de ir, mas não...

Foram muitos anos a virar frangos

Ao falar com o mê senhor acerca de uma criança a qual estou a apoiar na matemática e, dizendo-lhe que a mãe estava satisfeita com o trabalho realizado porque a menina já se sente motivada para trabalhar e até conclui os trabalhos na escola atempadamente, diz-me ele.
-Sabes, foram muito anos a virar frangos! 

Exactamente: 32 anos, 6 meses e 12 dias

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Olha lá que a baba ainda escorre! Sai mais uma caixa de lenços!

Ao falar no MSN com uma amiga, aposentada como eu, veio à baila o facto de estarmos em casa.
Eu que gosto, ela que detesta, pela  monotonia que se instalou na sua vida, passando de docente a uma gata borralheira.
Dizia-me ela.
- Não é  para te envaideceres, mas para dizer a verdade a aposentação parece que te fez bem. Tás cada vez mais bela. 

Não era para..., mas...envaideci-me! E por isso estou aqui que nem posso! Inchada!
A vaidade cresceu rapidamente como cogumelos, sai em todos os poros espalhando gotículas de presunção; enquanto a baba escorre pelo queixo abaixo tal qual um São Bernardo.

Um segredo. Vou dizer baixinho: já pus um babeiro do Pulguito. É que  já gastei uma caixa de klenex a limpar o cuspo. E não tenho mais!

Ai amiga do Faial! O que me foste fazer!! 

Quando os sonhos parecem realidade !

não, não, não sou eu. Já não consigo levitar
Ao dormir a sesta com as Pulgas sonhei. Mesmo, o que se pode fazer em duas horas de sono?

Mas sonhei e via com nitidez as personagens, os lugares, tudo tão nítido e tão audível.

Ouvia bem e via bem! Coisa bem rara em mim!!
Até no sonho me interrogava como seria possível isto? Se sempre tenho de fazer um esforço fora do normal para ver e ouvir?
                                              
Ao acordar descobri que...
Tinha ainda os óculos postos (no nariz) e os aparelhos auditivos (nos ouvidos).

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Há canos que namacontecia!

E de tanto falar na cesta/sesta ali no artigo no andar de baixo ontem feriado (já "nã malembro" de quê?) as Pulgas saltitavam assim como as batatas fritas na fritadeira. "Atão" para acalmar a fervura não há como dormir a cesta, ah perdão, a sesta.
                                     
E lá se foice todas ambas juntas as três catre de ferro da avó fazer uma naninha que já se tava todas babadas "cu soune".
Olha, "drumiu-se"  umas duas horas.
                                                    
Ah, consolou-me! "Há canos iste "nã macontecia!"
Ó despois à noite! Nã tinha "soune" e andei a contar bois durante um "tempe."

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Quando a Natureza é fraca alguém tem de agir!

Fiz o que ditou o meu coração depois de muito pensar.
Prefiro ser acusada de delatora do que de negligente ou até mesmo permissiva.
Chega!
                                       
Eu sinto-me bem, mas os visados de certeza que não.
Já não era sem tempo. Mais vale tarde do que nunca.
Mas porque será que estou com um formigueiro na barriga?
                                                             
Falta-te a força, mas a mim não.
Um dia vais-me agradecer...

A falar é que a gente se entende. Mas a escrever, não!

bebé dorme a "cesta" na "sesta"
 Ao ler um blogue duma recente mamã leio que o seu príncipe (agora há muita realeza em Portugal) faz sempre uma cesta de três horas.

Ora bem, deve de haver cestas de 2, de 3, de 4 e mais horas consoante o material com que é feito a ...cesta.

Cesta de barro= 2 horas; cesta de vime=3 horas; cesta de vidro=4 horas.

Mas, e se o seu príncipe em vez de fazer...cestas fizesse...uma sesta?

A falar é que a gente se entende , mas a escrever, não!

 Outro erro que adoro é perguntarem: e tu, gostas-te?( em vez de gostaste)
Ao que eu respondo: eu não gosto-me! Eu amo-me!

Outros muito usados.  Usa-mos, lava-mos, leva-mos...(em vez usamos, lavamos, levamos)

Mas que grande pedido!! Puxá vida (como dizem lá no "brasilhe" )
Mas usar e lavar o quê? Os ...braços?

Os pés? Os entrefolhos? E ... leva-mos...para onde?

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Desejo profundo da Pulga

Pulgas na Calheta Porto Santo
 Fiz uma pergunta daquelas idiotas que se fazem às crianças.
- Quando tu fores grande o que vais ser?
- Mãe.- Responde convicta da sua ideia.
- Mãe? Só mãe? E o que será que vai ser a  tua mana?

E ainda eu não tinha formulado a pergunta à Pulguinha (2 anos) já a mais velha respondia...
- Pai. Eu vou ser mãe e ela pai.

Vamos lá pôr a cabeça a funcionar que hoje é segunda-feira

Início da semana e como estamos de boa maré porque amanhã é feriado, vamos lá a completar esta quadrinha bem popular.

Há Duas coisas na vida
Que para a mulher é um tormento
......
......
Agora completem a quadra, sabendo que o segundo verso rima com o último.

Mulheres, pensemos! Vá! Dedinhos a tamborilar na mesa, a outra mão na cabeça. Fechar os olhos e...pensar.
O que é que para nós é um tormento? São duas coisas.
Homens, quais as duas coisas que fazem o tormento das mulheres, hã? E que as fazem reclamar?

domingo, 3 de outubro de 2010

Não preciso de dizer nada, a não ser...obrigada.

A Mina mandou-me figos via Facebook no passado dia 15, mas esta que sou eu, raramente vai a este sítio.Ora hoje, por casualidade vou lá...e...vejo-os ali à minha frente.Nem queria acreditar!!!E sabem que mais ? Uma outra amiga "atão" não os queria comer? Nem tinha reparado que eram para ela. Too late :)! Azarito.   (Clicar na frase para conhecerem a gulosa) Fizeste bem- respondeu a Mina - vê bem já lá estão desde dia 15, ela ainda nem um comeu 
:)))...OBRIGADA MINA( ASPIE BLOG) 
São este gestos que me adoçam o bico e fazem estar aqui.  Obrigada Mina.Ah, e gostei do aviso: O prometido é devido!... Comer com moderação!.. :)) E posso eu ser moderada quando toca a comer figos?

Coisas que eu não falo/ Segredos guardados

Mais um segredo dos meus. E este nunca disse a ninguém.

E eu, bem, até tenho vergonha de dizer, mas...já passei o babeiro do Pulguito pelo nariz umas cinco vezes. 

É esta mistura de cheiro que simboliza pureza e higiene: baba, cuspo, sabão e amaciador.
                                                        
"Adoro cheirinho a bebé.E (adoro) esfregar o babeiro no meu nariz."

Haverá cheiro mais agradável do que o de um bebé lavado?